Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Greve de fome de detentos deixa 22 mortos


Das Agências

07/05/2001 | 08:46


Dois detentos que estavam em greve de fome para protestar contra o regime de isolamento nos presídios morreram esta segunda-feira, elevando a 22 o número de mortos de seguidores deste movimento, informou a Associação turca de Direitos do Homem (IHD).

Huseyin Kayaci, 32 anos, detido em Buca (Oeste), morreu no hospital em conseqüência de uma greve de fome que iniciou em dezembro, abandonou por 20 dias e retomou em janeiro, conforme precisou um porta-voz da IHD.

Cafer Tayyar Bektas, preso em Ancara por pertencer a uma organização clandestina de extrema-esquerda, morreu no hospital depois de uma greve iniciada em novembro do ano passado, adiantou.

Desde 21 de março passado, 18 prisioneiros e quatro parentes dos detentos se deixaram morrer desta forma.

Cerca de 800 presos continuam uma greve de fome, dos quais aproximadamente 400 estão determinados a morrer, em denúncia do regime de isolamento dos novos presídios.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Greve de fome de detentos deixa 22 mortos

Das Agências

07/05/2001 | 08:46


Dois detentos que estavam em greve de fome para protestar contra o regime de isolamento nos presídios morreram esta segunda-feira, elevando a 22 o número de mortos de seguidores deste movimento, informou a Associação turca de Direitos do Homem (IHD).

Huseyin Kayaci, 32 anos, detido em Buca (Oeste), morreu no hospital em conseqüência de uma greve de fome que iniciou em dezembro, abandonou por 20 dias e retomou em janeiro, conforme precisou um porta-voz da IHD.

Cafer Tayyar Bektas, preso em Ancara por pertencer a uma organização clandestina de extrema-esquerda, morreu no hospital depois de uma greve iniciada em novembro do ano passado, adiantou.

Desde 21 de março passado, 18 prisioneiros e quatro parentes dos detentos se deixaram morrer desta forma.

Cerca de 800 presos continuam uma greve de fome, dos quais aproximadamente 400 estão determinados a morrer, em denúncia do regime de isolamento dos novos presídios.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;