Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 10 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Cenário pró-petista faz Câmara cogitar votar contas de Luiz Marinho hoje

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Nos bastidores, vereadores admitem derrota do governo Morando e miram destravar a pauta


Raphael Rocha
Do dgabc.com.br

29/05/2019 | 07:00


A Câmara de São Bernardo cogita votar hoje as contas do ex-prefeito Luiz Marinho (PT) com grande possibilidade de derrota do governo Orlando Morando (PSDB).

A análise das contabilidades de 2015 e de 2016 sobresta a pauta e impede que qualquer outro projeto seja apreciado há duas semanas. O impasse foi deflagrado porque articuladores do prefeito querem que a casa rejeite os balancetes – e, assim, abra caminho para enquadramento de Marinho na Lei da Ficha Limpa. Por outro lado, o governo não vê disposição de 19 vereadores para que o plano vingue.

O Diário apurou que a inércia dos trabalhos tem causado incômodo nos parlamentares. Não porque haja projetos de vulto para serem votados, mas há pequenas proposituras que fazem parte da rotina parlamentar – apresentação de títulos de cidadão, por exemplo.

Outro mal-estar é pelo cenário. Desde que o debate das contas de Marinho – às quais o TCE (Tribunal de Contas do Estado) emitiu parecer pela aprovação – chegou ao Legislativo, a dificuldade estava imposta. Primeiramente porque São Bernardo nunca barrou contas de um ex-prefeito, muito menos quando o parecer veio pela aprovação. Também porque parte da base de sustentação de Morando esteve alinhada a Marinho.

A tendência é a de que haja, nas primeiras horas da sessão, reunião entre os vereadores. Se o quadro permanecer – ou seja, vitória de Marinho na Câmara se desenhar –, a mesa diretora colocará as contas em votação. Porém, há chance de cartadas pela reprovação.

O cenário de incerteza sobre a sessão de hoje recai na falta das tradicionais reuniões entre Executivo e Legislativo. Todas segundas e terças-feiras há encontro da base de sustentação com Morando ou com Julia Benicio, secretária de Governo, para debate das pautas da sessão de quarta-feira. Pela segunda semana consecutiva a reunião foi suspensa.

Nos bastidores, comenta-se que dez vereadores estariam comprometidos a votar pela manutenção do parecer do TCE, ou seja, pela absolvição de Marinho. Os cinco petistas irão aprovar as contas. Os demais devem se abster ou deixar o plenário na votação.

Na semana passada, o presidente da Câmara, Ramon Ramos (PDT), estipulou que até o dia 5 de junho o assunto seria superado – seja pela aprovação ou pela rejeição das contabilidades do petista. Ele estimava que esse era um tempo hábil para que todos os vereadores pudessem analisar tecnicamente os pareceres do TCE e as avaliações da comissão mista do Legislativo (que opinou por negativar os balancetes). Também rechaçou qualquer influência do governo Morando no debate.

Ontem, o vereador Joilson Santos (PT) demonstrou otimismo. “O prefeito quer evitar o inevitável. Ele precisa disputar contra o Marinho em uma eleição, frente a frente.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cenário pró-petista faz Câmara cogitar votar contas de Luiz Marinho hoje

Nos bastidores, vereadores admitem derrota do governo Morando e miram destravar a pauta

Raphael Rocha
Do dgabc.com.br

29/05/2019 | 07:00


A Câmara de São Bernardo cogita votar hoje as contas do ex-prefeito Luiz Marinho (PT) com grande possibilidade de derrota do governo Orlando Morando (PSDB).

A análise das contabilidades de 2015 e de 2016 sobresta a pauta e impede que qualquer outro projeto seja apreciado há duas semanas. O impasse foi deflagrado porque articuladores do prefeito querem que a casa rejeite os balancetes – e, assim, abra caminho para enquadramento de Marinho na Lei da Ficha Limpa. Por outro lado, o governo não vê disposição de 19 vereadores para que o plano vingue.

O Diário apurou que a inércia dos trabalhos tem causado incômodo nos parlamentares. Não porque haja projetos de vulto para serem votados, mas há pequenas proposituras que fazem parte da rotina parlamentar – apresentação de títulos de cidadão, por exemplo.

Outro mal-estar é pelo cenário. Desde que o debate das contas de Marinho – às quais o TCE (Tribunal de Contas do Estado) emitiu parecer pela aprovação – chegou ao Legislativo, a dificuldade estava imposta. Primeiramente porque São Bernardo nunca barrou contas de um ex-prefeito, muito menos quando o parecer veio pela aprovação. Também porque parte da base de sustentação de Morando esteve alinhada a Marinho.

A tendência é a de que haja, nas primeiras horas da sessão, reunião entre os vereadores. Se o quadro permanecer – ou seja, vitória de Marinho na Câmara se desenhar –, a mesa diretora colocará as contas em votação. Porém, há chance de cartadas pela reprovação.

O cenário de incerteza sobre a sessão de hoje recai na falta das tradicionais reuniões entre Executivo e Legislativo. Todas segundas e terças-feiras há encontro da base de sustentação com Morando ou com Julia Benicio, secretária de Governo, para debate das pautas da sessão de quarta-feira. Pela segunda semana consecutiva a reunião foi suspensa.

Nos bastidores, comenta-se que dez vereadores estariam comprometidos a votar pela manutenção do parecer do TCE, ou seja, pela absolvição de Marinho. Os cinco petistas irão aprovar as contas. Os demais devem se abster ou deixar o plenário na votação.

Na semana passada, o presidente da Câmara, Ramon Ramos (PDT), estipulou que até o dia 5 de junho o assunto seria superado – seja pela aprovação ou pela rejeição das contabilidades do petista. Ele estimava que esse era um tempo hábil para que todos os vereadores pudessem analisar tecnicamente os pareceres do TCE e as avaliações da comissão mista do Legislativo (que opinou por negativar os balancetes). Também rechaçou qualquer influência do governo Morando no debate.

Ontem, o vereador Joilson Santos (PT) demonstrou otimismo. “O prefeito quer evitar o inevitável. Ele precisa disputar contra o Marinho em uma eleição, frente a frente.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;