Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Estadual garante PMN com oposição

Executiva resolve imbróglio e sigla continuará no apoio a Alex Manente


Rogério Santos
do Diário do Grande ABC

30/05/2012 | 07:00


Uma semana após o presidente da executiva provisória do PMN de São Bernardo, David Monteiro de Mello, anunciar a saída da base aliada do pré-candidato a prefeito Alex Manente (PPS), a direção estadual da sigla assegura a manutenção da agremiação no grupo, que conta ainda com PSDB, PHS e PRP.

Na ocasião, o dirigente municipal alegou que o rompimento aconteceu por causa da falta de diálogo com o popular-socialsita. David chegou a mencionar conversa com outro pré-candidato ao Paço, Ademir Silvestre (PMN), para eventual composição. Procurado, o dirigente não retornou os contatos do Diário.

Nos bastidores, comenta-se que o PT tentou atrair a sigla para aderi-la ao arco de alianças do prefeito Luiz Marinho, que pleiteia se manter no controle do Paço.

Segundo a vice-presidente da executiva estadual do PMN, Thelma Zayla Albano, tudo não passou de mal-entendido e que o partido apoia o projeto eleitoral de Alex. Segundo ela, nos municípios com mais de 200 mil eleitores a definição sobre as coligações partidárias são referendadas com aval da direção nacional.

"Está tudo resolvido, apenas estamos acertando alguns detalhes", disse a dirigente, ressaltando que não houve necessidade de intervenção na cidade.

O PMN se aliou com a oposição através do presidente do diretório local do PSDB, Admir Ferro, que conseguiu adesão do partido ainda quando era pré-candidato a prefeito. Quando o tucano foi anunciado vice de Alex, a aliança foi mantida. "Como havia esse acordo comigo, comuniquei ele (David) e a Thelma, que concordaram. O Alex não imaginou que tivesse que conversar. Mas os dois já se reuniram e está tudo resolvido."

Articulando novos aliados, Alex reagiu com naturalidade ao fim do imbróglio. "Tudo tem seu tempo, fazemos as coisas no momento oportuno. O PMN era uma questão de diálogo, está resolvido", disse.

O popular-socialista vai intensificar as conversas com outras legendas até dia 23, quando ocorre a convenção partidária do PPS. "Queremos mais dois ou três partidos. Já fomos procurados por legendas que se sentem desvalorizadas no governo", considerou.

O pré-candidato avaliou que ter grande número de aliados não significa poderio eleitoral. Ele cita o exemplo do prefeito de Santo André, Aidan Ravin (PTB), que foi eleito em 2008 sem contar com apoio de nenhuma sigla.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Estadual garante PMN com oposição

Executiva resolve imbróglio e sigla continuará no apoio a Alex Manente

Rogério Santos
do Diário do Grande ABC

30/05/2012 | 07:00


Uma semana após o presidente da executiva provisória do PMN de São Bernardo, David Monteiro de Mello, anunciar a saída da base aliada do pré-candidato a prefeito Alex Manente (PPS), a direção estadual da sigla assegura a manutenção da agremiação no grupo, que conta ainda com PSDB, PHS e PRP.

Na ocasião, o dirigente municipal alegou que o rompimento aconteceu por causa da falta de diálogo com o popular-socialsita. David chegou a mencionar conversa com outro pré-candidato ao Paço, Ademir Silvestre (PMN), para eventual composição. Procurado, o dirigente não retornou os contatos do Diário.

Nos bastidores, comenta-se que o PT tentou atrair a sigla para aderi-la ao arco de alianças do prefeito Luiz Marinho, que pleiteia se manter no controle do Paço.

Segundo a vice-presidente da executiva estadual do PMN, Thelma Zayla Albano, tudo não passou de mal-entendido e que o partido apoia o projeto eleitoral de Alex. Segundo ela, nos municípios com mais de 200 mil eleitores a definição sobre as coligações partidárias são referendadas com aval da direção nacional.

"Está tudo resolvido, apenas estamos acertando alguns detalhes", disse a dirigente, ressaltando que não houve necessidade de intervenção na cidade.

O PMN se aliou com a oposição através do presidente do diretório local do PSDB, Admir Ferro, que conseguiu adesão do partido ainda quando era pré-candidato a prefeito. Quando o tucano foi anunciado vice de Alex, a aliança foi mantida. "Como havia esse acordo comigo, comuniquei ele (David) e a Thelma, que concordaram. O Alex não imaginou que tivesse que conversar. Mas os dois já se reuniram e está tudo resolvido."

Articulando novos aliados, Alex reagiu com naturalidade ao fim do imbróglio. "Tudo tem seu tempo, fazemos as coisas no momento oportuno. O PMN era uma questão de diálogo, está resolvido", disse.

O popular-socialista vai intensificar as conversas com outras legendas até dia 23, quando ocorre a convenção partidária do PPS. "Queremos mais dois ou três partidos. Já fomos procurados por legendas que se sentem desvalorizadas no governo", considerou.

O pré-candidato avaliou que ter grande número de aliados não significa poderio eleitoral. Ele cita o exemplo do prefeito de Santo André, Aidan Ravin (PTB), que foi eleito em 2008 sem contar com apoio de nenhuma sigla.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;