Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Político italiano é acusado de planejar morte de jornalista


Da AFP

13/02/2003 | 19:30


O ex-primeiro ministro italiano Giulio Andreotti, 83 anos, condenado em novembro passado a 24 anos de prisão por cumplicidade no assassinato de um jornalista em 1979, foi considerado o mentor desse crime pelo tribunal de Perusa (Itália).

"Andreotti foi o mentor do homicídio de Mino Pecorelli, cometido em seu benefício", escreveu o presidente da Corte de Apelação de Perusa, no nordeste de Roma.

"O motivo do delito está vinculado intrinsecamente à atividade do jornalista Pecorelli. Andreotti tinha interesse em que Pecorelli não publicasse certas informações candentes ou que as publicasse de uma maneira mais atenuada", sustenta a Corte em seu relatório final.

"O tribunal considera Andreotti culpado, condena-o a 24 anos de prisão e proíbe-o de ocupar um cargo público", anunciou o tribunal em sua sentença de novembro passado.

Andreotti, um dos políticos mais hábeis e importantes da Itália, sete vezes primeiro-ministro e atualmente senador vitalício, foi absolvido no primeiro processo.

O líder da Democracia Cristã, que durante cerca de 50 anos administrou as rédeas do poder político na Itália, foi acusado de ter encomendado o assassinato de Pecorelli, que estava prestes a publicar documentos comprometedores sobre ele.

Outro acusado no caso, o chefe mafioso Gaetano Badalamenti, foi condenado à revelia a 24 anos de prisão.

Badalamenti continua detido nos Estados Unidos por tráfico de drogas desde 1984, onde cumpre uma pena de 24 anos.

Andreotti sempre se declarou inocente e estava esperando o relatório final da Corte de Apelação de Perusa para apresentar um recurso ante a Corte Suprema.

A sentença da Corte de Apelação ainda precisa ser confirmada. De todo modo, considerando a idade de Andreotti, no caso de uma eventual confirmação da condenação, o líder político ficaria em prisão domiciliar.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Político italiano é acusado de planejar morte de jornalista

Da AFP

13/02/2003 | 19:30


O ex-primeiro ministro italiano Giulio Andreotti, 83 anos, condenado em novembro passado a 24 anos de prisão por cumplicidade no assassinato de um jornalista em 1979, foi considerado o mentor desse crime pelo tribunal de Perusa (Itália).

"Andreotti foi o mentor do homicídio de Mino Pecorelli, cometido em seu benefício", escreveu o presidente da Corte de Apelação de Perusa, no nordeste de Roma.

"O motivo do delito está vinculado intrinsecamente à atividade do jornalista Pecorelli. Andreotti tinha interesse em que Pecorelli não publicasse certas informações candentes ou que as publicasse de uma maneira mais atenuada", sustenta a Corte em seu relatório final.

"O tribunal considera Andreotti culpado, condena-o a 24 anos de prisão e proíbe-o de ocupar um cargo público", anunciou o tribunal em sua sentença de novembro passado.

Andreotti, um dos políticos mais hábeis e importantes da Itália, sete vezes primeiro-ministro e atualmente senador vitalício, foi absolvido no primeiro processo.

O líder da Democracia Cristã, que durante cerca de 50 anos administrou as rédeas do poder político na Itália, foi acusado de ter encomendado o assassinato de Pecorelli, que estava prestes a publicar documentos comprometedores sobre ele.

Outro acusado no caso, o chefe mafioso Gaetano Badalamenti, foi condenado à revelia a 24 anos de prisão.

Badalamenti continua detido nos Estados Unidos por tráfico de drogas desde 1984, onde cumpre uma pena de 24 anos.

Andreotti sempre se declarou inocente e estava esperando o relatório final da Corte de Apelação de Perusa para apresentar um recurso ante a Corte Suprema.

A sentença da Corte de Apelação ainda precisa ser confirmada. De todo modo, considerando a idade de Andreotti, no caso de uma eventual confirmação da condenação, o líder político ficaria em prisão domiciliar.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;