Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Ney Vaz avalia que Semasa tem patrimônio de R$ 10 bi

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Dirigente descarta entregar autarquia à Sabesp para liquidar dívida, estimada em R$ 2,7 bilhões


Fabio Martins
Do Diário do Grande ABC

09/11/2015 | 07:00


O superintendente do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), Sebastião Ney Vaz Júnior (PT), sustenta que os bens patrimoniais da autarquia “são muito superiores” à dívida que tramita na Justiça, da ordem de R$ 2,7 bilhões com a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo).

“Fizemos as contas. Avaliamos que o Semasa vale hoje, pelo menos, R$ 10 bilhões pelo tamanho, porte, quantidade de rede e patrimônio”, disse, ao descartar novamente concessão do órgão andreense, assim como fez São Bernardo e Diadema, para liquidar passivo com a empresa pública estadual.

A autarquia contesta os débitos referentes a valores pagos pelo metro cúbico da água por atacado em relação ao preço cobrado pela Sabesp – até hoje há divergência. Ney Vaz antecipou que auditoria contratada ficará pronta ainda em novembro, detalhando a cotação de mercado do Semasa, que servirá para embasar defesas judiciais. “A empresa está prestes a finalizar o estudo. Até o meio do mês conclui (o levantamento)”, alegou. O órgão municipal firmou termo com a MFC Avaliação e Gestão de Ativos Ltda, e desembolsou a quantia de R$ 99,9 mil pelos serviços.

O dirigente sustentou que o Semasa mantém negociação com a Sabesp na tentativa de acertar o histórico impasse do real custo da água. O imbróglio judicial se arrasta desde a década de 1990, iniciado na gestão de Celso Daniel (PT, morto em 2002).

“Resolvendo isso (valores), seguimos para os outros passos”, disse Ney Vaz. Atualmente, a Sabesp cobra R$ 1,81 pelo metro cúbico e a autarquia andreense paga R$ 1,74. Essa diferença no preço do produto é que resulta nas ações, ainda sem data para término ou sinalização de acordo. “Desta história do que pode virar dívida para o que temos hoje consolidado é muito maior. Teríamos troco”, reforçou o petista.

A venda da autarquia de São Bernardo, denominada de DAE (Departamento de Água e Esgoto), em 2004, na gestão William Dib (PSDB), se deu quando o débito atingiu montante de R$ 1 bilhão. Na cidade vizinha, o atual prefeito Lauro Michels (PV) entregou no começo de 2014 a Saned (Companhia de Saneamento de Diadema), com passivo de R$ 1,2 bilhão, em troca de quitar a dívida e obter de investimento na rede. Donisete Braga (PT), de Mauá, admite </CS><CS10.2>desejar fazer o mesmo com a Sama (Saneamento Básico do Município de Mauá). 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ney Vaz avalia que Semasa tem patrimônio de R$ 10 bi

Dirigente descarta entregar autarquia à Sabesp para liquidar dívida, estimada em R$ 2,7 bilhões

Fabio Martins
Do Diário do Grande ABC

09/11/2015 | 07:00


O superintendente do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), Sebastião Ney Vaz Júnior (PT), sustenta que os bens patrimoniais da autarquia “são muito superiores” à dívida que tramita na Justiça, da ordem de R$ 2,7 bilhões com a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo).

“Fizemos as contas. Avaliamos que o Semasa vale hoje, pelo menos, R$ 10 bilhões pelo tamanho, porte, quantidade de rede e patrimônio”, disse, ao descartar novamente concessão do órgão andreense, assim como fez São Bernardo e Diadema, para liquidar passivo com a empresa pública estadual.

A autarquia contesta os débitos referentes a valores pagos pelo metro cúbico da água por atacado em relação ao preço cobrado pela Sabesp – até hoje há divergência. Ney Vaz antecipou que auditoria contratada ficará pronta ainda em novembro, detalhando a cotação de mercado do Semasa, que servirá para embasar defesas judiciais. “A empresa está prestes a finalizar o estudo. Até o meio do mês conclui (o levantamento)”, alegou. O órgão municipal firmou termo com a MFC Avaliação e Gestão de Ativos Ltda, e desembolsou a quantia de R$ 99,9 mil pelos serviços.

O dirigente sustentou que o Semasa mantém negociação com a Sabesp na tentativa de acertar o histórico impasse do real custo da água. O imbróglio judicial se arrasta desde a década de 1990, iniciado na gestão de Celso Daniel (PT, morto em 2002).

“Resolvendo isso (valores), seguimos para os outros passos”, disse Ney Vaz. Atualmente, a Sabesp cobra R$ 1,81 pelo metro cúbico e a autarquia andreense paga R$ 1,74. Essa diferença no preço do produto é que resulta nas ações, ainda sem data para término ou sinalização de acordo. “Desta história do que pode virar dívida para o que temos hoje consolidado é muito maior. Teríamos troco”, reforçou o petista.

A venda da autarquia de São Bernardo, denominada de DAE (Departamento de Água e Esgoto), em 2004, na gestão William Dib (PSDB), se deu quando o débito atingiu montante de R$ 1 bilhão. Na cidade vizinha, o atual prefeito Lauro Michels (PV) entregou no começo de 2014 a Saned (Companhia de Saneamento de Diadema), com passivo de R$ 1,2 bilhão, em troca de quitar a dívida e obter de investimento na rede. Donisete Braga (PT), de Mauá, admite </CS><CS10.2>desejar fazer o mesmo com a Sama (Saneamento Básico do Município de Mauá). 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;