Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Convênio pode ajudar a salvar vidas de menores ameaçados


Camila Galvez

09/11/2010 | 00:55


 

 

As 488 crianças e adolescentes que correm o risco de serem assassinadas até 2012 nas sete cidades da região ganharam ontem uma esperança a mais de sobreviver. O Consórcio Intermunicipal do Grande ABC deu o aval para a assinatura de convênio no valor de R$ 550 mil com a Secretaria Especial de Direitos Humanos, do governo federal, responsável pela projeção alarmante de jovens ameaçados.

A verba permitirá a implantação do PPCAAM (Programa de Proteção às Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte) na região. A assinatura oficial deve ocorrer ainda neste ano. Do montante, R$ 500 mil serão disponibilizados pela União e R$ 50 mil pelas Prefeituras, como contrapartida. O objetivo principal do programa é preservar a vida dos menores ameaçados de morte, garantindo vínculos familiares e afetivos e inserção social segura.

Inicialmente serão atendidos 50 jovens e suas famílias durante período de seis a oito meses. De acordo com o coordenador do GT (Grupo de Trabalho) Criança Prioridade 1, Ariel de Castro Alves, levantamento feito com os conselheiros tutelares da região no começo do ano apontou 48 menores em situação de risco social nas sete cidades. “Esse número deve ser revisto antes do início do programa, que está previsto para 2011”, explica.

Os jovens receberão atendimento e acompanhamento nas áreas de Saúde, Educação, Esporte e Cultura, além de orientação jurídica. Se necessário, serão também encaminhados para cursos profissionalizantes. Para Alves, a implementação do programa no Grande ABC não substitui o trabalho de proteção desenvolvido pelas prefeituras. “A verba vem para complementar, facilitar o atendimento e permitir que mais vidas sejam salvas”, avalia.

Das 50 vagas inicialmente previstas para o projeto, 30% serão destinadas ao atendimento de jovens de outras cidades do Estado de São Paulo. Em todo o País, 11 Estados e a Capital paulista possuem o programa. O Grande ABC será a primeira região metropolitana a contar com a parceria após a assinatura do convênio.

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Convênio pode ajudar a salvar vidas de menores ameaçados

Camila Galvez

09/11/2010 | 00:55


 

 

As 488 crianças e adolescentes que correm o risco de serem assassinadas até 2012 nas sete cidades da região ganharam ontem uma esperança a mais de sobreviver. O Consórcio Intermunicipal do Grande ABC deu o aval para a assinatura de convênio no valor de R$ 550 mil com a Secretaria Especial de Direitos Humanos, do governo federal, responsável pela projeção alarmante de jovens ameaçados.

A verba permitirá a implantação do PPCAAM (Programa de Proteção às Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte) na região. A assinatura oficial deve ocorrer ainda neste ano. Do montante, R$ 500 mil serão disponibilizados pela União e R$ 50 mil pelas Prefeituras, como contrapartida. O objetivo principal do programa é preservar a vida dos menores ameaçados de morte, garantindo vínculos familiares e afetivos e inserção social segura.

Inicialmente serão atendidos 50 jovens e suas famílias durante período de seis a oito meses. De acordo com o coordenador do GT (Grupo de Trabalho) Criança Prioridade 1, Ariel de Castro Alves, levantamento feito com os conselheiros tutelares da região no começo do ano apontou 48 menores em situação de risco social nas sete cidades. “Esse número deve ser revisto antes do início do programa, que está previsto para 2011”, explica.

Os jovens receberão atendimento e acompanhamento nas áreas de Saúde, Educação, Esporte e Cultura, além de orientação jurídica. Se necessário, serão também encaminhados para cursos profissionalizantes. Para Alves, a implementação do programa no Grande ABC não substitui o trabalho de proteção desenvolvido pelas prefeituras. “A verba vem para complementar, facilitar o atendimento e permitir que mais vidas sejam salvas”, avalia.

Das 50 vagas inicialmente previstas para o projeto, 30% serão destinadas ao atendimento de jovens de outras cidades do Estado de São Paulo. Em todo o País, 11 Estados e a Capital paulista possuem o programa. O Grande ABC será a primeira região metropolitana a contar com a parceria após a assinatura do convênio.

 

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;