Fechar
Publicidade

Sábado, 31 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Doria afirma que no segundo turno seu voto será 'pelo Brasil e contra o PT'

André Henriques Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Candidato ao governo do Estado pelo PSDB caminhou pelas ruas de Santo André e São Caetano


Marília Montich
Do dgabc.com.br

04/10/2018 | 11:18


Atualizada às 17h05

O candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB, João Doria, afirmou nesta quinta-feira (4), durante caminhada pelo Centro de Santo André, que seu voto no segundo turno para presidente será “pelo Brasil e contra o PT”. 

“Quero deixar claro que meu voto para o próximo domingo será em Geraldo Alckmin (PSDB) e faço isso com o meu coração tranquilo. Mas quero dizer também que a partir de segunda-feira eu serei um guerreiro contra o PT, contra os petralhas, contra os bandidos do partido. Não dou moleza para a quadrilha do Lula nem para o (Fernando) Haddad, que tive o prazer de vencer na eleição de São Paulo. Se ele fosse bom, teria sido reeleito. A partir de segunda, meu voto é pelo o Brasil e contra o PT”, disse, ao microfone, na Praça do Carmo.

Apesar de não tem mencionado nominalmente o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), o segundo turno, de acordo com as pesquisas de opinião, está se fechando entre Haddad e o candidato do PSL.

O ato em Santo André teve início por volta da 13h no calçadão da Rua Oliveira Lima. Doria caminhou por cerca de uma hora, conversou com lojistas e pedestres e fez selfie com apoiadores. Correligionários como o prefeito andreense, Paulo Serra, e a candidata a deputada estadual Carla Morando o acompanharam na atividade.

O tucano afirmou que, se eleito, dará atenção logo no primeiro semestre de 2019 às obras da Linha-18 do Metrô, que ligará o Grande ABC à Capital. Segundo ele, a entrega do transporte público deve ocorrer em 2022. Ele também voltou a defender a redução da maioridade penal para 16 anos. “Penas duras para quem tem 16 e 17 anos e que cometem atentados, roubam, fazem latrocínios, tentam ou realizam homicídios. Será o mesmo tratamento dado ao criminoso de 18 anos”, pregou o candidato, que também prometeu apoiar projeto de lei que acaba com a chamada “saidinha” de presos.

Doria comentou ainda sobre o atentado sofrido ontem pelo candidato ao governo pelo DC, Adriano Costa e Silva, major do Exército, e seu assessor, Hamilton Munhoz, também militar na Estrada da Cooperativa, na divisa entre Mauá e Ribeirão Pires. “Há que se investigar. Nenhum tipo de violência pode ser admitida em campanha política ou fora dela. Espero que eles se recuperem.”

Doria está tecnicamente empatado com Paulo Skaf (MDB), de acordo com pesquisa do Ibope divulgada ontem.

Ainda durante a agenda de Doria, cerca de quinze integrante do MBL (Movimento Brasil Livre) aproveitaram a aglomeração para fazer ato político. Com bandeiras com o rosto de Kim Kataguiri, candidato a deputado federal pelo DEM, eles entoaram músicas que pregavam a derrubada do PT.

São Caetano – Antes de visitar Santo André, Doria esteve em São Caetano, onde tomou café na Padaria Ben Hur, no bairro Osvaldo Cruz, por volta das 10h30 ao lado de Carla Morando, do prefeito da cidade, José Auricchio Júnior, e do candidato ao Senado Tripoli, todos do PSDB. (Com informações de Bianca Barbosa)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Doria afirma que no segundo turno seu voto será 'pelo Brasil e contra o PT'

Candidato ao governo do Estado pelo PSDB caminhou pelas ruas de Santo André e São Caetano

Marília Montich
Do dgabc.com.br

04/10/2018 | 11:18


Atualizada às 17h05

O candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB, João Doria, afirmou nesta quinta-feira (4), durante caminhada pelo Centro de Santo André, que seu voto no segundo turno para presidente será “pelo Brasil e contra o PT”. 

“Quero deixar claro que meu voto para o próximo domingo será em Geraldo Alckmin (PSDB) e faço isso com o meu coração tranquilo. Mas quero dizer também que a partir de segunda-feira eu serei um guerreiro contra o PT, contra os petralhas, contra os bandidos do partido. Não dou moleza para a quadrilha do Lula nem para o (Fernando) Haddad, que tive o prazer de vencer na eleição de São Paulo. Se ele fosse bom, teria sido reeleito. A partir de segunda, meu voto é pelo o Brasil e contra o PT”, disse, ao microfone, na Praça do Carmo.

Apesar de não tem mencionado nominalmente o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), o segundo turno, de acordo com as pesquisas de opinião, está se fechando entre Haddad e o candidato do PSL.

O ato em Santo André teve início por volta da 13h no calçadão da Rua Oliveira Lima. Doria caminhou por cerca de uma hora, conversou com lojistas e pedestres e fez selfie com apoiadores. Correligionários como o prefeito andreense, Paulo Serra, e a candidata a deputada estadual Carla Morando o acompanharam na atividade.

O tucano afirmou que, se eleito, dará atenção logo no primeiro semestre de 2019 às obras da Linha-18 do Metrô, que ligará o Grande ABC à Capital. Segundo ele, a entrega do transporte público deve ocorrer em 2022. Ele também voltou a defender a redução da maioridade penal para 16 anos. “Penas duras para quem tem 16 e 17 anos e que cometem atentados, roubam, fazem latrocínios, tentam ou realizam homicídios. Será o mesmo tratamento dado ao criminoso de 18 anos”, pregou o candidato, que também prometeu apoiar projeto de lei que acaba com a chamada “saidinha” de presos.

Doria comentou ainda sobre o atentado sofrido ontem pelo candidato ao governo pelo DC, Adriano Costa e Silva, major do Exército, e seu assessor, Hamilton Munhoz, também militar na Estrada da Cooperativa, na divisa entre Mauá e Ribeirão Pires. “Há que se investigar. Nenhum tipo de violência pode ser admitida em campanha política ou fora dela. Espero que eles se recuperem.”

Doria está tecnicamente empatado com Paulo Skaf (MDB), de acordo com pesquisa do Ibope divulgada ontem.

Ainda durante a agenda de Doria, cerca de quinze integrante do MBL (Movimento Brasil Livre) aproveitaram a aglomeração para fazer ato político. Com bandeiras com o rosto de Kim Kataguiri, candidato a deputado federal pelo DEM, eles entoaram músicas que pregavam a derrubada do PT.

São Caetano – Antes de visitar Santo André, Doria esteve em São Caetano, onde tomou café na Padaria Ben Hur, no bairro Osvaldo Cruz, por volta das 10h30 ao lado de Carla Morando, do prefeito da cidade, José Auricchio Júnior, e do candidato ao Senado Tripoli, todos do PSDB. (Com informações de Bianca Barbosa)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;