Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Conselheiros visitam Disque-Denúncia


Elaine Granconato
Do Diário do Grande ABC

25/11/2011 | 07:00


 

Os representantes dos três conselhos tutelares de Santo André visitaram ontem à tarde, em São Paulo, a central do Disque-Denúncia 181, serviço de atendimento telefônico à disposição da população 24 horas por dia.

A iniciativa se deu após reportagem do Diário de domingo, quando foi apontado que os 14 órgãos ligados à criança e ao adolescente do Grande ABC ignoram o serviço gratuito. Das 355 demandas recebidas pelos conselhos no primeiro semestre, apenas 33 foram respondidas ao Disque-Denúncia.

Depois de dez anos fora do Conselho Tutelar de Santo André, Orlando Catharino, 39 anos, retornou ao trabalho na unidade da Vila Luzita. Aliás, ele foi o único conselheiro da região a participar de reunião recente no Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, do Grupo de Trabalho Criança Prioridade 1, onde se apresentou e discutiu os números da demanda do Disque-Denúncia nas sete cidades.

A estatística também registrou os números das denúncias de violência contra a criança e o adolescente sem retorno ao serviço, durante 2010. Das 707 encaminhadas pelo 181 aos 14 órgãos, apenas 55 foram respondidas.

O levantamento foi apresentado por Mário Vendrell Royo, gerente de Projetos do Instituto São Paulo Contra a Violência, entidade responsável pelo serviço 181. Ontem, ele conduziu os conselheiros de Santo André para conhecer o funcionamento do sistema.

“Desde o recebimento da denúncia pelo atendente até como a demanda é analisada e enviada. Ou seja, entendemos todo o ciclo”, afirmou Catharino, após a visita à sede de operacionalização do serviço.

Para Venderell Royo, o encontro surtiu resultado. Na prática, o instituto estará representado na próxima reunião do Criança Prioridade 1 – dia 2, às 9h, em Santo André. “Nosso objetivo é fortalecer a relação com os conselhos, sanar dúvidas e estreitar parceria em prol da rede de proteção da criança e do adolescente no Grande ABC”, explicou.

Mas ressaltou a necessidade de respostas às denúncias apresentadas pelo 181. “Recebemos muitas denúncias falsas, mas, mesmo que sejam improcedentes, têm de ser respondidas.”

Em Santo André, os conselheiros entrevistados ontem pela equipe do Diário prometeram, a partir de agora, retorno ao 181.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Conselheiros visitam Disque-Denúncia

Elaine Granconato
Do Diário do Grande ABC

25/11/2011 | 07:00


 

Os representantes dos três conselhos tutelares de Santo André visitaram ontem à tarde, em São Paulo, a central do Disque-Denúncia 181, serviço de atendimento telefônico à disposição da população 24 horas por dia.

A iniciativa se deu após reportagem do Diário de domingo, quando foi apontado que os 14 órgãos ligados à criança e ao adolescente do Grande ABC ignoram o serviço gratuito. Das 355 demandas recebidas pelos conselhos no primeiro semestre, apenas 33 foram respondidas ao Disque-Denúncia.

Depois de dez anos fora do Conselho Tutelar de Santo André, Orlando Catharino, 39 anos, retornou ao trabalho na unidade da Vila Luzita. Aliás, ele foi o único conselheiro da região a participar de reunião recente no Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, do Grupo de Trabalho Criança Prioridade 1, onde se apresentou e discutiu os números da demanda do Disque-Denúncia nas sete cidades.

A estatística também registrou os números das denúncias de violência contra a criança e o adolescente sem retorno ao serviço, durante 2010. Das 707 encaminhadas pelo 181 aos 14 órgãos, apenas 55 foram respondidas.

O levantamento foi apresentado por Mário Vendrell Royo, gerente de Projetos do Instituto São Paulo Contra a Violência, entidade responsável pelo serviço 181. Ontem, ele conduziu os conselheiros de Santo André para conhecer o funcionamento do sistema.

“Desde o recebimento da denúncia pelo atendente até como a demanda é analisada e enviada. Ou seja, entendemos todo o ciclo”, afirmou Catharino, após a visita à sede de operacionalização do serviço.

Para Venderell Royo, o encontro surtiu resultado. Na prática, o instituto estará representado na próxima reunião do Criança Prioridade 1 – dia 2, às 9h, em Santo André. “Nosso objetivo é fortalecer a relação com os conselhos, sanar dúvidas e estreitar parceria em prol da rede de proteção da criança e do adolescente no Grande ABC”, explicou.

Mas ressaltou a necessidade de respostas às denúncias apresentadas pelo 181. “Recebemos muitas denúncias falsas, mas, mesmo que sejam improcedentes, têm de ser respondidas.”

Em Santo André, os conselheiros entrevistados ontem pela equipe do Diário prometeram, a partir de agora, retorno ao 181.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;