Fechar
Publicidade

Domingo, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Metalúrgicos vão intensificar mobilização

Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Entidades ligadas à Força Sindical querem ampliar pressão sobre empresas para ter ganho real


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

23/10/2014 | 07:09


Os sindicatos de metalúrgicos que integram a Força Sindical, entre os quais o de Santo André e Mauá, e o de São Caetano, devem intensificar a mobilização nas fábricas de empresas do ramo, de autopeças, forjaria, fundição e outras, por causa da falta de avanço nas negociações com as bancadas patronais que representam os setores dessa base. Essa foi a deliberação tomada ontem durante reunião na federação da categoria com as 54 entidades filiadas a essa central sindical.

O objetivo é conquistar aumento real (superior à inflação) para a categoria que, neste caso, tem data base em 1º de novembro. Até agora, da mesma forma como ocorreu na negociação da FEM-CUT (Federação dos Sindicato dos Metalúrgicos da Central Única dos Trabalhadores), os grupos de representantes empresariais não ofereceram reajuste acima da inflação.

Segundo o secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André e Mauá, Sivaldo Silva Pereira, o Espirro, a entidade já tem feito assembleias diariamente em indústrias de sua base e, a partir do início de novembro, se ainda não houver acordos nos grupos, deverá haver paralisações por fábricas. “Temos condições de fazer pressão (para alcançar aumento real)”, diz o dirigente.

ADESÕES - Ontem, mais 23 empresas concordaram em pagar o reajuste de 8% (inflação mais 1,56% de ganho) reivindicado pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, ligado à CUT, para as companhias de sua base (São Bernardo, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra).

As novas adesões, feitas por empresas de pequeno porte, alteram pouco (em relação aos números de terça-feira), o percentual de metalúrgicos que já têm garantido o aumento, de acordo com o sindicato. Atualmente cerca de 75% da base, formada por 96 mil trabalhadores, incluindo os empregados de montadoras), já têm acordo salarial firmado.

Ontem houve assembleia na metalúrgica Apema, de São Bernardo, que paralisou a produção por duas horas. A mobilização nas fábricas deve prosseguir hoje.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Metalúrgicos vão intensificar mobilização

Entidades ligadas à Força Sindical querem ampliar pressão sobre empresas para ter ganho real

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

23/10/2014 | 07:09


Os sindicatos de metalúrgicos que integram a Força Sindical, entre os quais o de Santo André e Mauá, e o de São Caetano, devem intensificar a mobilização nas fábricas de empresas do ramo, de autopeças, forjaria, fundição e outras, por causa da falta de avanço nas negociações com as bancadas patronais que representam os setores dessa base. Essa foi a deliberação tomada ontem durante reunião na federação da categoria com as 54 entidades filiadas a essa central sindical.

O objetivo é conquistar aumento real (superior à inflação) para a categoria que, neste caso, tem data base em 1º de novembro. Até agora, da mesma forma como ocorreu na negociação da FEM-CUT (Federação dos Sindicato dos Metalúrgicos da Central Única dos Trabalhadores), os grupos de representantes empresariais não ofereceram reajuste acima da inflação.

Segundo o secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André e Mauá, Sivaldo Silva Pereira, o Espirro, a entidade já tem feito assembleias diariamente em indústrias de sua base e, a partir do início de novembro, se ainda não houver acordos nos grupos, deverá haver paralisações por fábricas. “Temos condições de fazer pressão (para alcançar aumento real)”, diz o dirigente.

ADESÕES - Ontem, mais 23 empresas concordaram em pagar o reajuste de 8% (inflação mais 1,56% de ganho) reivindicado pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, ligado à CUT, para as companhias de sua base (São Bernardo, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra).

As novas adesões, feitas por empresas de pequeno porte, alteram pouco (em relação aos números de terça-feira), o percentual de metalúrgicos que já têm garantido o aumento, de acordo com o sindicato. Atualmente cerca de 75% da base, formada por 96 mil trabalhadores, incluindo os empregados de montadoras), já têm acordo salarial firmado.

Ontem houve assembleia na metalúrgica Apema, de São Bernardo, que paralisou a produção por duas horas. A mobilização nas fábricas deve prosseguir hoje.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;