Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

UBSs seguem desfalcadas após saída dos cubanos

EBC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeituras têm dificuldade de repor médicos; faltam 25 profissionais para a atenção básica


Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

07/08/2019 | 07:00


 A saída dos médicos cubanos do programa Mais Médicos – substituído pelo governo federal pela iniciativa Médicos do Brasil – faz com que as administrações do Grande ABC voltem a conviver com antigo problema: a dificuldade de atrair profissionais para atuar na atenção básica das áreas periféricas das cidades. Dos 77 postos abertas com o fim da parceria entre Brasil e Cuba, no fim do ano passado, 25 estão vagos, a maior parte deles em UBSs (Unidades Básicas de Saúde) longe do Centro dos municípios. 

Tendo em vista que o Médicos do Brasil – que prevê a criação de 18 mil vagas para profissionais na rede básica de saúde até 2020 – priorizará municípios em vulnerabilidade, o cenário problemático do Grande ABC está longe de ter solução a curto prazo, no entanto, a criação de plano de carreira para os médicos é vista como opção para fixá-los na rede municipal. Isso é o que defende o professor do curso de medicina da Unicid (Universidade Cidade de São Paulo), Luis Felipe Carbone. “(O plano de carreira) É uma forma de tornar a vaga mais atrativa”, opinou.

Professora responsável pela disciplina de saúde coletiva da FMABC (Faculdade de Medicina do ABC), Vânia Barbosa do Nascimento observa que a existência de vagas para atuação dos profissionais nas capitais, áreas geralmente mais estruturadas, dificulta o trabalho dos gestores do Grande ABC. “É realmente difícil manter os médicos em áreas mais afastadas. O Mais Médicos resolvia isso, porque trazia profissionais de outro País”, explicou.

Vânia destacou que a falta de médicos nas UBSs tem potencial para comprometer a formação de novos profissionais. “É na atenção básica que os estudantes fazem residência”, alertou. 

NA REGIÃO

Em Santo André, os cinco postos vagos com a saída dos cubanos ficam justamente em unidades mais afastadas, como Jardim Carla, Jardim Santo André, Parque Andreense e Cipreste. As vagas chegaram a ser preenchidas, mas houve desistência. 

Diretor de atenção à saúde do município,Victor Chiavegato afirmou que sempre foi difícil manter os profissionais nessas unidades, mas que acredita que com outras iniciativas que o governo federal tem tomado – ampliar os repasses de recursos para as equipes de saúde da família, somados ao incentivo salarial para UBSs mais distantes – será possível a contratação de novos médicos. 

São Bernardo ficou com dez vagas abertas após a saída dos cubanos, mas repôs com profissionais que já atuavam na rede. A cidade aderiu ao programa Saúde da Hora e vai contar com aumento de repasse de R$ 6,6 milhões por ano para as equipes de saúde da família, ampliando o quadro de médicos nas unidades que vão funcionar até mais tarde. Segundo a administração, o conselho de saúde ainda avalia os impactos do novo programa do governo federal.

Mauá informou que não conseguiu preencher dez das 33 vagas que eram ocupadas pelos médicos estrangeiros. Diadema e Ribeirão Pires preencheram as vagas. São Caetano e Rio Grande da Serra estão fora do programa.

Ministério afirma que cidades terão mais recursos para contratações

O Ministério da Saúde afirmou que as cidades que pelos critérios de vulnerabilidade social ficarem de fora do programa Médicos do Brasil (que substitui o Mais Médicos) terão mais recursos federais para as UBSs (Unidades Básicas de Saúde) e que esse incremento poderá ser utilizado para contratação dos profissionais. 

Além disso, o governo federal destacou que, para apoiar a atenção à saúde em municípios de médio e grande porte, o Ministério da Saúde lançou em maio o programa Saúde na Hora, que oferece incentivo financeiro para UBSs que ampliarem horário de atendimento, aumentando o acesso da população aos serviços da atenção primária, como consultas médicas e odontológicas, coleta de exames laboratoriais, aplicação de vacinas e acompanhamento pré-natal. 

São Bernardo foi a primeira cidade da região a aderir ao programa e, a partir de setembro, três UBSs vão ampliar o atendimento, das 7h até as 22h. Até o fim do ano, 20 unidades vão estar com o horário estendido. Santo André está realizando tratativas para, inicialmente, incorporar seis UBSs ao programa. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;