Economia

Cortes na Ford abalam saldo do emprego na indústria do Estado


Impactado pela demissão de funcionários da fábrica da Ford em São Bernardo, o saldo do emprego na indústria da região foi de 1.100 desligamentos em julho. A decisão teve reflexos até mesmo no resultado do Estado, já que, somente São Bernardo, com 1.050 postos de trabalho fechados, representou 30% do total de desligamentos estaduais (3.500) – foi a cidade com a maior queda nos resultados (-1,54% entre junho e julho).

Os dados fazem parte da pesquisa Nível de Emprego Regional, divulgada ontem pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). Neste ano, o saldo do Grande ABC está negativo em 5.250 vagas, o que representa média de 24 dispensas por dia.

No último mês, a montadora norte-americana anunciou a demissão de 750 profissionais da planta de São Bernardo devido ao fim da produção do New Fiesta. Além disso, pelo menos 280 funcionários aderiram ao PDI (Plano de Demissão Incentivada). A fábrica terá suas atividades encerradas completamente até novembro, conforme decisão da empresa de sair do segmento de caminhões na América Latina.

De acordo com o diretor titular do Ciesp de São Bernardo,Cláudio Barberini Junior, além da empresa, fornecedores que atendiam à montadora também já começaram com as dispensas. “Muitas dessas empresas forneciam exclusivamente para a Ford e não têm condição de fornecer para a fábrica da Bahia (em Camaçari) ou Taubaté (no Interior do Estado). A montadora puxou a fila. Também tivemos redução por causa da queda nas exportações para a Argentina, que é um parceiro importante do setor automotivo”, disse.

O setor de veículos automotores e autopeças teve retração de -1,91% em São Bernardo. O setor de produtos de borracha e de material plástico (-10,61%) também influenciou no resultado municipal. Em todo o Estado foram 2.163 vagas fechadas em montadoras.

Apesar disso, Barberini acredita em recuperação. “As montadoras estão anunciando investimentos, então há perspectiva. Porém, é importante destacar que os empregos não voltam da mesma forma que eram. Com a automação muitas funções foram extintas e outras, criadas.”

OUTRAS CIDADES

No último mês, somente São Caetano fechou com saldo positivo, com a geração de 50 empregos. As indústrias de Santo André e Diadema fecharam 50 vagas cada uma (veja mais na arte ao lado).

O diretor titular do Ciesp Santo André, que também responde por Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, Norberto Perrella, destacou que o resultado é fruto da estagnação da atividade econômica. “A maioria das empresas ainda trabalha com grande nível de ociosidade. Com o encaminhamento das reformas da Previdência e tributária e da MP (Medida Provisória) da Liberdade Econômica, há expectativa de que a situação melhore, mas ainda está muito parado”, disse. As quatro cidades registraram demissão de 1.900 trabalhadores neste ano.

O diretor do Ciesp Diadema, Anuar Dequech Júnior, também culpou a falta de atividade econômica. “Ainda está uma situação de espera, com os empresários aguardando as reformas. Tem que começar a girar a roda da economia para que as contratações aconteçam, o que vai acontecer após a aprovação da reforma da Previdência.” 

Comentários


Veja Também


Cortes na Ford abalam saldo do emprego na indústria do Estado

Impactado pela demissão de funcionários da fábrica da Ford em São Bernardo, o saldo do emprego na indústria da região foi de 1.100 desligamentos em julho. A decisão teve reflexos até mesmo no resultado do Estado, já que, somente São Bernardo, com 1.050 postos de trabalho fechados, representou 30%...

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:
Voltar