Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 13 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Mãe de analista assassinada é alvo de ameaças


Maíra Sanches
Do Diário do Grande ABC

09/11/2010 | 07:00


A  mãe da analista Rafaela de Castro Reis, 25 anos, encontrada carbonizada e baleada no pescoço dentro de seu carro em setembro do ano passado, relata que sofreu ameaças de morte durante a investigação do crime. A família tem certeza que o autor das ameaças é o principal suspeito do assassinato, o ex-namorado da vítima, Airton Cavalcante da Silva, 31

Com medo, Maria das Graças Castro registrou boletim de ocorrência no 4º DP de Diadema, no Jardim Eldorado. Intimado a comparecer em audiência na tarde de ontem no Fórum de Diadema, o acusado pelo assassinato da analista e das ameaças contra a família não se apresentou à Justiça.

“Se acontecer algo comigo, a senhora vai pagar”. Esse foi um dos avisos proferidos pelo acusado em maio deste ano. Segundo parentes, ele passava gritando em frente à casa da família, sempre se dirigindo a mãe da vítima, que, com medo, colocou grades em todas as janelas. “É um monstro. Temos muito medo dele e do que pode fazer com a família. Não posso vê-lo”, diz a mãe da vítima.

De acordo com o advogado de defesa, Leandro Macário, o prensista não se apresentou ontem pois “não foi regularmente intimado.”

Porém, ele confirmou que o suspeito deverá comparecer na próxima data, divulgada ontem. A audiência que julgará as ameaças sofridas pela mãe da vítima foi remarcada para o dia 17 de janeiro de 2011.

 

O CRIME

A jovem formada em Contabilidade foi encontrada morta no dia 28 de setembro de 2009, no Jardim Miriam, Zona Sul de São Paulo, próximo à divisa com Diadema. Rafaela decidiu terminar a relação quando o casal tinha um ano e quatro meses de namoro. O crime aconteceu três semanas depois. Dois dias antes de encontrarem o corpo, Rafaela e Airton saíram para negociar a compra do carro novo da vítima. No entanto, apenas ele voltou para casa.

No dia 30 de setembro foi expedido o mandado de prisão temporária contra o suspeito. Airton cumpriu dez dias e foi solto por falta de provas. Ele nega o crime.

De acordo com os familiares, a relação do casal era conturbada e o suspeito não aceitava o fim do romance. “Ele ligava o dia inteiro no trabalho dela. Dizia que se não fosse para ela ficar com ele, não ficaria com mais ninguém”, relata a mãe. Os familiares também alegaram que o suspeito roubou a bolsa da vítima para queimar todos os documentos e dificultar a investigação do crime. A vítima foi identificada pela corrente que carregava no pescoço e pelo aparelho ortodôntico.

O caso foi registrado no 98º Distrito Policial de São Paulo. A investigação foi concluída em dezembro do ano passado e enviada ao Fórum de Diadema, que deve julgar o réu no dia 22 de novembro. O advogado de defesa garantiu a presença de seu cliente na data. “Esperamos que ele seja preso no dia”, disse um tio da vítima, que preferiu não se identificar.

 

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mãe de analista assassinada é alvo de ameaças

Maíra Sanches
Do Diário do Grande ABC

09/11/2010 | 07:00


A  mãe da analista Rafaela de Castro Reis, 25 anos, encontrada carbonizada e baleada no pescoço dentro de seu carro em setembro do ano passado, relata que sofreu ameaças de morte durante a investigação do crime. A família tem certeza que o autor das ameaças é o principal suspeito do assassinato, o ex-namorado da vítima, Airton Cavalcante da Silva, 31

Com medo, Maria das Graças Castro registrou boletim de ocorrência no 4º DP de Diadema, no Jardim Eldorado. Intimado a comparecer em audiência na tarde de ontem no Fórum de Diadema, o acusado pelo assassinato da analista e das ameaças contra a família não se apresentou à Justiça.

“Se acontecer algo comigo, a senhora vai pagar”. Esse foi um dos avisos proferidos pelo acusado em maio deste ano. Segundo parentes, ele passava gritando em frente à casa da família, sempre se dirigindo a mãe da vítima, que, com medo, colocou grades em todas as janelas. “É um monstro. Temos muito medo dele e do que pode fazer com a família. Não posso vê-lo”, diz a mãe da vítima.

De acordo com o advogado de defesa, Leandro Macário, o prensista não se apresentou ontem pois “não foi regularmente intimado.”

Porém, ele confirmou que o suspeito deverá comparecer na próxima data, divulgada ontem. A audiência que julgará as ameaças sofridas pela mãe da vítima foi remarcada para o dia 17 de janeiro de 2011.

 

O CRIME

A jovem formada em Contabilidade foi encontrada morta no dia 28 de setembro de 2009, no Jardim Miriam, Zona Sul de São Paulo, próximo à divisa com Diadema. Rafaela decidiu terminar a relação quando o casal tinha um ano e quatro meses de namoro. O crime aconteceu três semanas depois. Dois dias antes de encontrarem o corpo, Rafaela e Airton saíram para negociar a compra do carro novo da vítima. No entanto, apenas ele voltou para casa.

No dia 30 de setembro foi expedido o mandado de prisão temporária contra o suspeito. Airton cumpriu dez dias e foi solto por falta de provas. Ele nega o crime.

De acordo com os familiares, a relação do casal era conturbada e o suspeito não aceitava o fim do romance. “Ele ligava o dia inteiro no trabalho dela. Dizia que se não fosse para ela ficar com ele, não ficaria com mais ninguém”, relata a mãe. Os familiares também alegaram que o suspeito roubou a bolsa da vítima para queimar todos os documentos e dificultar a investigação do crime. A vítima foi identificada pela corrente que carregava no pescoço e pelo aparelho ortodôntico.

O caso foi registrado no 98º Distrito Policial de São Paulo. A investigação foi concluída em dezembro do ano passado e enviada ao Fórum de Diadema, que deve julgar o réu no dia 22 de novembro. O advogado de defesa garantiu a presença de seu cliente na data. “Esperamos que ele seja preso no dia”, disse um tio da vítima, que preferiu não se identificar.

 

 

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;