Fechar
Publicidade

Domingo, 7 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

China será assunto de 1º encontro de Bolsonaro com americanos



29/12/2018 | 07:24


O primeiro encontro entre o presidente eleito, Jair Bolsonaro, e autoridades dos Estados Unidos depois da posse do brasileiro terá na pauta a relação comercial com a China. Em queda de braço com os chineses, os EUA querem o novo governo brasileiro como um aliado contra o que consideram o "comércio predatório" da China na América Latina.

O secretário de Estado Mike Pompeo, encarregado de liderar a delegação americana que comparecerá à posse de Bolsonaro, disse que o presidente eleito já declarou que os chineses estariam "comprando o Brasil".

"A relação do Brasil com a China é uma decisão de soberania do Brasil, mas notamos alguns comentários do presidente eleito sobre a preocupação dele a respeito do papel da China e essa é uma conversa que temos no hemisfério ocidental - tivemos no Panamá, tivemos com o Canadá, com o México. É uma questão em andamento."

Pompeo também vai incluir na agenda com Bolsonaro questões sobre Venezuela, Nicarágua e Cuba - o que já foi chamado pelo assessor americano John Bolton de "troica da tirania". "Os Estados Unidos esperam trabalhar com o Brasil para apoiar os povos desses países que estão lutando para viver em liberdade." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

China será assunto de 1º encontro de Bolsonaro com americanos


29/12/2018 | 07:24


O primeiro encontro entre o presidente eleito, Jair Bolsonaro, e autoridades dos Estados Unidos depois da posse do brasileiro terá na pauta a relação comercial com a China. Em queda de braço com os chineses, os EUA querem o novo governo brasileiro como um aliado contra o que consideram o "comércio predatório" da China na América Latina.

O secretário de Estado Mike Pompeo, encarregado de liderar a delegação americana que comparecerá à posse de Bolsonaro, disse que o presidente eleito já declarou que os chineses estariam "comprando o Brasil".

"A relação do Brasil com a China é uma decisão de soberania do Brasil, mas notamos alguns comentários do presidente eleito sobre a preocupação dele a respeito do papel da China e essa é uma conversa que temos no hemisfério ocidental - tivemos no Panamá, tivemos com o Canadá, com o México. É uma questão em andamento."

Pompeo também vai incluir na agenda com Bolsonaro questões sobre Venezuela, Nicarágua e Cuba - o que já foi chamado pelo assessor americano John Bolton de "troica da tirania". "Os Estados Unidos esperam trabalhar com o Brasil para apoiar os povos desses países que estão lutando para viver em liberdade." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;