Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 6 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Professores recebem, mas mantêm greve

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Instituição parcelou salário de março, mas não deu prazo para regularizar vencimentos de abril


Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

09/05/2019 | 07:00


Os professores da Universidade Metodista, em São Bernardo, completam 11 dias de paralisação hoje e, segundo eles, a greve permanece por tempo indeterminado. Embora a instituição de ensino superior tenha parcelado os salários de março, não há prazo para o pagamento dos vencimentos de abril. Além disso, a categoria cobra 13º, férias, vale-alimentação e vale-transporte, além da regularização dos depósitos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), que não são feitos desde 2015.

Segundo o presidente do Sinpro-ABC (Sindicato dos Professores do ABC), José Jorge Maggio, 90% dos profissionais que atuam na Metodista aderiram à paralisação. Segundo ele, os alunos também estão em greve, de cursos como odontologia, psicologia, rádio e TV e veterinária. “Essa mobilização coletiva teve uma boa adesão tanto de professores quanto de alunos. Quando tentamos contato com a universidade eles alegaram problemas de inadimplentes e concorrência”, diz.

De acordo com a estudante do 5º ano do curso de medicina veterinária, Rhauanne Barbosa, 26 anos, de sete docentes que ministram aulas semanalmente, apenas dois comparecem para as aulas. “Alguns professores não aderiram a essa greve, mas está sendo uma grande movimentação da nossa parte”, comenta. As aulas no curso, segundo Rhauanne, estão prejudicadas por adiamento de provas e trabalhos, mas que, futuramente, a universidade promete repor, conforme o calendário acadêmico. “Estamos mais preocupados em ajudar os professores.”

Em nota divulgada pela Metodista ontem, a rede informou que “os salários estão integralmente em dia, exceto os vencidos em 7 de maio, que já estão sendo regularizados diariamente”. Além disso, a instituição de ensino superior reformou que continuará trabalhando para evitar possíveis atrasos aos funcionários.

A crise econômica atinge a Universidade Metodista desde 2015. Neste período, 54 professores universitários e 15 do colégio, além de funcionários dos setores administrativos, foram demitidos. Apenas dez docentes conseguiram na Justiça voltar aos postos de trabalho.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Professores recebem, mas mantêm greve

Instituição parcelou salário de março, mas não deu prazo para regularizar vencimentos de abril

Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

09/05/2019 | 07:00


Os professores da Universidade Metodista, em São Bernardo, completam 11 dias de paralisação hoje e, segundo eles, a greve permanece por tempo indeterminado. Embora a instituição de ensino superior tenha parcelado os salários de março, não há prazo para o pagamento dos vencimentos de abril. Além disso, a categoria cobra 13º, férias, vale-alimentação e vale-transporte, além da regularização dos depósitos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), que não são feitos desde 2015.

Segundo o presidente do Sinpro-ABC (Sindicato dos Professores do ABC), José Jorge Maggio, 90% dos profissionais que atuam na Metodista aderiram à paralisação. Segundo ele, os alunos também estão em greve, de cursos como odontologia, psicologia, rádio e TV e veterinária. “Essa mobilização coletiva teve uma boa adesão tanto de professores quanto de alunos. Quando tentamos contato com a universidade eles alegaram problemas de inadimplentes e concorrência”, diz.

De acordo com a estudante do 5º ano do curso de medicina veterinária, Rhauanne Barbosa, 26 anos, de sete docentes que ministram aulas semanalmente, apenas dois comparecem para as aulas. “Alguns professores não aderiram a essa greve, mas está sendo uma grande movimentação da nossa parte”, comenta. As aulas no curso, segundo Rhauanne, estão prejudicadas por adiamento de provas e trabalhos, mas que, futuramente, a universidade promete repor, conforme o calendário acadêmico. “Estamos mais preocupados em ajudar os professores.”

Em nota divulgada pela Metodista ontem, a rede informou que “os salários estão integralmente em dia, exceto os vencidos em 7 de maio, que já estão sendo regularizados diariamente”. Além disso, a instituição de ensino superior reformou que continuará trabalhando para evitar possíveis atrasos aos funcionários.

A crise econômica atinge a Universidade Metodista desde 2015. Neste período, 54 professores universitários e 15 do colégio, além de funcionários dos setores administrativos, foram demitidos. Apenas dez docentes conseguiram na Justiça voltar aos postos de trabalho.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;