Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Perigo em cruzamento de S.Caetano


Leandro Calixto
Do Diário do Grande ABC

07/11/2005 | 07:47


Moradores que vivem próximo ao cruzamento das ruas Amazonas com a Sílvia, no bairro Gerte, em São Caetano, reivindicam urgentemente a instalação de um semáforo para reduzir o número de acidentes de trânsito na região. “Alguma coisa precisa ser feita logo, antes que uma desgraça aconteça por aqui. Até agora, só ocorreram pequenas colisões sem nenhuma vítima fatal”, avisa a dona-de-casa Madalena Gartaloro, 59 anos. Além do semáforo, os moradores também solicitam a instalação de lombadas ou qualquer outro redutor de velocidade.

Por mais de 30 minutos de quinta-feira, a reportagem permaneceu no cruzamento e constatou que a maioria dos veículos trafega pela via em alta velocidade. No cruzamento, a preferencial é a rua Amazonas. No entanto, o motorista que transita pela rua Sílvia não encontra uma placa ostensiva que o avise da necessidade em reduzir a velocidade ou qualquer outro tipo de sinalização que indique que deve parar no cruzamento com a Amazonas, cujos veículos têm preferência.

Para a estudante Aline Maria, 15 anos, um dos maiores problemas é o excesso de velocidade por parte dos próprios motoristas. “Ninguém respeita os pedestres. Por isso, é importante a instalação de um semáforo no cruzamento”, diz a estudante.

A mesma opinião é compartilhada pela representante comercial Rosa Maria do Pico, 44 anos. “Temos regras básicas de trânsito que ninguém respeita. Infelizmente é um problema cultural de nosso país. Mas alguma coisa precisa ser feita para evitar os acidentes”, afirma. Já o comerciante Marcos Gomes, 50, solicita que as faixas para travessia de pedestres sejam melhor sinalizadas.

O Departamento de Trânsito da Prefeitura de São Caetano informa que não tem previsão de instalar semáforo no cruzamento porque o número de veículos que trafega no local é pequeno. Porém, o departamento não informa quantos carros passam diariamente pelo ponto apontado pelos moradores como de alto índice de acidentes. O Departamento de Trânsito declara ainda que existem placas informativas no cruzamento avisando o motorista que a rua Amazonas é a preferencial. Porém, não são ostensivas, conforme constatou a reportagem.

De janeiro a julho deste ano, 537 acidentes de trânsito envolvendo vítimas ocorreram em São Caetano, outras 449 ocorrências não tiveram vítimas e foram registrados ainda 180 atropelamentos. A Prefeitura, no entanto, não soube dizer quantas colisões ocorreram no cruzamento.

Segundo a Prefeitura, 80% dos acidentes de trânsito ocorrem por causa do excesso de velocidade dos motoristas, e se defende ao alegar que 60% do total de ocorrências no município são provocadas por motoristas que não residem na cidade. Vale lembrar que as leis de trânsito valem em todo território nacional, conforme estabelece o Código de Trânsito Brasileiro, e que a promoção da segurança no trânsito é prerrogativa dos municípios.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Perigo em cruzamento de S.Caetano

Leandro Calixto
Do Diário do Grande ABC

07/11/2005 | 07:47


Moradores que vivem próximo ao cruzamento das ruas Amazonas com a Sílvia, no bairro Gerte, em São Caetano, reivindicam urgentemente a instalação de um semáforo para reduzir o número de acidentes de trânsito na região. “Alguma coisa precisa ser feita logo, antes que uma desgraça aconteça por aqui. Até agora, só ocorreram pequenas colisões sem nenhuma vítima fatal”, avisa a dona-de-casa Madalena Gartaloro, 59 anos. Além do semáforo, os moradores também solicitam a instalação de lombadas ou qualquer outro redutor de velocidade.

Por mais de 30 minutos de quinta-feira, a reportagem permaneceu no cruzamento e constatou que a maioria dos veículos trafega pela via em alta velocidade. No cruzamento, a preferencial é a rua Amazonas. No entanto, o motorista que transita pela rua Sílvia não encontra uma placa ostensiva que o avise da necessidade em reduzir a velocidade ou qualquer outro tipo de sinalização que indique que deve parar no cruzamento com a Amazonas, cujos veículos têm preferência.

Para a estudante Aline Maria, 15 anos, um dos maiores problemas é o excesso de velocidade por parte dos próprios motoristas. “Ninguém respeita os pedestres. Por isso, é importante a instalação de um semáforo no cruzamento”, diz a estudante.

A mesma opinião é compartilhada pela representante comercial Rosa Maria do Pico, 44 anos. “Temos regras básicas de trânsito que ninguém respeita. Infelizmente é um problema cultural de nosso país. Mas alguma coisa precisa ser feita para evitar os acidentes”, afirma. Já o comerciante Marcos Gomes, 50, solicita que as faixas para travessia de pedestres sejam melhor sinalizadas.

O Departamento de Trânsito da Prefeitura de São Caetano informa que não tem previsão de instalar semáforo no cruzamento porque o número de veículos que trafega no local é pequeno. Porém, o departamento não informa quantos carros passam diariamente pelo ponto apontado pelos moradores como de alto índice de acidentes. O Departamento de Trânsito declara ainda que existem placas informativas no cruzamento avisando o motorista que a rua Amazonas é a preferencial. Porém, não são ostensivas, conforme constatou a reportagem.

De janeiro a julho deste ano, 537 acidentes de trânsito envolvendo vítimas ocorreram em São Caetano, outras 449 ocorrências não tiveram vítimas e foram registrados ainda 180 atropelamentos. A Prefeitura, no entanto, não soube dizer quantas colisões ocorreram no cruzamento.

Segundo a Prefeitura, 80% dos acidentes de trânsito ocorrem por causa do excesso de velocidade dos motoristas, e se defende ao alegar que 60% do total de ocorrências no município são provocadas por motoristas que não residem na cidade. Vale lembrar que as leis de trânsito valem em todo território nacional, conforme estabelece o Código de Trânsito Brasileiro, e que a promoção da segurança no trânsito é prerrogativa dos municípios.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;