Fechar
Publicidade

Domingo, 22 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

CEO do GP da Austrália de F-1 diz que não abrirá exceção para não vacinados



21/01/2022 | 13:08


A confusão envolvendo Novak Djokovic no Aberto da Austrália não se repetirá no GP de Fórmula 1 no país, em abril, garantiu o CEO da etapa australiana nesta sexta-feira. De acordo com Andrew Westacott, o evento não vai abrir exceções para não vacinados contra a covid-19.

Westacott disse que as regras e protocolos quanto à pandemia estão sendo trabalhados há alguns meses com o governo federal australiano, o governo estadual de Victoria e a própria cúpula da F-1. "As regras são simples para entrar no país e as regras são simples para realizar a F-1. Para vir para o evento, você terá que estar 100% vacinado e não haverá exceção para ninguém, vindo de ninguém", disse o CEO, em entrevista ao site Autosport.

A corrida, como de costume, será realizada no circuito de rua de Albert Park, na cidade de Melbourne, a mesma que sedia o Aberto da Austrália. Havia, portanto, temor na F-1 de que a situação protagonizada por Djokovic se repetisse na corrida marcada para o fim de semana dos dias 8, 9 e 10 de abril - será a terceira etapa do ano.

O tenista sérvio se envolveu numa grande confusão no primeiro Grand Slam do ano porque tentou entrar na Austrália sem estar vacinado, no dia 6 deste mês. Ele pediu e obteve uma "permissão médica especial" com ajuda do governo estadual de Victoria e da Tennis Australia, a federação de tênis do país e responsável por organizar o Aberto da Austrália.

A permissão, contudo, não foi aceita pelo governo federal, que cancelou seu visto por duas vezes. A confusão ainda contou com dois julgamentos do caso na Justiça local e um fim negativo para o número 1 do mundo, que foi deportado e agora corre o risco de não poder entrar na Austrália pelos próximos três anos.

Em sua entrevista, Westacott cutucou o Aberto da Austrália. "A Fórmula 1 reconhece por todo o globo que precisa sempre se adequar às regras das fronteiras e das jurisdições onde entra para correr. Eles estiveram em 41 países desde que estiveram em Melbourne, em 2020, e vamos recebê-los aqui novamente. Eles sabem as regras e estão muito, muito confortáveis com elas", declarou.

"Acho que nem é preciso dizer que eles estarão 100% vacinados e em conformidade com as leis. E isso significa que, quando estiverem em Melbourne, estarão operando de forma muito, muito segura. Nosso contato com a F-1 acontece desde muito tempo antes do que aconteceu no Aberto da Austrália. Trabalhamos muito próximo do governo federal, estadual, da F-1 e da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) por cerca de um ano e meio."

O campeonato volta a Melbourne após dois anos sem corrida na Austrália. Em 2020, a prova foi cancelada de última hora, de fato. Com o mundo enfrentando o surgimento da pandemia, a organização da própria F-1 decidiu não realizar a etapa a poucas horas do início do primeiro treino livre. Em 2021, também em razão da covid-19, não houve corrida em solo australiano.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;