Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Inflação ao consumidor avança 1,6% no ano em julho na China, como previsto



09/08/2015 | 07:31


O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da China acelerou um pouco em julho, mas segue contido o suficiente para dar bastante espaço para o uso de medidas agressivas para combater a desaceleração econômica. O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês), por sua vez, continua em seu ritmo mais fraco em mais de três anos, representando uma ameaça de deflação e gerando mais pressão por estímulos.

O CPI avançou 1,6% em julho, na comparação com igual mês do ano passado, em linha com a previsão dos analistas ouvidos pela Dow Jones Newswires. Em junho, o CPI havia subido 1,4%, portanto acelerou no mês mais recente, informou o Escritório Nacional de Estatísticas do país neste domingo. O PPI caiu 5,4% em julho ante igual mês de 2014, quando em junho havia registrado queda de 4,8%. O PPI também caiu 0,7% em julho ante junho. Em junho, ele havia recuado 0,4% ante o mês anterior. A queda anual no PPI é a pior em quase seis anos.

"As políticas monetária e fiscal da China têm de sustentar mais a economia no restante do ano", disse o economista Liu Li-Gang, do ANZ.

O crescimento econômico na China ficou em 7% na comparação anual no segundo trimestre, no ritmo mais fraco em seis anos. O governo tem acelerado gastos em infraestrutura, com foco em rodovias, ferrovias e metrôs, e oferecendo incentivos fiscais às empresas. O banco central cortou a taxa de juros quatro vezes desde novembro e permitiu que os bancos emprestem mais.

O CPI chinês subiu 0,3% em julho ante junho, em linha com as expectativas. A meta de inflação ao consumidor anual na China é de 3%, portanto o resultado de 1,6% dá bastante espaço para mais medidas de Pequim para estimular a economia.

O avanço mensal se deve em grande medida à forte alta nos preços da carne de porco, que avançaram 16,7% na comparação anual. O escritórios de estatísticas disse que os preços baixos do passado desencorajaram produtores de porcos, o que reduziu a oferta nesse mercado e acabou elevando os preços.

Analistas disseram que a queda no PPI reflete também os preços mais baixos das commodities globais. "Nós esperamos que o PPI siga em território negativo ao longo do primeiro semestre do próximo ano", disse Liu Xuezhi, economista do Bank of Communications. Segundo ele, será um desafio para o país atingir a meta de 7% de crescimento econômico em todo este ano.

Outros analistas avaliam que o governo deve responder aos indicadores mais fracos com mais gastos. "O governo está agora impulsionando os gastos com infraestrutura", afirmou Yang Zhao, economista do Nomura. "Eu acho que o governo será mais proativo em seu gasto fiscal nos próximos meses." Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Inflação ao consumidor avança 1,6% no ano em julho na China, como previsto


09/08/2015 | 07:31


O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da China acelerou um pouco em julho, mas segue contido o suficiente para dar bastante espaço para o uso de medidas agressivas para combater a desaceleração econômica. O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês), por sua vez, continua em seu ritmo mais fraco em mais de três anos, representando uma ameaça de deflação e gerando mais pressão por estímulos.

O CPI avançou 1,6% em julho, na comparação com igual mês do ano passado, em linha com a previsão dos analistas ouvidos pela Dow Jones Newswires. Em junho, o CPI havia subido 1,4%, portanto acelerou no mês mais recente, informou o Escritório Nacional de Estatísticas do país neste domingo. O PPI caiu 5,4% em julho ante igual mês de 2014, quando em junho havia registrado queda de 4,8%. O PPI também caiu 0,7% em julho ante junho. Em junho, ele havia recuado 0,4% ante o mês anterior. A queda anual no PPI é a pior em quase seis anos.

"As políticas monetária e fiscal da China têm de sustentar mais a economia no restante do ano", disse o economista Liu Li-Gang, do ANZ.

O crescimento econômico na China ficou em 7% na comparação anual no segundo trimestre, no ritmo mais fraco em seis anos. O governo tem acelerado gastos em infraestrutura, com foco em rodovias, ferrovias e metrôs, e oferecendo incentivos fiscais às empresas. O banco central cortou a taxa de juros quatro vezes desde novembro e permitiu que os bancos emprestem mais.

O CPI chinês subiu 0,3% em julho ante junho, em linha com as expectativas. A meta de inflação ao consumidor anual na China é de 3%, portanto o resultado de 1,6% dá bastante espaço para mais medidas de Pequim para estimular a economia.

O avanço mensal se deve em grande medida à forte alta nos preços da carne de porco, que avançaram 16,7% na comparação anual. O escritórios de estatísticas disse que os preços baixos do passado desencorajaram produtores de porcos, o que reduziu a oferta nesse mercado e acabou elevando os preços.

Analistas disseram que a queda no PPI reflete também os preços mais baixos das commodities globais. "Nós esperamos que o PPI siga em território negativo ao longo do primeiro semestre do próximo ano", disse Liu Xuezhi, economista do Bank of Communications. Segundo ele, será um desafio para o país atingir a meta de 7% de crescimento econômico em todo este ano.

Outros analistas avaliam que o governo deve responder aos indicadores mais fracos com mais gastos. "O governo está agora impulsionando os gastos com infraestrutura", afirmou Yang Zhao, economista do Nomura. "Eu acho que o governo será mais proativo em seu gasto fiscal nos próximos meses." Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;