Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Mazzola forma seleçao para disputa de torneio na Itália


Divanei Guazzelli
Da Redaçao

27/10/2000 | 00:42


   Poucas vezes um treinamento em estádio de equipe que disputa a Série B-1 do Campeonato Paulista foi acompanhado por ex-jogadores da Seleçao Brasileira que fizeram fama no exterior. No jogo-treino desta quinta à tarde, no Municipal de Mauá, entre os juniores do Grêmio Mauaense e Sao Caetano, o ex-atacante José Altafini, o Mazzola, campeao mundial de 1958 pelo Brasil, e o ex-zagueiro Luiz Pereira dividiram as atençoes. Como Luiz Pereira é presença constante nos jogos das equipes do Grande ABC, foi mesmo Mazzola que despertou o maior interesse. "Estou em busca de talentos", definiu o ex-jogador, 62 anos, atualmente também um dos mais conceituados comentaristas esportivo no rádio e na televisao da Itália.

"Estamos observando jogadores jovens, na faixa dos 18 anos, com o objetivo de formar uma seleçao nacional para disputar um torneio internacional de muita tradiçao na Itália, o de Villareggio. Já estive em Limeira, Vinhedo e Bauru", disse Mazzola, que iniciou carreira no extinto Clube Atlético Piracicabano, de Piracicaba, onde nasceu, e passou pelo Palmeiras, "o meu clube do coraçao."

Na Itália, o ex-jogador fez história ao passar por três das mais importantes equipes nacionais, o Milan, a Juventus de Turim e o Nápoli. Inesquecível mesmo, no entanto, é a conquista da Copa do Mundo de 1958, na Suécia.

"Cada vez que vejo um jogador erguer a copa, a minha emoçao é muito grande, nao dá para descrever. Foram momentos inesquecíveis, todos os jogos, a final contra a Suécia. Saimos desacreditados do Brasil, pegamos o grupo mais difícil, com Austria, Inglaterra e Rússia, que eram considerados os melhores do mundo na época, conseguimos superá-los e chegar à final", lembrou Mazzola, que naquele Mundial viu o futebol de Pelé nascer para o mundo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mazzola forma seleçao para disputa de torneio na Itália

Divanei Guazzelli
Da Redaçao

27/10/2000 | 00:42


   Poucas vezes um treinamento em estádio de equipe que disputa a Série B-1 do Campeonato Paulista foi acompanhado por ex-jogadores da Seleçao Brasileira que fizeram fama no exterior. No jogo-treino desta quinta à tarde, no Municipal de Mauá, entre os juniores do Grêmio Mauaense e Sao Caetano, o ex-atacante José Altafini, o Mazzola, campeao mundial de 1958 pelo Brasil, e o ex-zagueiro Luiz Pereira dividiram as atençoes. Como Luiz Pereira é presença constante nos jogos das equipes do Grande ABC, foi mesmo Mazzola que despertou o maior interesse. "Estou em busca de talentos", definiu o ex-jogador, 62 anos, atualmente também um dos mais conceituados comentaristas esportivo no rádio e na televisao da Itália.

"Estamos observando jogadores jovens, na faixa dos 18 anos, com o objetivo de formar uma seleçao nacional para disputar um torneio internacional de muita tradiçao na Itália, o de Villareggio. Já estive em Limeira, Vinhedo e Bauru", disse Mazzola, que iniciou carreira no extinto Clube Atlético Piracicabano, de Piracicaba, onde nasceu, e passou pelo Palmeiras, "o meu clube do coraçao."

Na Itália, o ex-jogador fez história ao passar por três das mais importantes equipes nacionais, o Milan, a Juventus de Turim e o Nápoli. Inesquecível mesmo, no entanto, é a conquista da Copa do Mundo de 1958, na Suécia.

"Cada vez que vejo um jogador erguer a copa, a minha emoçao é muito grande, nao dá para descrever. Foram momentos inesquecíveis, todos os jogos, a final contra a Suécia. Saimos desacreditados do Brasil, pegamos o grupo mais difícil, com Austria, Inglaterra e Rússia, que eram considerados os melhores do mundo na época, conseguimos superá-los e chegar à final", lembrou Mazzola, que naquele Mundial viu o futebol de Pelé nascer para o mundo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;