Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Portuguesa fala de superar traumas em seu novo romance

Autora trata ainda de quebra de preconceitos em ‘Corações Partidos’


Vinícius Castelli

27/12/2018 | 07:00


Superação é a palavra para a autora portuguesa Sofia Silva em sua nova obra, Corações Partidos – Voa Emília, Eu Espero Por Ti (Editora Valentina, 344 páginas, R$ 39,90, em média). O romance é o terceiro da série Destinos Quebrados.

Na nova obra a autora, nascida em Vila Nova Gaia, conta a história de amor além-mar de Diogo e Emília, duas pessoas que precisam lidar com diversas sequelas físicas e psicológicas causadas por perdas em guerra e em um acidente automobilístico. As necessidades, diante de tudo, são vencer a depressão e superar o luto para poderem seguir com suas vidas.

Diogo e Emília constroem relação profunda por meio de mensagens eletrônicas, parte de um processo terapêutico. Sofia Silva quebra preconceitos e descreve cenas de sexo com a sugestão de mostrar aos leitores que a deficiência e as cicatrizes não são limites para que se tenha amor.

“Corações Quebrados é dedicado à minha avó Emília. A inspiração máxima para criar a personagem. Alguém que mostrou que a deficiência não é a principal característica de uma pessoa. Quando resolvi, em 2014, escrever esta história, o meu objetivo nunca foi mostrar como devemos curar a depressão ou apresentar tipos de tratamento. Não. Eu decidi escrever um romance onde desejo humanizar as personagens. Onde você, leitor, entra no corpo delas e pensa: ‘E se fosse comigo?’ Onde deixamos julgamentos fáceis e abrimos o coração. Onde estendemos a mão e tentamos ajudar da melhor forma que sabemos”, explica a autora.

O livro conta com diversas referências musicais e de gírias brasileiras e portuguesas. Oswaldo Montenegro e Djavan, por exemplo, são dois citados. Locais como Nazaré e Campos do Jordão servem de cenário. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Portuguesa fala de superar traumas em seu novo romance

Autora trata ainda de quebra de preconceitos em ‘Corações Partidos’

Vinícius Castelli

27/12/2018 | 07:00


Superação é a palavra para a autora portuguesa Sofia Silva em sua nova obra, Corações Partidos – Voa Emília, Eu Espero Por Ti (Editora Valentina, 344 páginas, R$ 39,90, em média). O romance é o terceiro da série Destinos Quebrados.

Na nova obra a autora, nascida em Vila Nova Gaia, conta a história de amor além-mar de Diogo e Emília, duas pessoas que precisam lidar com diversas sequelas físicas e psicológicas causadas por perdas em guerra e em um acidente automobilístico. As necessidades, diante de tudo, são vencer a depressão e superar o luto para poderem seguir com suas vidas.

Diogo e Emília constroem relação profunda por meio de mensagens eletrônicas, parte de um processo terapêutico. Sofia Silva quebra preconceitos e descreve cenas de sexo com a sugestão de mostrar aos leitores que a deficiência e as cicatrizes não são limites para que se tenha amor.

“Corações Quebrados é dedicado à minha avó Emília. A inspiração máxima para criar a personagem. Alguém que mostrou que a deficiência não é a principal característica de uma pessoa. Quando resolvi, em 2014, escrever esta história, o meu objetivo nunca foi mostrar como devemos curar a depressão ou apresentar tipos de tratamento. Não. Eu decidi escrever um romance onde desejo humanizar as personagens. Onde você, leitor, entra no corpo delas e pensa: ‘E se fosse comigo?’ Onde deixamos julgamentos fáceis e abrimos o coração. Onde estendemos a mão e tentamos ajudar da melhor forma que sabemos”, explica a autora.

O livro conta com diversas referências musicais e de gírias brasileiras e portuguesas. Oswaldo Montenegro e Djavan, por exemplo, são dois citados. Locais como Nazaré e Campos do Jordão servem de cenário. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;