Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Justiça condena dono de clínica por tortura



11/05/2019 | 08:36


A Justiça de São Paulo condenou o antigo dono do Centro Terapêutico Ilha Comprida, no litoral paulista, e oito ex-funcionários pelos crimes de tortura, maus-tratos, cárcere privado e associação criminosa. A clínica atendia pacientes em tratamento para dependência química. Um dos réus também foi condenado por estupro. Ao todo, 101 crimes foram considerados na sentença. O dono da clínica, Rafael Renger, foi considerado o líder da quadrilha e sentenciado a 98 anos de prisão. Já para Humberto José Massoco de Souza, coordenador da instituição, foi determinada pena de 80 anos. Segundo a decisão, os pacientes eram submetidos a "intenso sofrimento físico e mental". A clínica foi fechada em 2015. A reportagem não localizou as defesas dos condenados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Justiça condena dono de clínica por tortura


11/05/2019 | 08:36


A Justiça de São Paulo condenou o antigo dono do Centro Terapêutico Ilha Comprida, no litoral paulista, e oito ex-funcionários pelos crimes de tortura, maus-tratos, cárcere privado e associação criminosa. A clínica atendia pacientes em tratamento para dependência química. Um dos réus também foi condenado por estupro. Ao todo, 101 crimes foram considerados na sentença. O dono da clínica, Rafael Renger, foi considerado o líder da quadrilha e sentenciado a 98 anos de prisão. Já para Humberto José Massoco de Souza, coordenador da instituição, foi determinada pena de 80 anos. Segundo a decisão, os pacientes eram submetidos a "intenso sofrimento físico e mental". A clínica foi fechada em 2015. A reportagem não localizou as defesas dos condenados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;