Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

TST confirma reajuste salarial aos metroviários de SP


Do Diário OnLine

15/03/2004 | 09:11


A Seção Especializada em Dissídios Coletivos do Tribunal Superior do Trabalho (TST) confirmou o índice de reajuste salarial de 8% incidente sobre os salários pagos em abril de 2002 pela Companhia do Metropolitano de São Paulo. Apesar de já ter concedido o aumento, o Metrô recorreu ao TST contra o índice fixado pelo Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (2ª Região).

A empresa pretendia conceder um reajuste de 6,43% na data-base de 2002. No recurso, a defesa alegava que o TRT se baseou em índices de preços para fixar o percentual, o que é vedado pela lei que complementou o Plano Real.

Mas, para o ministro Gelson de Azevedo, diante da proibição legal de conceder reajuste salarial vinculado a índice de preços, cabe à Justiça do Trabalho pautar-se pelo bom senso e nortear-se pelos princípios gerais do direito, levando em consideração a justiça dos reclamos da categoria.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

TST confirma reajuste salarial aos metroviários de SP

Do Diário OnLine

15/03/2004 | 09:11


A Seção Especializada em Dissídios Coletivos do Tribunal Superior do Trabalho (TST) confirmou o índice de reajuste salarial de 8% incidente sobre os salários pagos em abril de 2002 pela Companhia do Metropolitano de São Paulo. Apesar de já ter concedido o aumento, o Metrô recorreu ao TST contra o índice fixado pelo Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (2ª Região).

A empresa pretendia conceder um reajuste de 6,43% na data-base de 2002. No recurso, a defesa alegava que o TRT se baseou em índices de preços para fixar o percentual, o que é vedado pela lei que complementou o Plano Real.

Mas, para o ministro Gelson de Azevedo, diante da proibição legal de conceder reajuste salarial vinculado a índice de preços, cabe à Justiça do Trabalho pautar-se pelo bom senso e nortear-se pelos princípios gerais do direito, levando em consideração a justiça dos reclamos da categoria.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;