Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 11 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Moradores da Vila Bocaina reclamam de crateras na via

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Pavimentação da Rua João Pessoa, em Mauá, foi danificada após as fortes chuvas de sexta-feira


Bianca Barbosa
Especial para o Diário

28/11/2018 | 07:00


 Revolta é o sentimento dos moradores da Rua João Pessoa, na Vila Bocaina, em Mauá. Após exatos quatro dias da obra de recapeamento de parte da via, que tapou três crateras, a forte chuva de sexta-feira levou todo o asfalto para o bueiro, e trouxe de volta a dor de cabeça de quem passa de carro pelo local.

“Moro nesse bairro há mais de 20 anos. Normalmente, as obras daqui duram pouco, mas nunca vi alguma coisa sair tão rápido igual a esse asfalto”, criticou o operador de refinaria aposentado Alcindo Castilho, 73. Inconformado com a obra que permaneceu apenas por quatro dias, o homem acredita que o motivo seja a falta de qualidade do material. “A chuva não é desculpa, todo asfalto tem que ser resistente a ela. Acho que o produto que usaram não era bom.”

Os buracos ficam próximos à esquina com a Rua Egídio Gazola. A água das valetas acaba empoçando em três buracos do local, e molhando quem passa distraído pela calçada. Segundo Castilho, o problema é recorrente, tanto que quem conhece o local evita passar por lá.

Para o pintor Leandro Apollonio, 35, é estranho que o asfalto tenha durado tão pouco tempo. “Passei na quarta-feira e vi que estava bonito, fizeram um trabalho legal. Hoje (ontem) encontrei assim, todo destruído. Não entendi nada”, falou. Ele acredita que tenham fixado o material de forma errada.

Já o mecânico Jorge Basílio do Amaral, 29, morador do bairro desde que nasceu, acredita que o motivo de o asfalto ter dissolvido tenha sido mesmo o temporal. “Sempre que chove causa estrago por aqui. Como era recente, o asfalto não deve ter secado muito bem”, falou.

O temporal de sexta-feira provocou caos no Grande ABC. Houve deslizamento de terra, queda de árvores, ruas e carros inundados, e três mortes em São Bernardo. Mauá contabilizou 72 milímetros de água durante duas horas de chuva.

A Prefeitura destacou que a construção do Residencial Di Cavalcanti, pela CN Empreendimentos, sobre uma nascente provocou o desvio do curso da água das chuvas para a Rua João Pessoa. A administração aguardará que a empresa faça a drenagem da água para refazer o recapeamento.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Moradores da Vila Bocaina reclamam de crateras na via

Pavimentação da Rua João Pessoa, em Mauá, foi danificada após as fortes chuvas de sexta-feira

Bianca Barbosa
Especial para o Diário

28/11/2018 | 07:00


 Revolta é o sentimento dos moradores da Rua João Pessoa, na Vila Bocaina, em Mauá. Após exatos quatro dias da obra de recapeamento de parte da via, que tapou três crateras, a forte chuva de sexta-feira levou todo o asfalto para o bueiro, e trouxe de volta a dor de cabeça de quem passa de carro pelo local.

“Moro nesse bairro há mais de 20 anos. Normalmente, as obras daqui duram pouco, mas nunca vi alguma coisa sair tão rápido igual a esse asfalto”, criticou o operador de refinaria aposentado Alcindo Castilho, 73. Inconformado com a obra que permaneceu apenas por quatro dias, o homem acredita que o motivo seja a falta de qualidade do material. “A chuva não é desculpa, todo asfalto tem que ser resistente a ela. Acho que o produto que usaram não era bom.”

Os buracos ficam próximos à esquina com a Rua Egídio Gazola. A água das valetas acaba empoçando em três buracos do local, e molhando quem passa distraído pela calçada. Segundo Castilho, o problema é recorrente, tanto que quem conhece o local evita passar por lá.

Para o pintor Leandro Apollonio, 35, é estranho que o asfalto tenha durado tão pouco tempo. “Passei na quarta-feira e vi que estava bonito, fizeram um trabalho legal. Hoje (ontem) encontrei assim, todo destruído. Não entendi nada”, falou. Ele acredita que tenham fixado o material de forma errada.

Já o mecânico Jorge Basílio do Amaral, 29, morador do bairro desde que nasceu, acredita que o motivo de o asfalto ter dissolvido tenha sido mesmo o temporal. “Sempre que chove causa estrago por aqui. Como era recente, o asfalto não deve ter secado muito bem”, falou.

O temporal de sexta-feira provocou caos no Grande ABC. Houve deslizamento de terra, queda de árvores, ruas e carros inundados, e três mortes em São Bernardo. Mauá contabilizou 72 milímetros de água durante duas horas de chuva.

A Prefeitura destacou que a construção do Residencial Di Cavalcanti, pela CN Empreendimentos, sobre uma nascente provocou o desvio do curso da água das chuvas para a Rua João Pessoa. A administração aguardará que a empresa faça a drenagem da água para refazer o recapeamento.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;