Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 16 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Empreendedorismo ganha mais força


Daniel Trielli
Do Diário do Grande ABC

19/04/2007 | 07:09


Cerca de 13,7 milhões de brasileiros são novos empreendedores. O dado, revelado pelo levantamento anual GEM (Global Entrepreneurship Monitor), também revela que o País está em 10º lugar no ranking de empreendedorismo. De toda a população adulta (de 18 a 64 anos), 11,7% criaram seu próprio negócio nos últimos 42 meses.

Embora o resultado (relativo a 2006) seja de destaque, é preciso notar que o índice pouco mudou desde o ano anterior. Em 2005, eram 11,3% as pessoas que haviam criado seu próprio empreendimento há três anos e meio ou menos.

Já nos empreendimentos que duram mais de 42 meses houve evolução no País. Se em 2002 cerca de 7,76% tinham negócios bem estabelecidos, em 2006 esse índice subiu para 12,09%. Atualmente, neste quesito, o Brasil fica em quinto lugar – atrás apenas de Filipinas (19,72%), Indonésia (17,62%), Tailândia (17,42%) e Peru (12,37%).

De acordo com Paulo Alberto Barros, pesquisador do GEM Brasil, isso é um sinal positivo. “O ambiente de empreendedorismo no País está melhorando”, destaca.

Ao mesmo tempo em que é indicado que as empresas conseguem se manter por mais tempo em atividade, se descobriu pela pesquisa que a taxa de descontinuidade segue em rota decrescente. Em 2002, 8,1% dos entrevistados pela pesquisa da GEM disseram que fecharam as portas de algum empreendimento nos últimos 12 meses. Em 2006, esse índice caiu para 4,5%.

O diretor-superintendente do Sebrae-SP (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo), Ricardo Tortorella, acredita que a situação vá melhorar ainda mais daqui para frente. “Estamos convencidos que pela implantação da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, em um curto espaço de tempo, vamos forçar esse índice para cima”, diz.

O presidente do Sebrae nacional, Paulo Okamoto, concorda. “Essa pesquisa é uma bela fotografia do momento brasileiro”, afirma. Além disso, Okamoto diz que a GEM ajuda ainda mais o esforço de fortalecimento das micro e pequenas empresas. Para ele, o levantamento reforça as percepções do setor. “Temos de construir mais conhecimento sobre o que leva as pessoas a empreender.”



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Empreendedorismo ganha mais força

Daniel Trielli
Do Diário do Grande ABC

19/04/2007 | 07:09


Cerca de 13,7 milhões de brasileiros são novos empreendedores. O dado, revelado pelo levantamento anual GEM (Global Entrepreneurship Monitor), também revela que o País está em 10º lugar no ranking de empreendedorismo. De toda a população adulta (de 18 a 64 anos), 11,7% criaram seu próprio negócio nos últimos 42 meses.

Embora o resultado (relativo a 2006) seja de destaque, é preciso notar que o índice pouco mudou desde o ano anterior. Em 2005, eram 11,3% as pessoas que haviam criado seu próprio empreendimento há três anos e meio ou menos.

Já nos empreendimentos que duram mais de 42 meses houve evolução no País. Se em 2002 cerca de 7,76% tinham negócios bem estabelecidos, em 2006 esse índice subiu para 12,09%. Atualmente, neste quesito, o Brasil fica em quinto lugar – atrás apenas de Filipinas (19,72%), Indonésia (17,62%), Tailândia (17,42%) e Peru (12,37%).

De acordo com Paulo Alberto Barros, pesquisador do GEM Brasil, isso é um sinal positivo. “O ambiente de empreendedorismo no País está melhorando”, destaca.

Ao mesmo tempo em que é indicado que as empresas conseguem se manter por mais tempo em atividade, se descobriu pela pesquisa que a taxa de descontinuidade segue em rota decrescente. Em 2002, 8,1% dos entrevistados pela pesquisa da GEM disseram que fecharam as portas de algum empreendimento nos últimos 12 meses. Em 2006, esse índice caiu para 4,5%.

O diretor-superintendente do Sebrae-SP (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo), Ricardo Tortorella, acredita que a situação vá melhorar ainda mais daqui para frente. “Estamos convencidos que pela implantação da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, em um curto espaço de tempo, vamos forçar esse índice para cima”, diz.

O presidente do Sebrae nacional, Paulo Okamoto, concorda. “Essa pesquisa é uma bela fotografia do momento brasileiro”, afirma. Além disso, Okamoto diz que a GEM ajuda ainda mais o esforço de fortalecimento das micro e pequenas empresas. Para ele, o levantamento reforça as percepções do setor. “Temos de construir mais conhecimento sobre o que leva as pessoas a empreender.”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;