Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Iraque aprendeu com guerras passadas, diz imprensa


Da AFP

27/03/2003 | 11:01


Constatando que as forças da coalizão lideradas pelos Estados Unidos enfrentam no Iraque uma resistência muito maior do que a esperada, a imprensa americana concluiu nesta quinta-feira que as tropas do presidente Saddam Hussein aprenderam muito com guerras passadas.

"Baseando-se em táticas de incitação nunca usadas na guerra do Golfo, em 1991, os militares iraquianos infligiram graves danos esta semana", inclusive em tanques pesados americanos e helicópteros Apache, afirma The Washington Post em um artigo do jornal desta quinta.

Os militares americanos estão "impressionados com a adaptação das táticas iraquianas e sua vontade de combater, fatores que parecem ter sido subestimados por alguns membros no Pentágono em relação à (pobre) performance do Iraque há 12 anos", segundo o Post.

As forças da coalizão acreditavam que o exército iraquiano desmoronaria como um castelo de cartas como ocorreu na guerra do Golfo em 1991, quando milhares de soldados se renderam sem combater. Acreditava-se que a única dificuldade seria a Guarda Republicana leal a Saddam.

"Ao contrário, os iraquianos recorreram à clássica guerra de guerrilhas, aprendendo táticas tão diversas como as empregadas em Mogadíscio, Bósnia, Kosovo, na antiga União Soviética e inclusive no Vietnã", de acordo com uma análise no jornal Knight-Ridder.

Saddam "aprendeu muito" desde 1991, destaca o New York Times. "É claro que Saddam foi à escola em Kosovo. Aprendeu a maneira como atacam os americanos", declarou um oficial do Pentágono ao Times.

Anthony Cordesman, do Centro de Estudos Estratégicos Internacionais de Washington, disse ao Knight-Ridder que as forças da coalizão "podem ter fatalmente subestimado que os iraquianos se sentem como patriotas nacionalistas". "O fato de serem contrários a Saddam não significa que gostem de nós", acrescentou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Iraque aprendeu com guerras passadas, diz imprensa

Da AFP

27/03/2003 | 11:01


Constatando que as forças da coalizão lideradas pelos Estados Unidos enfrentam no Iraque uma resistência muito maior do que a esperada, a imprensa americana concluiu nesta quinta-feira que as tropas do presidente Saddam Hussein aprenderam muito com guerras passadas.

"Baseando-se em táticas de incitação nunca usadas na guerra do Golfo, em 1991, os militares iraquianos infligiram graves danos esta semana", inclusive em tanques pesados americanos e helicópteros Apache, afirma The Washington Post em um artigo do jornal desta quinta.

Os militares americanos estão "impressionados com a adaptação das táticas iraquianas e sua vontade de combater, fatores que parecem ter sido subestimados por alguns membros no Pentágono em relação à (pobre) performance do Iraque há 12 anos", segundo o Post.

As forças da coalizão acreditavam que o exército iraquiano desmoronaria como um castelo de cartas como ocorreu na guerra do Golfo em 1991, quando milhares de soldados se renderam sem combater. Acreditava-se que a única dificuldade seria a Guarda Republicana leal a Saddam.

"Ao contrário, os iraquianos recorreram à clássica guerra de guerrilhas, aprendendo táticas tão diversas como as empregadas em Mogadíscio, Bósnia, Kosovo, na antiga União Soviética e inclusive no Vietnã", de acordo com uma análise no jornal Knight-Ridder.

Saddam "aprendeu muito" desde 1991, destaca o New York Times. "É claro que Saddam foi à escola em Kosovo. Aprendeu a maneira como atacam os americanos", declarou um oficial do Pentágono ao Times.

Anthony Cordesman, do Centro de Estudos Estratégicos Internacionais de Washington, disse ao Knight-Ridder que as forças da coalizão "podem ter fatalmente subestimado que os iraquianos se sentem como patriotas nacionalistas". "O fato de serem contrários a Saddam não significa que gostem de nós", acrescentou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;