Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 11 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

COI diz que crise no Rio de Janeiro e no Brasil não foi gerada por Olimpíada



21/06/2016 | 06:30


A cúpula do Comitê Olímpico Internacional (COI) saiu em defesa dos Jogos do Rio nesta segunda-feira. No evento que discutia o futuro da Rússia na competição, a entidade insistiu que não foi a Olimpíada que causou a crise nas contas públicas do Estado do Rio de Janeiro ou do Brasil.

Ao jornal O Estado de S.Paulo, dois vice-presidentes da entidade apontaram para o fato de que os Jogos não podem ser responsabilizados pela recessão e pela "calamidade pública". "A crise é do País, do Brasil. Não da Olimpíada", disse Yu Zaiqing, um dos quatro vice-presidentes da entidade.

Yu explicou que o COI mantinha um escalonamento de pagamentos para o Comitê Organizador da Rio-2016 e que, como forma de ajudar, houve uma antecipação de recursos que entrariam apenas em agosto. "Temos um calendário e não poderíamos fazer a transferência antes. Mas o COI decidiu ajudar".

Segundo ele, o orçamento "não estourou". "Há um equilíbrio nas contas. O problema é de fluxo de dinheiro e por isso houve a ajuda", apontou. O jornal O Estado de S.Paulo apurou que a questão financeira esteve no centro dos debates entre o presidente da entidade, o alemão Thomas Bach, e o presidente interino, Michel Temer. O do COI concordou em adiantar R$ 100 milhões para os organizadores. Mas cobrou do governo federal uma ajuda.

Para Yu, cabe ao Brasil garantir recursos para o evento. "Não é muito dinheiro. O governo precisa proteger sua reputação".

John Coates, outro vice-presidente do COI e o homem que, há dois anos, declarou o Rio como sendo a pior preparação dos Jogos, indicou que o dinheiro público estava sendo negociado para bancar a cerimônia de abertura. "Acredito que cerca de US$ 70 milhões podem ser fechados", disse, sem dar detalhes da origem do dinheiro.

Questionado sobre a crise financeira, Patrick Joseph Hickey, do Comitê Executivo do COI, preferiu manter um tom otimista. "Aposto na capacidade dos brasileiros de realizar coisas impressionantes".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

COI diz que crise no Rio de Janeiro e no Brasil não foi gerada por Olimpíada


21/06/2016 | 06:30


A cúpula do Comitê Olímpico Internacional (COI) saiu em defesa dos Jogos do Rio nesta segunda-feira. No evento que discutia o futuro da Rússia na competição, a entidade insistiu que não foi a Olimpíada que causou a crise nas contas públicas do Estado do Rio de Janeiro ou do Brasil.

Ao jornal O Estado de S.Paulo, dois vice-presidentes da entidade apontaram para o fato de que os Jogos não podem ser responsabilizados pela recessão e pela "calamidade pública". "A crise é do País, do Brasil. Não da Olimpíada", disse Yu Zaiqing, um dos quatro vice-presidentes da entidade.

Yu explicou que o COI mantinha um escalonamento de pagamentos para o Comitê Organizador da Rio-2016 e que, como forma de ajudar, houve uma antecipação de recursos que entrariam apenas em agosto. "Temos um calendário e não poderíamos fazer a transferência antes. Mas o COI decidiu ajudar".

Segundo ele, o orçamento "não estourou". "Há um equilíbrio nas contas. O problema é de fluxo de dinheiro e por isso houve a ajuda", apontou. O jornal O Estado de S.Paulo apurou que a questão financeira esteve no centro dos debates entre o presidente da entidade, o alemão Thomas Bach, e o presidente interino, Michel Temer. O do COI concordou em adiantar R$ 100 milhões para os organizadores. Mas cobrou do governo federal uma ajuda.

Para Yu, cabe ao Brasil garantir recursos para o evento. "Não é muito dinheiro. O governo precisa proteger sua reputação".

John Coates, outro vice-presidente do COI e o homem que, há dois anos, declarou o Rio como sendo a pior preparação dos Jogos, indicou que o dinheiro público estava sendo negociado para bancar a cerimônia de abertura. "Acredito que cerca de US$ 70 milhões podem ser fechados", disse, sem dar detalhes da origem do dinheiro.

Questionado sobre a crise financeira, Patrick Joseph Hickey, do Comitê Executivo do COI, preferiu manter um tom otimista. "Aposto na capacidade dos brasileiros de realizar coisas impressionantes".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;