Fechar
Publicidade

Domingo, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Pastrana diz que Fernandinho Beira-Mar está na Colômbia


Das Agências

25/03/2001 | 14:59


O presidente colombiano, Andrés Pastrana, denunciou, em entrevista a uma revista brasileira, que os traficantes brasileiros estão na Colômbia. Ele citou o traficante mais procurado do Brasil, Luiz Fernando da Costa, conhecido como Fernandinho Beira-Mar, que teria escapado ferido em fevereiro de uma ação policial no interior da Colômbia. Sua mulher, Elizete da Silva Lira, foi presa em Bogotá esta semana.

Pastrana citou o traficante mais procurado do Brasil, Luiz Fernando da Costa (conhecido como Fernandinho Beira-Mar), que teria escapado ferido em fevereiro de uma ação policial no interior da Colômbia e cuja esposa, Elizete da Silva Lira, foi presa em Bogotá esta semana.

"Os chefes brasileiros do tráfico já estão aqui. O que faz o traficante Fernandinho Beira-Mar aqui? Promove cultivos ilícitos", denunciou Pastrana, citando esse caso como exemplo que demonstra que "o problema (do combate à droga) é de todos os países da região".

Ele disse que podem existir outros brasileiros como Beira-Mar atuando na Colômbia: "A princípio nem sabíamos quem era Fernandinho. Depois nos demos conta de que era muito importante. Se ele está aqui, pode haver outros, claro".

Em referência concreta ao Brasil, Pastrana pediu ao presidente Fernando Henrique Cardoso, para "trabalhar de mãos dadas, estreitar as relações, trocar informações, aproximar o trabalho dos militares e criar mais mecanismos para cuidar de nossas fronteiras".

Por outro lado, uma outra reportagem também publicada este domingo pela imprensa brasileira, informa que um poderoso "Cartel Brasil", liderado por Fernandinho, está atuando na Colômbia, desde onde abastece Rio de Janeiro e São Paulo com drogas.

Segundo a reportagem, Fernandinho agora estaria tentando entrar na Venezuela, vagando pela selva colombiana, escondido atrás de uma barba e com 20 quilos a mais, mas antes deve encontrar um substituto no Cartel Brasil e pagar suas dívidas com os produtores de coca colombianos.

Em fevereiro o Exército colombiano capturou 15 colombianos e sete brasileiros, entre eles Jackeline Alcântara de Morais, companheira e braço direito de Fernandinho, que teria escapado ferido do cerco policial.

A operação 'Gato Negro', como se chamou essa intervenção policial, era dirigida a desmantelar uma rede de narcotráfico e contrabando de armas, na qual estão supostamente envolvidos o traficante brasileiro e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), a maior guerrilha do país, comprometida em um diálogo de paz com o governo de Pastrana.

Fernandinho, atualmente o traficante mais procurado do Brasil, é considerado o responsável do Cartel Brasil, organização superior em atividades em relação aos cartéis peruano e venezuelano, liderado também pelo brasileiro Leonardo Dias Mendoça e por um paraguaio não identificado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Pastrana diz que Fernandinho Beira-Mar está na Colômbia

Das Agências

25/03/2001 | 14:59


O presidente colombiano, Andrés Pastrana, denunciou, em entrevista a uma revista brasileira, que os traficantes brasileiros estão na Colômbia. Ele citou o traficante mais procurado do Brasil, Luiz Fernando da Costa, conhecido como Fernandinho Beira-Mar, que teria escapado ferido em fevereiro de uma ação policial no interior da Colômbia. Sua mulher, Elizete da Silva Lira, foi presa em Bogotá esta semana.

Pastrana citou o traficante mais procurado do Brasil, Luiz Fernando da Costa (conhecido como Fernandinho Beira-Mar), que teria escapado ferido em fevereiro de uma ação policial no interior da Colômbia e cuja esposa, Elizete da Silva Lira, foi presa em Bogotá esta semana.

"Os chefes brasileiros do tráfico já estão aqui. O que faz o traficante Fernandinho Beira-Mar aqui? Promove cultivos ilícitos", denunciou Pastrana, citando esse caso como exemplo que demonstra que "o problema (do combate à droga) é de todos os países da região".

Ele disse que podem existir outros brasileiros como Beira-Mar atuando na Colômbia: "A princípio nem sabíamos quem era Fernandinho. Depois nos demos conta de que era muito importante. Se ele está aqui, pode haver outros, claro".

Em referência concreta ao Brasil, Pastrana pediu ao presidente Fernando Henrique Cardoso, para "trabalhar de mãos dadas, estreitar as relações, trocar informações, aproximar o trabalho dos militares e criar mais mecanismos para cuidar de nossas fronteiras".

Por outro lado, uma outra reportagem também publicada este domingo pela imprensa brasileira, informa que um poderoso "Cartel Brasil", liderado por Fernandinho, está atuando na Colômbia, desde onde abastece Rio de Janeiro e São Paulo com drogas.

Segundo a reportagem, Fernandinho agora estaria tentando entrar na Venezuela, vagando pela selva colombiana, escondido atrás de uma barba e com 20 quilos a mais, mas antes deve encontrar um substituto no Cartel Brasil e pagar suas dívidas com os produtores de coca colombianos.

Em fevereiro o Exército colombiano capturou 15 colombianos e sete brasileiros, entre eles Jackeline Alcântara de Morais, companheira e braço direito de Fernandinho, que teria escapado ferido do cerco policial.

A operação 'Gato Negro', como se chamou essa intervenção policial, era dirigida a desmantelar uma rede de narcotráfico e contrabando de armas, na qual estão supostamente envolvidos o traficante brasileiro e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), a maior guerrilha do país, comprometida em um diálogo de paz com o governo de Pastrana.

Fernandinho, atualmente o traficante mais procurado do Brasil, é considerado o responsável do Cartel Brasil, organização superior em atividades em relação aos cartéis peruano e venezuelano, liderado também pelo brasileiro Leonardo Dias Mendoça e por um paraguaio não identificado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;