Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Santander reduz investimento em títulos da dívida pública


Da AFP

23/10/2002 | 12:07


O Santander Central Hispano, maior banco espanhol, reduziu um terço dos investimentos em títulos da dívida pública no Brasil no terceiro trimestre de 2002, o que equivale a US$ 2,3 bilhões, segundo informações divulgadas pelo jornal especializado La Gaceta de los Negocios, nesta quarta-feira.

Citando analistas financeiros, a publicação afirma que no dia 30 de setembro os investimentos do Santander em títulos da dívida pública do Brasil eram de US$ 4,2 bilhões, em comparação aos US$ 6,5 bilhões do final de junho.

A retirada foi realizada, basicamente, aproveitando o vencimento de títulos a curto prazo em reais, afirma o jornal, acrescentando que o SCH prevê uma redução ainda maior até o final de 2002.

Um porta-voz do Santander, com forte presença no Brasil, disse que não pode confirmar a redução anunciada pelo jornal. O banco deve divulgar seus resultados dos primeiros nove meses do ano no dia 29 de outubro.

Segundo La Gaceta de los Negocios, os títulos da dívida pública brasileira tiveram um impacto negativo de US$ 190 milhões no resultado do Santander no primeiro semestre. No balanço, este deve chegar a US$ 120 milhões.

Na terça-feira, agência de classificação financeira Fitch Ratings reduziu as notas da dívida a longo prazo do Santander de AA- para AA+, enquanto as de curto prazo caíram de F1+ a F1.

Essa decisão foi tomada devido à recente revisão para baixo do rating da dívida brasileira, "devido à conjuntura econômica instável no país e à contínua desvalorização do real frente ao dólar", explicou a agência num comunicado.

A Fitch também expressou sua preocupação com a queda das ações da SCH (-30% desde o início do ano), que atribuiu à desvalorização das moedas na América Latina, como a que aconteceu com o peso argentino e o real no Brasil.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Santander reduz investimento em títulos da dívida pública

Da AFP

23/10/2002 | 12:07


O Santander Central Hispano, maior banco espanhol, reduziu um terço dos investimentos em títulos da dívida pública no Brasil no terceiro trimestre de 2002, o que equivale a US$ 2,3 bilhões, segundo informações divulgadas pelo jornal especializado La Gaceta de los Negocios, nesta quarta-feira.

Citando analistas financeiros, a publicação afirma que no dia 30 de setembro os investimentos do Santander em títulos da dívida pública do Brasil eram de US$ 4,2 bilhões, em comparação aos US$ 6,5 bilhões do final de junho.

A retirada foi realizada, basicamente, aproveitando o vencimento de títulos a curto prazo em reais, afirma o jornal, acrescentando que o SCH prevê uma redução ainda maior até o final de 2002.

Um porta-voz do Santander, com forte presença no Brasil, disse que não pode confirmar a redução anunciada pelo jornal. O banco deve divulgar seus resultados dos primeiros nove meses do ano no dia 29 de outubro.

Segundo La Gaceta de los Negocios, os títulos da dívida pública brasileira tiveram um impacto negativo de US$ 190 milhões no resultado do Santander no primeiro semestre. No balanço, este deve chegar a US$ 120 milhões.

Na terça-feira, agência de classificação financeira Fitch Ratings reduziu as notas da dívida a longo prazo do Santander de AA- para AA+, enquanto as de curto prazo caíram de F1+ a F1.

Essa decisão foi tomada devido à recente revisão para baixo do rating da dívida brasileira, "devido à conjuntura econômica instável no país e à contínua desvalorização do real frente ao dólar", explicou a agência num comunicado.

A Fitch também expressou sua preocupação com a queda das ações da SCH (-30% desde o início do ano), que atribuiu à desvalorização das moedas na América Latina, como a que aconteceu com o peso argentino e o real no Brasil.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;