Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Importação de têxteis cresce 60%

Ari Paleta/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Leone Farias
Com AE

11/07/2010 | 07:06


A produção têxtil brasileira cresce na ordem de 11% mas a importação cresce 60%, segundo a Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil). Com isso, nos primeiros cinco meses deste ano, o déficit comercial soma US$ 1,29 bilhão, 59% mais que no mesmo período de 2009, sem incluir as fibras de algodão.

Isso reflete vários fatores, segundo a associação, entre os quais o real valorizado, os juros altos e a elevada carga tributária brasileira.

De janeiro a maio, os dez principais exportadores para o País, pela ordem, foram China, Índia, Indonésia, Estados Unidos, Argentina, Taiwan, Coreia do Sul, Bangladesh, Alemanha e Tailândia. Todos esses países, segundo a entidade, têm menores juros, crédito mais acessível e mais incentivo à exportação, incluindo câmbio favorável, na comparação com o Brasil.

Além disso, o consumo retraído em grandes países consumidores tem estimulado a busca de novos mercados. Dessa forma, para o diretor superintendente da associação, Fernando Pimentel, esse cenário de enxurrada de produtos importados preocupa, principalmente no ano que vem, quando o crescimento econômico não deverá ser tão expressivo quanto neste ano. "Trabalhamos pelo aumento da competitividade e pela redução de impostos para não onerar os investimentos", afirma.

A concorrência, sobretudo com os asiáticos, traz receios, já que a indústria tem perdido espaço tanto no País quanto no Exterior. No mercado argentino, por exemplo, o Brasil viu cair sua participação nas importações do setor de 33,7% no primeiro quadrimestre de 2008 para 28% nos mesmos quatro meses deste ano, de acordo com a consultoria Investigações Econômicas Setoriais. Nesse período, a fatia da China cresceu de 25,7% para 32,4%, passando ao primeiro lugar na lista de fornecedores.

PROTEÇÃO - Para Pimentel, as medidas antidumping adotadas pelo governo brasileiro, que sobretaxaram o produto têxtil chinês foram importantes, mas ele cobra mais celeridade na adoção de medidas contra a triangulação.

"Temos de estar atentos, a concorrência é saudável, mas nosso maior ativo não pode ser franqueado", afirma, referindo-se ao 1,7 milhão de empregos diretos e mais de 8 milhões indiretos gerados pelo segmento no País.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Importação de têxteis cresce 60%

Leone Farias
Com AE

11/07/2010 | 07:06


A produção têxtil brasileira cresce na ordem de 11% mas a importação cresce 60%, segundo a Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil). Com isso, nos primeiros cinco meses deste ano, o déficit comercial soma US$ 1,29 bilhão, 59% mais que no mesmo período de 2009, sem incluir as fibras de algodão.

Isso reflete vários fatores, segundo a associação, entre os quais o real valorizado, os juros altos e a elevada carga tributária brasileira.

De janeiro a maio, os dez principais exportadores para o País, pela ordem, foram China, Índia, Indonésia, Estados Unidos, Argentina, Taiwan, Coreia do Sul, Bangladesh, Alemanha e Tailândia. Todos esses países, segundo a entidade, têm menores juros, crédito mais acessível e mais incentivo à exportação, incluindo câmbio favorável, na comparação com o Brasil.

Além disso, o consumo retraído em grandes países consumidores tem estimulado a busca de novos mercados. Dessa forma, para o diretor superintendente da associação, Fernando Pimentel, esse cenário de enxurrada de produtos importados preocupa, principalmente no ano que vem, quando o crescimento econômico não deverá ser tão expressivo quanto neste ano. "Trabalhamos pelo aumento da competitividade e pela redução de impostos para não onerar os investimentos", afirma.

A concorrência, sobretudo com os asiáticos, traz receios, já que a indústria tem perdido espaço tanto no País quanto no Exterior. No mercado argentino, por exemplo, o Brasil viu cair sua participação nas importações do setor de 33,7% no primeiro quadrimestre de 2008 para 28% nos mesmos quatro meses deste ano, de acordo com a consultoria Investigações Econômicas Setoriais. Nesse período, a fatia da China cresceu de 25,7% para 32,4%, passando ao primeiro lugar na lista de fornecedores.

PROTEÇÃO - Para Pimentel, as medidas antidumping adotadas pelo governo brasileiro, que sobretaxaram o produto têxtil chinês foram importantes, mas ele cobra mais celeridade na adoção de medidas contra a triangulação.

"Temos de estar atentos, a concorrência é saudável, mas nosso maior ativo não pode ser franqueado", afirma, referindo-se ao 1,7 milhão de empregos diretos e mais de 8 milhões indiretos gerados pelo segmento no País.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;