Fechar
Publicidade

Sábado, 15 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Hospital Brasil ganha equipamento de ressonância pioneiro na região

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Máquina permite alta precisão; meta é fazer 4.000 exames por mês


Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

08/01/2021 | 00:01


O Hospital e Maternidade Brasil, em Santo André, conta desde terça-feira com novo equipamento de ressonância magnética. Com meta de realizar 4.000 procedimentos por mês, a máquina, do modelo Signa Pioneer, de 3 Tesla, oferece mais conforto ao paciente e imagens detalhadas. Trata-se da primeira unidade do modelo no Grande ABC. A Rede D’Or São Luiz não divulgou o investimento.

O equipamento permite identificar lesões muito pequenas ou sutis, proporcionando o diagnóstico preciso, possibilitando nitidez e detalhamento das imagens. Os equipamentos da marca são os mais potentes disponíveis no Brasil para uso clínico.

Luiz Tenório Siqueira, coordenador do serviço de radiologia do Hospital Brasil, destacou que é uma ferramenta importante no diagnóstico de alterações oncológicas e degenerativas osteomusculares. “O equipamento auxilia na avaliação mais precisa do tecido cartilaginoso em doenças degenerativas de articulações como joelho, ombro e quadril”, explicou. 

Outro diferencial é a possibilidade de ressonância magnética funcional, em que o paciente pode realizar algumas tarefas ao longo do exame.

COMODIDADE

O equipamento promete mais conforto aos pacientes, já que o bore, espaço onde o paciente fica posicionado durante o exame, é o maior existente, com 70 centímetros. Assim, pessoas que sofrem em ambientes fechados podem se sentir mais confortáveis durante o procedimento. A mesa é mais baixa e maior, facilitando o acesso dos pacientes.

Além disso, o som emitido pela máquina durante o exame é 30 vezes menor do que nos demais aparelhos, ao mesmo tempo em que a velocidade para conclusão do exame é menor.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Hospital Brasil ganha equipamento de ressonância pioneiro na região

Máquina permite alta precisão; meta é fazer 4.000 exames por mês

Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

08/01/2021 | 00:01


O Hospital e Maternidade Brasil, em Santo André, conta desde terça-feira com novo equipamento de ressonância magnética. Com meta de realizar 4.000 procedimentos por mês, a máquina, do modelo Signa Pioneer, de 3 Tesla, oferece mais conforto ao paciente e imagens detalhadas. Trata-se da primeira unidade do modelo no Grande ABC. A Rede D’Or São Luiz não divulgou o investimento.

O equipamento permite identificar lesões muito pequenas ou sutis, proporcionando o diagnóstico preciso, possibilitando nitidez e detalhamento das imagens. Os equipamentos da marca são os mais potentes disponíveis no Brasil para uso clínico.

Luiz Tenório Siqueira, coordenador do serviço de radiologia do Hospital Brasil, destacou que é uma ferramenta importante no diagnóstico de alterações oncológicas e degenerativas osteomusculares. “O equipamento auxilia na avaliação mais precisa do tecido cartilaginoso em doenças degenerativas de articulações como joelho, ombro e quadril”, explicou. 

Outro diferencial é a possibilidade de ressonância magnética funcional, em que o paciente pode realizar algumas tarefas ao longo do exame.

COMODIDADE

O equipamento promete mais conforto aos pacientes, já que o bore, espaço onde o paciente fica posicionado durante o exame, é o maior existente, com 70 centímetros. Assim, pessoas que sofrem em ambientes fechados podem se sentir mais confortáveis durante o procedimento. A mesa é mais baixa e maior, facilitando o acesso dos pacientes.

Além disso, o som emitido pela máquina durante o exame é 30 vezes menor do que nos demais aparelhos, ao mesmo tempo em que a velocidade para conclusão do exame é menor.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;