Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 6 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Empresas lutam pela indústria petrolífera do Iraque


Do Diário do Grande ABC

25/09/1999 | 16:58


Mais de 50 empresas internacionais competiram acirradamente neste sábado por contratos para renovar a indústria petrolífera do Iraque. "Estamos felizes de ver que tantas empresas estao interessadas em prover as necessidades do Iraque, apesar das circunstâncias", disse o sub-secretário de Petróleo, Taha Hmoud, à imprensa ao inaugurar uma feira de petróleo e gás, a primeira em Bagdá em dez anos.

As empresas competiram para vender aparatos ao Iraque depois do programa aprovado pela ONU, que autoriza a gastar até US$ 900 milhoes para renovar suas instalaçoes de produçao e exportaçao.

O programa é uma exceçao às sançoes impostas ao Iraque por invadir o Kuwait em 1990. Bagdá já disse que as sançoes colocaram obstáculos em seus planos petróleo ao bloquear contratos para a compra de aparatos e equipamentos. A maioria das firmas que participaram eram britânicas, francesas, italianas e canadenses. As norte-americanas nao participaram por causa "das pressoes do governo americano", disse Hmoud. Ele disse ainda que o Iraque estava disposto a comprar as empresas norte-americanas se elas quisesse vender.

Durante a feira, diretores de empresas discutiram preços e características com funcionários iraquianos e distribuíram folhetos luxuosamente impressos. Bert Daly, da British Gás Turbines, disse que as perspectivas de fazer negócios com o Iraque eram boas apesar das sançoes. "E uma grande exibiçao estamos participando pela primeira vez", disse. O acordo de petróleo, iniciado em dezembro de 1996 com fins humanitários, vem permitindo ao Iraque regressar ao mercado mundial entre as grandes operadoras. Hmoud disse que os equipamentos e os aparatos para preparar as instalaçoes nao entravam no país.

Atualmente o Iraque exporta uma média de 2,2 milhoes de barris diários e está disposto a aumentar a produçao, disse Hmoud. "Chegaremos a 3,5 milhoes de barris diários até o final do ano. Separaremos o que precisamos para consumo interno e exportaremos o resto", adiantou. O Iraque consome diariamente uns 500 mil barris de óleo cru.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Empresas lutam pela indústria petrolífera do Iraque

Do Diário do Grande ABC

25/09/1999 | 16:58


Mais de 50 empresas internacionais competiram acirradamente neste sábado por contratos para renovar a indústria petrolífera do Iraque. "Estamos felizes de ver que tantas empresas estao interessadas em prover as necessidades do Iraque, apesar das circunstâncias", disse o sub-secretário de Petróleo, Taha Hmoud, à imprensa ao inaugurar uma feira de petróleo e gás, a primeira em Bagdá em dez anos.

As empresas competiram para vender aparatos ao Iraque depois do programa aprovado pela ONU, que autoriza a gastar até US$ 900 milhoes para renovar suas instalaçoes de produçao e exportaçao.

O programa é uma exceçao às sançoes impostas ao Iraque por invadir o Kuwait em 1990. Bagdá já disse que as sançoes colocaram obstáculos em seus planos petróleo ao bloquear contratos para a compra de aparatos e equipamentos. A maioria das firmas que participaram eram britânicas, francesas, italianas e canadenses. As norte-americanas nao participaram por causa "das pressoes do governo americano", disse Hmoud. Ele disse ainda que o Iraque estava disposto a comprar as empresas norte-americanas se elas quisesse vender.

Durante a feira, diretores de empresas discutiram preços e características com funcionários iraquianos e distribuíram folhetos luxuosamente impressos. Bert Daly, da British Gás Turbines, disse que as perspectivas de fazer negócios com o Iraque eram boas apesar das sançoes. "E uma grande exibiçao estamos participando pela primeira vez", disse. O acordo de petróleo, iniciado em dezembro de 1996 com fins humanitários, vem permitindo ao Iraque regressar ao mercado mundial entre as grandes operadoras. Hmoud disse que os equipamentos e os aparatos para preparar as instalaçoes nao entravam no país.

Atualmente o Iraque exporta uma média de 2,2 milhoes de barris diários e está disposto a aumentar a produçao, disse Hmoud. "Chegaremos a 3,5 milhoes de barris diários até o final do ano. Separaremos o que precisamos para consumo interno e exportaremos o resto", adiantou. O Iraque consome diariamente uns 500 mil barris de óleo cru.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;