Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 20 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Praça abandonada preocupa moradores

André Henriques/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Área situada no Parque das Nações, em Santo André, tem atraído usuários de drogas e flanelinhas; espaço também sofre com lixo acumulado


Victor Hugo Storti
Especial para o Diário

02/11/2016 | 07:00


Moradores do Parque das Nações, em Santo André, reclamam do descaso do poder público com a Praça Waldemar Soares, localizada ao lado da Paróquia Senhor do Bonfim. De acordo com os munícipes, a ausência de fiscalização na área tem contribuído para atuação de flanelinhas, além da constante presença de usuários de drogas durante a noite no local.

Em visita à praça na tarde de ontem, a equipe de reportagem do Diário flagrou o cenário de abandono. O espaço tem inúmeras pichações nas paredes, muito lixo espalhado pelo chão e os brinquedos e equipamentos do local estão em péssimas condições de uso. Além disso, o cheiro de urina é bem forte na área verde.

De acordo com o servidor público Marcos Stivale, 51 anos, morador do bairro há quatro anos, a praça e os equipamentos são constantemente vandalizados. “O que acontece é que chegam de seis a oito indivíduos e atuam como flanelinhas pela manhã. Boa parte deles se embriaga com esse dinheiro que recebe e, além de falar alto logo cedo, faz muita sujeira aqui”, disse.

O servidor público também conta que o clima no entorno da praça é de insegurança, além da falta de sossego para os moradores da localidade. “É o dia inteiro de gritaria com palavrões, gente embriagada e sujeira. Quem mora aqui vive infernizado. Se quer descansar mais cedo não consegue”.

Segundo Stivale, os moradores já recorreram à Prefeitura, à GCM (Guarda Civil Municipal) e até aos vereadores da cidade e todas as tentativas não resultaram em nenhuma solução definitiva para a situação da praça. “Certa vez, um servidor da Prefeitura, de forma bem irônica, sugeriu que eu me mudasse como forma de solução desses problemas”, concluiu.

A assistente social Cristiane Filgueiras, 27, também moradora do bairro, confirmou que há sensação de insegurança. “É frequente ver pessoas cometendo pequenos furtos por aqui. Quem anda de noite tem medo porque é perigoso.”

Cristiane também lamenta que o espaço público, que poderia ser utilizado pela população, esteja em más condições de uso e sem a devida manutenção. “É esse descaso mesmo. Muita sujeira, está tudo pichado e não tem uma fiscalização”, disse.

Em nota, a Prefeitura de Santo André informou que a Guarda Civil Municipal atende os arredores da Praça, com rondas setoriais e equipes especializadas, e orientou os munícipes a acionar a própria GCM ou a Polícia Militar caso se sintam lesados por cobranças indevidas.

Sobre a má conservação do local, principalmente dos brinquedos, a Prefeitura esclareceu que os mesmos “serão vistoriados e reparados posteriormente”.

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Praça abandonada preocupa moradores

Área situada no Parque das Nações, em Santo André, tem atraído usuários de drogas e flanelinhas; espaço também sofre com lixo acumulado

Victor Hugo Storti
Especial para o Diário

02/11/2016 | 07:00


Moradores do Parque das Nações, em Santo André, reclamam do descaso do poder público com a Praça Waldemar Soares, localizada ao lado da Paróquia Senhor do Bonfim. De acordo com os munícipes, a ausência de fiscalização na área tem contribuído para atuação de flanelinhas, além da constante presença de usuários de drogas durante a noite no local.

Em visita à praça na tarde de ontem, a equipe de reportagem do Diário flagrou o cenário de abandono. O espaço tem inúmeras pichações nas paredes, muito lixo espalhado pelo chão e os brinquedos e equipamentos do local estão em péssimas condições de uso. Além disso, o cheiro de urina é bem forte na área verde.

De acordo com o servidor público Marcos Stivale, 51 anos, morador do bairro há quatro anos, a praça e os equipamentos são constantemente vandalizados. “O que acontece é que chegam de seis a oito indivíduos e atuam como flanelinhas pela manhã. Boa parte deles se embriaga com esse dinheiro que recebe e, além de falar alto logo cedo, faz muita sujeira aqui”, disse.

O servidor público também conta que o clima no entorno da praça é de insegurança, além da falta de sossego para os moradores da localidade. “É o dia inteiro de gritaria com palavrões, gente embriagada e sujeira. Quem mora aqui vive infernizado. Se quer descansar mais cedo não consegue”.

Segundo Stivale, os moradores já recorreram à Prefeitura, à GCM (Guarda Civil Municipal) e até aos vereadores da cidade e todas as tentativas não resultaram em nenhuma solução definitiva para a situação da praça. “Certa vez, um servidor da Prefeitura, de forma bem irônica, sugeriu que eu me mudasse como forma de solução desses problemas”, concluiu.

A assistente social Cristiane Filgueiras, 27, também moradora do bairro, confirmou que há sensação de insegurança. “É frequente ver pessoas cometendo pequenos furtos por aqui. Quem anda de noite tem medo porque é perigoso.”

Cristiane também lamenta que o espaço público, que poderia ser utilizado pela população, esteja em más condições de uso e sem a devida manutenção. “É esse descaso mesmo. Muita sujeira, está tudo pichado e não tem uma fiscalização”, disse.

Em nota, a Prefeitura de Santo André informou que a Guarda Civil Municipal atende os arredores da Praça, com rondas setoriais e equipes especializadas, e orientou os munícipes a acionar a própria GCM ou a Polícia Militar caso se sintam lesados por cobranças indevidas.

Sobre a má conservação do local, principalmente dos brinquedos, a Prefeitura esclareceu que os mesmos “serão vistoriados e reparados posteriormente”.

 

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;