Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

'Mondovino' entra para a disputa da Palma de Ouro em Cannes


Da AFP

14/05/2004 | 15:48


O cineasta e enólogo americano Jonathan Nossiter explora em "Mondovino", documentário apresentado nesta sexta-feira na seção oficial do Festival de Cannes, a face oculta do mundo do comércio do vinho, que há vinte anos vive uma revolução sem precedentes.

Este documentário, cuja apresentação estava prevista na seção "hors-concours", é o 19º aspirante à Palma de Ouro, segundo decisão da direção do festival anunciada na quarta-feira. Outro documentário, "Fahrenheit 911", do cineasta americano Michael Moore, também aspira ao prêmio máximo do festival.

Por desejo da organização do festival ou pura coincidência, os dois cineastas reivindicam um forte compromisso, uma boa dose de militância e são muito críticos com seu país.

Para Nossiter, "não resta a menor dúvida de que os piores malfeitores do mundo no momento sejam os grandes poderes dos EUA, começando, claro, pelo grande criminoso [o presidente George W.] Bush".

Ele também não poupa a Itália, cuja situação política lhe parece "trágica" desde a chegada de Silvio Berlusconi ao poder.

O cineasta, que já dirigiu documentários e filmes de ficção, explicou em entrevista coletiva em Cannes que "'Mondovino' não é um filme sobre o vinho, mas sobre o povo". Para ele, "o vinho é o único produto que tem a mesma complexidade do ser humano".

Para fazer este longo documentário (de quase 2 horas e 40 minutos), Jonathan Nossiter entrevistou mais de trinta pessoas nos EUA, França (região de Bordeaux, Borgonha, Languedoc), Itália (Sardenha, Toscana), Brasil e Argentina. Milionários da Napa Valley, na Califórnia, grandes famílias de aristocratas da Toscana, produtores tradicionais e pequenos vinicultores brasileiros.

Nossiter lança luz sobre as lutas de poder e à enorme influência de dois personagens-chave: o enólogo-consultor francês Michel Rolland e o badalado crítico americano Robert Parker.

O primeiro trabalha há vinte anos para centenas de produtores franceses e vários vinicultores de todo o mundo. Seus críticos o reprovam por homogeneizar o gosto de seus vinhos e destacam também que este gosto é muito parecido ao de Robert Parker, que enaltece ou arrasa, com seus pareceres, a reputação dos grandes vinhos do planeta.

Se em nenhum momento o documentário cai no ajuste de contas (Nossiter é ele mesmo um enólogo e conhece muito bem o meio que retrata), a orientação do diretor se revela claramente: está mais do lado dos produtores "tradicionais", ligados à sua terra, que do gigante americano Mondavi, cujo império cruza as fronteiras justamente com a ajuda de Michel Rolland.

"Algumas das pessoas com quem falei têm convicções éticas", diz Nossiter. "É a coisa que mais respeito", continua.

Como diz Battista Columbu, um vinicultor da Sardenha, "as quimeras de um progresso que só leva à ruína a si mesmo, à natureza e o sofrimento aos outros não nos devem distrair". "Aqui, na Sardenha, temos uma cultura milenar. Deveríamos viver em paz sobre a terra. Há espaço para todos", afirma Columbu.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Mondovino' entra para a disputa da Palma de Ouro em Cannes

Da AFP

14/05/2004 | 15:48


O cineasta e enólogo americano Jonathan Nossiter explora em "Mondovino", documentário apresentado nesta sexta-feira na seção oficial do Festival de Cannes, a face oculta do mundo do comércio do vinho, que há vinte anos vive uma revolução sem precedentes.

Este documentário, cuja apresentação estava prevista na seção "hors-concours", é o 19º aspirante à Palma de Ouro, segundo decisão da direção do festival anunciada na quarta-feira. Outro documentário, "Fahrenheit 911", do cineasta americano Michael Moore, também aspira ao prêmio máximo do festival.

Por desejo da organização do festival ou pura coincidência, os dois cineastas reivindicam um forte compromisso, uma boa dose de militância e são muito críticos com seu país.

Para Nossiter, "não resta a menor dúvida de que os piores malfeitores do mundo no momento sejam os grandes poderes dos EUA, começando, claro, pelo grande criminoso [o presidente George W.] Bush".

Ele também não poupa a Itália, cuja situação política lhe parece "trágica" desde a chegada de Silvio Berlusconi ao poder.

O cineasta, que já dirigiu documentários e filmes de ficção, explicou em entrevista coletiva em Cannes que "'Mondovino' não é um filme sobre o vinho, mas sobre o povo". Para ele, "o vinho é o único produto que tem a mesma complexidade do ser humano".

Para fazer este longo documentário (de quase 2 horas e 40 minutos), Jonathan Nossiter entrevistou mais de trinta pessoas nos EUA, França (região de Bordeaux, Borgonha, Languedoc), Itália (Sardenha, Toscana), Brasil e Argentina. Milionários da Napa Valley, na Califórnia, grandes famílias de aristocratas da Toscana, produtores tradicionais e pequenos vinicultores brasileiros.

Nossiter lança luz sobre as lutas de poder e à enorme influência de dois personagens-chave: o enólogo-consultor francês Michel Rolland e o badalado crítico americano Robert Parker.

O primeiro trabalha há vinte anos para centenas de produtores franceses e vários vinicultores de todo o mundo. Seus críticos o reprovam por homogeneizar o gosto de seus vinhos e destacam também que este gosto é muito parecido ao de Robert Parker, que enaltece ou arrasa, com seus pareceres, a reputação dos grandes vinhos do planeta.

Se em nenhum momento o documentário cai no ajuste de contas (Nossiter é ele mesmo um enólogo e conhece muito bem o meio que retrata), a orientação do diretor se revela claramente: está mais do lado dos produtores "tradicionais", ligados à sua terra, que do gigante americano Mondavi, cujo império cruza as fronteiras justamente com a ajuda de Michel Rolland.

"Algumas das pessoas com quem falei têm convicções éticas", diz Nossiter. "É a coisa que mais respeito", continua.

Como diz Battista Columbu, um vinicultor da Sardenha, "as quimeras de um progresso que só leva à ruína a si mesmo, à natureza e o sofrimento aos outros não nos devem distrair". "Aqui, na Sardenha, temos uma cultura milenar. Deveríamos viver em paz sobre a terra. Há espaço para todos", afirma Columbu.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;