Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 5 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

José Roberto Arruda renuncia ao mandato de senador


Do Diário OnLine

24/05/2001 | 12:11


José Roberto Arruda (sem partido-DF) renunciou ao mandato de senador nesta quinta-feira, um dia depois de o Conselho de Ética do Senado ter aprovado a abertura do processo de cassação contra ele e o senador Antonio Carlos Magalhães por quebra de decoro parlamentar no caso da violação do painel eletrônico de votação do Senado. O primeiro suplente de Arruda, Lindberg Azis Cury, assumirá o cargo.

O ex-líder do governo no Senado afirmou que três razões o levaram a renunciar. A primeira delas, segundo ele, foi o pré-julgamento no relatório do senador Roberto Saturnino Braga (PSB-RJ), que recomendou abertura de processo de cassação. “Fui condenado a uma pena descabida, máxima, cruel e inapelável”, afirmou. Ele condenou a aprovação do relatório, chamando-a de “jogo de cartas marcadas”. “O processo de linchamento é explícito e covarde, porque é de cartas marcadas. Os lances desse jogo são viciados por que são de interesses pessoais e de hipocrisia e mentira, o que foi mostrado ontem”, criticou.

Arruda repetiu argumentos já usados em sua defesa durante o pronunciamento. “Não roubei, não matei, não desviei dinheiro público, mas cometi um grande erro, não percebi a extensão do problema, tentei negar e estou pagando um preço muito alto por isso”, disse.

O ex-senador atribuiu sua decisão também ao fato de que Brasília ficaria sem um representante no Senado, caso a abertura do processo for confirmada na Mesa do Senado, e ao “respeito à capital federal e ao país”.

Durante o discurso, Arruda não dirigiu ataques ao governo, nem ao PSDB, que o expulsou do partido após a confirmação de seu envolvimento no episódio da quebra do sigilo dos votos. Ele foi aplaudido assim que ocupou a tribuna do Senado e depois de anunciar sua renúncia.

Com a renúncia, o ex-senador escapa da possibilidade de perder os direitos políticos por oito anos, o que aconteceria se a cassação de seu mandato fosse aprovada pelo plenário do Senado. Assim, ele não poderia concorrer ao cargo de deputado federal em Brasília a que aspira para 2002.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

José Roberto Arruda renuncia ao mandato de senador

Do Diário OnLine

24/05/2001 | 12:11


José Roberto Arruda (sem partido-DF) renunciou ao mandato de senador nesta quinta-feira, um dia depois de o Conselho de Ética do Senado ter aprovado a abertura do processo de cassação contra ele e o senador Antonio Carlos Magalhães por quebra de decoro parlamentar no caso da violação do painel eletrônico de votação do Senado. O primeiro suplente de Arruda, Lindberg Azis Cury, assumirá o cargo.

O ex-líder do governo no Senado afirmou que três razões o levaram a renunciar. A primeira delas, segundo ele, foi o pré-julgamento no relatório do senador Roberto Saturnino Braga (PSB-RJ), que recomendou abertura de processo de cassação. “Fui condenado a uma pena descabida, máxima, cruel e inapelável”, afirmou. Ele condenou a aprovação do relatório, chamando-a de “jogo de cartas marcadas”. “O processo de linchamento é explícito e covarde, porque é de cartas marcadas. Os lances desse jogo são viciados por que são de interesses pessoais e de hipocrisia e mentira, o que foi mostrado ontem”, criticou.

Arruda repetiu argumentos já usados em sua defesa durante o pronunciamento. “Não roubei, não matei, não desviei dinheiro público, mas cometi um grande erro, não percebi a extensão do problema, tentei negar e estou pagando um preço muito alto por isso”, disse.

O ex-senador atribuiu sua decisão também ao fato de que Brasília ficaria sem um representante no Senado, caso a abertura do processo for confirmada na Mesa do Senado, e ao “respeito à capital federal e ao país”.

Durante o discurso, Arruda não dirigiu ataques ao governo, nem ao PSDB, que o expulsou do partido após a confirmação de seu envolvimento no episódio da quebra do sigilo dos votos. Ele foi aplaudido assim que ocupou a tribuna do Senado e depois de anunciar sua renúncia.

Com a renúncia, o ex-senador escapa da possibilidade de perder os direitos políticos por oito anos, o que aconteceria se a cassação de seu mandato fosse aprovada pelo plenário do Senado. Assim, ele não poderia concorrer ao cargo de deputado federal em Brasília a que aspira para 2002.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;