Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 14 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Câmara esquece reajuste, mas lembra da Verba Indenizatória


Do Diário OnLine

27/02/2007 | 14:00


Agência BrasilNa primeira reunião da nova Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, os parlamentares abriram mão de discutir os próprios reajustes salariais, como era esperado. A medida da Casa é uma nova investida para tentar apagar a péssima imagem deixada no fim do ano passado, quando líderes partidários e o então presidente da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), tentaram, na base da 'canetada', aprovar um aumento de 90,7% à própria 'categoria'.

No entanto, o assunto 'reajuste' não passou completamente em branco. Os membros da Mesa receberam um estudo da FGV (Fundação Getúlio Vargas), encomendados por Rebelo, sobre o aumento ideal dos vencimentos de deputados e senadores. A discussão dos números inclusos neste estudo, no entanto, serão debatidos somente mais para frente – sem data definida até o momento.

Verba Indenizatória – Antes de acertar um índice para o reajuste salarial, a Mesa Diretora da Câmara deverá discutir as polêmicas em torno da chamada Verba Indenizatória – quantia 'pomposa' (R$ 15 mil) que os deputados recebem mensalmente para despesas pessoais. Os parlamentares gastam para se vestirem bem, para se locomoverem em carros luxuosos, viajarem todas as semanas para Brasília e depois, mediante a apresentação das notas ficais, eles são reembolsados.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Câmara esquece reajuste, mas lembra da Verba Indenizatória

Do Diário OnLine

27/02/2007 | 14:00


Agência BrasilNa primeira reunião da nova Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, os parlamentares abriram mão de discutir os próprios reajustes salariais, como era esperado. A medida da Casa é uma nova investida para tentar apagar a péssima imagem deixada no fim do ano passado, quando líderes partidários e o então presidente da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), tentaram, na base da 'canetada', aprovar um aumento de 90,7% à própria 'categoria'.

No entanto, o assunto 'reajuste' não passou completamente em branco. Os membros da Mesa receberam um estudo da FGV (Fundação Getúlio Vargas), encomendados por Rebelo, sobre o aumento ideal dos vencimentos de deputados e senadores. A discussão dos números inclusos neste estudo, no entanto, serão debatidos somente mais para frente – sem data definida até o momento.

Verba Indenizatória – Antes de acertar um índice para o reajuste salarial, a Mesa Diretora da Câmara deverá discutir as polêmicas em torno da chamada Verba Indenizatória – quantia 'pomposa' (R$ 15 mil) que os deputados recebem mensalmente para despesas pessoais. Os parlamentares gastam para se vestirem bem, para se locomoverem em carros luxuosos, viajarem todas as semanas para Brasília e depois, mediante a apresentação das notas ficais, eles são reembolsados.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;