Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 25 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Sistema político brasileiro extrai o pior das pessoas, diz Barroso

Carlos Humberto/ SCO/ STF/Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


05/10/2018 | 14:22


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso afirmou nesta sexta-feira, 5, que considera "muito ruim" uma convocação de uma nova Constituição Federal no atual contexto político. Segundo Barroso, o mais urgente agora é fazer uma reforma política, pois o sistema político brasileiro "extrai o pior" das pessoas.

O candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro pelo PSL, general Hamilton Mourão, já declarou que a Constituição poderia ser reformada por um "conselho de notáveis", enquanto o presidenciável do PT, Fernando Haddad, disse durante a campanha que queria "criar as condições" para a convocação de uma assembleia constituinte.

"Embora não seja a Constituição ideal, se é que isso existe, é a Constituição das nossas circunstâncias", afirmou Barroso, em palestra durante evento promovido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio.

Segundo o ministro, a Constituição de 1988 ajudou o País a fazer uma "travessia bem sucedida" de um Estado autoritário e violento para um Estado democrático. "Considero muito ruim se desperdiçar o capital político dessa Constituição e se convocar uma nova Constituição", completou o ministro, ressaltando que "dificilmente sairá alguma coisa melhor".

Para Barroso, independentemente de quem for eleito presidente, a reforma política é a primeira que deveria ser feita. "Ganhe quem ganhar, eu começaria pela reforma política", afirmou o ministro. Segundo o ministro, é preciso que a reforma política seja capaz de baratear o custo das eleições, aumentar a representatividade dos parlamentares e aumentar a governabilidade.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sistema político brasileiro extrai o pior das pessoas, diz Barroso


05/10/2018 | 14:22


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso afirmou nesta sexta-feira, 5, que considera "muito ruim" uma convocação de uma nova Constituição Federal no atual contexto político. Segundo Barroso, o mais urgente agora é fazer uma reforma política, pois o sistema político brasileiro "extrai o pior" das pessoas.

O candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro pelo PSL, general Hamilton Mourão, já declarou que a Constituição poderia ser reformada por um "conselho de notáveis", enquanto o presidenciável do PT, Fernando Haddad, disse durante a campanha que queria "criar as condições" para a convocação de uma assembleia constituinte.

"Embora não seja a Constituição ideal, se é que isso existe, é a Constituição das nossas circunstâncias", afirmou Barroso, em palestra durante evento promovido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio.

Segundo o ministro, a Constituição de 1988 ajudou o País a fazer uma "travessia bem sucedida" de um Estado autoritário e violento para um Estado democrático. "Considero muito ruim se desperdiçar o capital político dessa Constituição e se convocar uma nova Constituição", completou o ministro, ressaltando que "dificilmente sairá alguma coisa melhor".

Para Barroso, independentemente de quem for eleito presidente, a reforma política é a primeira que deveria ser feita. "Ganhe quem ganhar, eu começaria pela reforma política", afirmou o ministro. Segundo o ministro, é preciso que a reforma política seja capaz de baratear o custo das eleições, aumentar a representatividade dos parlamentares e aumentar a governabilidade.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;