Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Líder da oposição russa sai do hospital em Berlim

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Alexei Navalni recebeu alta médica na quarta-feira, 23, do hospital universitário de La Charité, onde era tratado após ter sido envenenado pela substância novichok



24/09/2020 | 07:03


O líder da oposição russa Alexei Navalni recebeu alta médica na quarta-feira, 23, do hospital universitário de La Charité, em Berlim, onde era tratado após ter sido envenenado pela substância novichok. Ele estava internado desde 22 de agosto - foram 32 dias no hospital, sendo 24 na UTI.

Ainda na quarta, o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov, disse que o opositor "está livre para voltar ao país".

Em um comunicado, a equipe médica que tratou do dissidente disse estar otimista quanto a sua recuperação total, mas advertiu que ele poderá ter sequelas. Navalni havia sido transferido para o Charité vindo de um hospital na cidade de Omsk, na Sibéria, onde deu entrada após desmaiar durante um voo.

O governo alemão confirmou no início do mês que ele havia sido envenenado - a substância foi desenvolvida por cientistas da antiga União Soviética para fins militares. O resultado do laboratório de farmacologia e toxicologia do Exército alemão foi referendado por laboratórios na França e Suécia. A Rússia rejeita a acusação.

"Não sabemos quais notícias são reais e quais são falsas. Se o paciente está se recuperando, isso é muito bom. Desejamos uma rápida recuperação a ele", disse Peskov, evitando chamar Navalni pelo nome, um costume entre as autoridades russas, entre elas o presidente Vladimir Putin.

Em uma reportagem do jornal francês Le Monde, o líder russo teria falado ao presidente francês, Emmanuel Macron, que o opositor se autoenvenenou. "A questão foi abordada, mas o jornal foi impreciso", disse.

Na quarta, a Rússia anunciou uma ampliação na lista de funcionários da União Europeia que estão impedidos de entrar no país. Segundo a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, a medida é uma reação contra uma "campanha de desinformação em torno do cidadão russo Navalni orquestrada por países ocidentais". (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Líder da oposição russa sai do hospital em Berlim

Alexei Navalni recebeu alta médica na quarta-feira, 23, do hospital universitário de La Charité, onde era tratado após ter sido envenenado pela substância novichok


24/09/2020 | 07:03


O líder da oposição russa Alexei Navalni recebeu alta médica na quarta-feira, 23, do hospital universitário de La Charité, em Berlim, onde era tratado após ter sido envenenado pela substância novichok. Ele estava internado desde 22 de agosto - foram 32 dias no hospital, sendo 24 na UTI.

Ainda na quarta, o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov, disse que o opositor "está livre para voltar ao país".

Em um comunicado, a equipe médica que tratou do dissidente disse estar otimista quanto a sua recuperação total, mas advertiu que ele poderá ter sequelas. Navalni havia sido transferido para o Charité vindo de um hospital na cidade de Omsk, na Sibéria, onde deu entrada após desmaiar durante um voo.

O governo alemão confirmou no início do mês que ele havia sido envenenado - a substância foi desenvolvida por cientistas da antiga União Soviética para fins militares. O resultado do laboratório de farmacologia e toxicologia do Exército alemão foi referendado por laboratórios na França e Suécia. A Rússia rejeita a acusação.

"Não sabemos quais notícias são reais e quais são falsas. Se o paciente está se recuperando, isso é muito bom. Desejamos uma rápida recuperação a ele", disse Peskov, evitando chamar Navalni pelo nome, um costume entre as autoridades russas, entre elas o presidente Vladimir Putin.

Em uma reportagem do jornal francês Le Monde, o líder russo teria falado ao presidente francês, Emmanuel Macron, que o opositor se autoenvenenou. "A questão foi abordada, mas o jornal foi impreciso", disse.

Na quarta, a Rússia anunciou uma ampliação na lista de funcionários da União Europeia que estão impedidos de entrar no país. Segundo a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, a medida é uma reação contra uma "campanha de desinformação em torno do cidadão russo Navalni orquestrada por países ocidentais". (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;