Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Mercado de caminhões pode recuar até 10%, diz Mercedes

Marina Brandão/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Presidente da montadora baseia-se na crise de
exportação e no atual cenário doméstico


Lucas Kenji
do Diário do Grande ABC

12/04/2014 | 07:07


O setor nacional de caminhões deve enfrentar retração de até 10% em 2014, caso o decorrer do ano siga com o ritmo de vendas atual. A projeção é do presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO para a América Latina, Philipp Schiemer, que recorreu ao PDV (Programa de Demissão Voluntária) na planta de São Bernardo no início desta semana por escassez de demanda.

A crise de exportação para a Argentina, principal mercado comprador dos veículos pesados brasileiros, ainda é o fator de maior preocupação, apesar de os países terem assinado memorando de entendimento para fortalecimento do comércio bilateral. Outra atenuante para o executivo é a atual situação do setor de caminhões. Houve queda de 10,7% nas comercializações de março ante fevereiro (9.337 unidades, contra 10.465), segundo dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).

O cenário deflagra força de trabalho excedente de 2.000 funcionários na montadora, que espera sanar parte deste montante com o PDV válido até 9 de maio. Segundo o diretor de comunicação e relações institucionais da marca, Luiz Carlos Moraes, a planta contém grande contingente de colaboradores com mais de 30 anos de casa, que são o foco da campanha. Há possibilidade de receber até 17 salários em um mês – a remuneração média da categoria na região é de R$ 4.500.

“Um PDV nunca é agradável para ninguém. Mas conversamos abertamente com nossos funcionários dizendo que é uma necessidade para manter a fábrica de São Bernardo eficiente”, afirmou Schiemer. “É melhor nos desfazermos de alguns funcionários do que de todos, e oferecemos condições atraentes para que eles tenham até uma recolocação no mercado.”

O presidente da Mercedes afirmou ainda que a crise do setor é visível a todos. A marca enfrenta problemas também em sua unidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Metade dos 900 operários entrará em férias coletivas entre 22 de abril e 11 de maio.

MARKET SHARE - Uma vez que projeta vendas mensais médias de 10 mil caminhões neste ano, Schiemer conteve a animação demonstrada em 2013 em ultrapassar a MAN/Volkswagen na liderança geral do mercado de caminhões. Na época, o cenário era de 12 mil vendas por mês. O lema da Mercedes no momento é rentabilidade. Nas palavras do gerente de marketing de caminhões, Gilson Mansur, “ser líder de mercado não garante mais dinheiro no bolso.”
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mercado de caminhões pode recuar até 10%, diz Mercedes

Presidente da montadora baseia-se na crise de
exportação e no atual cenário doméstico

Lucas Kenji
do Diário do Grande ABC

12/04/2014 | 07:07


O setor nacional de caminhões deve enfrentar retração de até 10% em 2014, caso o decorrer do ano siga com o ritmo de vendas atual. A projeção é do presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO para a América Latina, Philipp Schiemer, que recorreu ao PDV (Programa de Demissão Voluntária) na planta de São Bernardo no início desta semana por escassez de demanda.

A crise de exportação para a Argentina, principal mercado comprador dos veículos pesados brasileiros, ainda é o fator de maior preocupação, apesar de os países terem assinado memorando de entendimento para fortalecimento do comércio bilateral. Outra atenuante para o executivo é a atual situação do setor de caminhões. Houve queda de 10,7% nas comercializações de março ante fevereiro (9.337 unidades, contra 10.465), segundo dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores).

O cenário deflagra força de trabalho excedente de 2.000 funcionários na montadora, que espera sanar parte deste montante com o PDV válido até 9 de maio. Segundo o diretor de comunicação e relações institucionais da marca, Luiz Carlos Moraes, a planta contém grande contingente de colaboradores com mais de 30 anos de casa, que são o foco da campanha. Há possibilidade de receber até 17 salários em um mês – a remuneração média da categoria na região é de R$ 4.500.

“Um PDV nunca é agradável para ninguém. Mas conversamos abertamente com nossos funcionários dizendo que é uma necessidade para manter a fábrica de São Bernardo eficiente”, afirmou Schiemer. “É melhor nos desfazermos de alguns funcionários do que de todos, e oferecemos condições atraentes para que eles tenham até uma recolocação no mercado.”

O presidente da Mercedes afirmou ainda que a crise do setor é visível a todos. A marca enfrenta problemas também em sua unidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Metade dos 900 operários entrará em férias coletivas entre 22 de abril e 11 de maio.

MARKET SHARE - Uma vez que projeta vendas mensais médias de 10 mil caminhões neste ano, Schiemer conteve a animação demonstrada em 2013 em ultrapassar a MAN/Volkswagen na liderança geral do mercado de caminhões. Na época, o cenário era de 12 mil vendas por mês. O lema da Mercedes no momento é rentabilidade. Nas palavras do gerente de marketing de caminhões, Gilson Mansur, “ser líder de mercado não garante mais dinheiro no bolso.”
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;