Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 31 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Agentes funerários de Nova York roubavam órgãos e ossos


Do Diário OnLine
Com Agências

19/10/2006 | 14:19


Sete donos de funerárias americanas admitiram que furtavam ossos e órgão humanos e vendiam para transplantes a empresas médicas.

Segundo promotores de Nova York, os agentes funerários agiam sem o consentimento das famílias dos mortos e falsificavam atestados de óbitos para enganar os clientes que compravam os tecidos.

O jornalista americano Alistair Cooke pode ter sido uma das vítimas da quadrilha. Cooke, que morreu aos 95 anos de câncer de pulmão e nos ossos em 2004, teve seu atestado de óbito modificado pela funerária e para facilitar a venda de seus órgãos passou a ter 85 anos e teria morrido de ataque cardíaco.

A promotoria de Nova York acredita que mais pessoas participavam do esquema que faturou milhões de dólares. Os acusados podem pegar até 25 anos de prisão.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Agentes funerários de Nova York roubavam órgãos e ossos

Do Diário OnLine
Com Agências

19/10/2006 | 14:19


Sete donos de funerárias americanas admitiram que furtavam ossos e órgão humanos e vendiam para transplantes a empresas médicas.

Segundo promotores de Nova York, os agentes funerários agiam sem o consentimento das famílias dos mortos e falsificavam atestados de óbitos para enganar os clientes que compravam os tecidos.

O jornalista americano Alistair Cooke pode ter sido uma das vítimas da quadrilha. Cooke, que morreu aos 95 anos de câncer de pulmão e nos ossos em 2004, teve seu atestado de óbito modificado pela funerária e para facilitar a venda de seus órgãos passou a ter 85 anos e teria morrido de ataque cardíaco.

A promotoria de Nova York acredita que mais pessoas participavam do esquema que faturou milhões de dólares. Os acusados podem pegar até 25 anos de prisão.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;