Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Termina sábado prazo para filiação de candidatos em 2014

Semana será corrida a políticos que desejam trocar ou se filiar a novo partido; cartórios não farão plantão


Cynthia Tavares
Do Diário do Grande ABC

29/09/2013 | 07:00


A semana será corrida para os políticos que resolveram se filiar ou trocar de partido com objetivo de concorrer ao pleito eleitoral do ano que vem. O prazo se encerra à meia-noite de sábado e, por isso, precisarão correr contra o relógio.

A burocracia para oficializar a mudança de legenda é grande. O pré-candidato que mudou de sigla precisa entregar carta de desfiliação, oficializar a saída junto ao cartório eleitoral e dar entrada com processo de adesão à futura legenda. Tudo isso deve ser feito impreterivelmente até o dia 5, quando faltará oficialmente um ano para a eleição. Os cartórios eleitorais não irão expandir o horário de atendimento.

Enquanto alguns políticos correm contra o tempo. Outros têm situação normalizada, pois já oficializaram a filiação. No Grande ABC, a movimentação foi intensa, mas duas filiações se destacaram.

O presidente do São Bernardo Futebol Clube, Luiz Fernando Teixeira, reativou sua ficha no PT – ele foi vereador em Casa Branca, do Interior, entre 1989 e 1992. Apontado como um dos favoritos para a briga por cadeira na Assembleia Legislativa, o petista teve pomposa festa de filiação. A presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chegou a ser cogitada, mas não se concretizou.

O pré-candidato a deputado estadual tem bom trânsito com as classes D e E por conta da sua atuação no futebol. Por outro lado, ele mantém ótimo relacionamento com empresários. O leque extenso de apoio coloca em risco o projeto de reeleição de Ana do Carmo e a empreitada de Teonílio Monteiro da Costa, o Barba – ambos também petistas.

A outra adesão de destaque no meio político da região foi do vice-prefeito Frank Aguiar, que deixou o PTB para ingressar no PMDB, partido aliado ao PT. A recepção ocorreu com presença de lideranças estaduais da legenda.

Frank tentará voltar à Câmara dos Deputados em 2014 – ele foi parlamentar federal entre 2007 e 2011, mas em 2008 renunciou para assumir o cargo em São Bernardo. No pleito de 2010 buscou reeleição, mas não obteve êxito. O peemedebista aposta no potencial de votos dos correligionários para retomar seu espaço no Congresso. 

A eleição do ano que vem é importante para o Grande ABC, que precisa mostrar sua força eleitoral. Em 2014, a região deve registrar 2 milhões de eleitores. 

Com esse número, e comparando com o desempenho eleitoral de 2010, seria possível eleger 20 deputados federais pelo PMDB, 18 nomes pelo PT e 17 pelo PSDB. Na esfera estadual, a representatividade é ainda maior: 28 deputados estaduais pelo PT, 25 pelo PMDB e 23 pelo PSDB.

Atualmente, a região possui seis deputados estaduais: Ana do Carmo (PT-São Bernardo), Alex Manente (PPS-São Bernardo), José Bittencourt (PSD-Santo André), Orlando Morando (PSDB-São Bernardo), Vanessa Damo (PMDB-Mauá) e Regina Gonçalves (PV-Diadema). Entretanto, na eleição de 2010, o eleitorado das sete cidades conseguiu eleger oito parlamentares estaduais – Carlos Grana e Donisete Braga, ambos petistas, renunciaram o mandato para comandar as Prefeituras de Santo André e Mauá, respectivamente.

Já no Congresso, a bancada regional se firmou com três integrantes: Vanderelei Siraque (PT-Santo André, que era suplente), Vicentinho (PT-São Bernardo), William Dib (PSDB-São Bernardo). José de Filippi Júnior (PT-Diadema) está licenciado, pois assumiu a Secretaria de Saúde na Capital.

RELÓGIO INIMIGO

Os novos partidos também duelam contra o tempo. A Rede Sustentabilidade, criada por Marina Silva, corre para conseguir provar ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) o número de assinaturas suficientes para obtenção do registro até sábado.

O Solidariedade, oficializado na semana passada pelo TSE, precisará montar verdadeira força-tarefa para filiar os políticos.

A legenda fundada pelo ex-pedetista Paulinho da Força será o refúgio para descontentes, pois a Lei de Fidelidade Partidária não prevê cassação de mandato para quem se transfere para sigla recém-fundada.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;