Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 14 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Sem acerto em maio, GP do Brasil diz que F-1 adiou negociação sobre renovação

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


03/06/2020 | 07:00


Ainda sem constar no calendário atualizado de 2020 da Fórmula 1, o GP do Brasil segue apostando na renovação do contrato para continuar recebendo a corrida da principal categoria do automobilismo mundial de 2021 em diante. A organização da prova brasileira havia afirmado ao Estadão que a negociação estaria selada até o fim de maio, o que não aconteceu.

Em contato com a reportagem, o promotor do GP apontou a remontagem do calendário desta temporada como obstáculo na negociação para o futuro. "As conversas continuam e o atraso ocorreu por parte da FOM, que ficou concentrada na solução da fase europeia do campeonato de F-1 deste ano", disse Tamas Rohonyi.

O promotor da prova tenta manter a corrida brasileira em São Paulo, no Autódromo de Interlagos, enquanto sofre a concorrência do Rio de Janeiro. A cidade quer retomar a categoria no futuro circuito a ser erguido no bairro de Deodoro. O projeto carioca é liderado pelo empresário JR Pereira, que também diz estar em processo avançado de negociação com a cúpula da F-1.

No fim do ano passado o Estadão revelou que São Paulo pretende pagar como taxa anual de promoção à categoria cerca de US$ 20 milhões (cerca de R$ 106 milhões na cotação atual). Os recursos viriam de parceiros comerciais. A organização da F-1 cobra um valor variável para todos os países que sediam suas corridas, porém desde 2017 o Brasil não paga a taxa.

Na terça-feira, a direção da F-1 anunciou parte do calendário atualizado da temporada 2020, prejudicada pela pandemia do novo coronavírus. Após cancelar ou adiar 10 das 22 corridas previstas para o ano, a categoria confirmou as primeiras oito provas do campeonato, todas na Europa, entre os meses de julho e setembro, passando por Áustria, Hungria, Inglaterra, Espanha, Bélgica e Itália. Todas com portões fechados, sem a presença de torcedores.

A expectativa é de que a Fórmula 1 siga com corridas até o mês de dezembro. O período, ainda sem atividades confirmadas, vai servir para provas na Ásia e nas Américas, incluindo o GP do Brasil, em São Paulo.

Os ajustes para definir o complemento da temporada 2020 podem afetar novamente as negociações de São Paulo para manter o GP do Brasil a partir de 2021 - o contrato atual se encerra no fim do ano.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sem acerto em maio, GP do Brasil diz que F-1 adiou negociação sobre renovação


03/06/2020 | 07:00


Ainda sem constar no calendário atualizado de 2020 da Fórmula 1, o GP do Brasil segue apostando na renovação do contrato para continuar recebendo a corrida da principal categoria do automobilismo mundial de 2021 em diante. A organização da prova brasileira havia afirmado ao Estadão que a negociação estaria selada até o fim de maio, o que não aconteceu.

Em contato com a reportagem, o promotor do GP apontou a remontagem do calendário desta temporada como obstáculo na negociação para o futuro. "As conversas continuam e o atraso ocorreu por parte da FOM, que ficou concentrada na solução da fase europeia do campeonato de F-1 deste ano", disse Tamas Rohonyi.

O promotor da prova tenta manter a corrida brasileira em São Paulo, no Autódromo de Interlagos, enquanto sofre a concorrência do Rio de Janeiro. A cidade quer retomar a categoria no futuro circuito a ser erguido no bairro de Deodoro. O projeto carioca é liderado pelo empresário JR Pereira, que também diz estar em processo avançado de negociação com a cúpula da F-1.

No fim do ano passado o Estadão revelou que São Paulo pretende pagar como taxa anual de promoção à categoria cerca de US$ 20 milhões (cerca de R$ 106 milhões na cotação atual). Os recursos viriam de parceiros comerciais. A organização da F-1 cobra um valor variável para todos os países que sediam suas corridas, porém desde 2017 o Brasil não paga a taxa.

Na terça-feira, a direção da F-1 anunciou parte do calendário atualizado da temporada 2020, prejudicada pela pandemia do novo coronavírus. Após cancelar ou adiar 10 das 22 corridas previstas para o ano, a categoria confirmou as primeiras oito provas do campeonato, todas na Europa, entre os meses de julho e setembro, passando por Áustria, Hungria, Inglaterra, Espanha, Bélgica e Itália. Todas com portões fechados, sem a presença de torcedores.

A expectativa é de que a Fórmula 1 siga com corridas até o mês de dezembro. O período, ainda sem atividades confirmadas, vai servir para provas na Ásia e nas Américas, incluindo o GP do Brasil, em São Paulo.

Os ajustes para definir o complemento da temporada 2020 podem afetar novamente as negociações de São Paulo para manter o GP do Brasil a partir de 2021 - o contrato atual se encerra no fim do ano.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;