Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 3 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Júri absolve delegado acusado de envolvimento na morte de jesuíta


Da Agência Brasil

29/10/2006 | 11:47


Depois de quase cinco dias de julgamento, o júri popular em Mato Grosso absolveu, na madrugada deste domingo, o ex-delegado de polícia Ronaldo Antônio Osmar, acusado de responsabilidade no assassinato do missionário jesuíta Vicente Cañas. O crime ocorreu há 19 anos na terra indígena dos Enawenê-Nawê, e até hoje não havia sido julgado.

Vicente foi morto a facadas por defender a demarcação da terra do povo Enawenê-Nawê, e seu corpo foi encontrado 40 dias depois do crime na porta do barraco onde morava. A sentença do júri confirmou que o missionário jesuíta foi mesmo assassinado, mas absolveu Ronaldo de responsabilidade por não conseguir estabelecer a ligação entre ele e o crime. Ronaldo Osmar era delegado de polícia de Juína, município próximo à terra indígena, na época do crime.

Dos seis acusados de participação na morte de Cañas, dois já morreram, dois atingiram 70 anos, o que faz com que a acusação contra eles prescreva, Ronaldo foi absolvido e o último acusado, o pistoleiro José Vicente da Silva, vai enfrentar o tribunal na próxima semana. O júri popular começa no dia 6 de novembro na Justiça Federal em Mato Grosso.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Júri absolve delegado acusado de envolvimento na morte de jesuíta

Da Agência Brasil

29/10/2006 | 11:47


Depois de quase cinco dias de julgamento, o júri popular em Mato Grosso absolveu, na madrugada deste domingo, o ex-delegado de polícia Ronaldo Antônio Osmar, acusado de responsabilidade no assassinato do missionário jesuíta Vicente Cañas. O crime ocorreu há 19 anos na terra indígena dos Enawenê-Nawê, e até hoje não havia sido julgado.

Vicente foi morto a facadas por defender a demarcação da terra do povo Enawenê-Nawê, e seu corpo foi encontrado 40 dias depois do crime na porta do barraco onde morava. A sentença do júri confirmou que o missionário jesuíta foi mesmo assassinado, mas absolveu Ronaldo de responsabilidade por não conseguir estabelecer a ligação entre ele e o crime. Ronaldo Osmar era delegado de polícia de Juína, município próximo à terra indígena, na época do crime.

Dos seis acusados de participação na morte de Cañas, dois já morreram, dois atingiram 70 anos, o que faz com que a acusação contra eles prescreva, Ronaldo foi absolvido e o último acusado, o pistoleiro José Vicente da Silva, vai enfrentar o tribunal na próxima semana. O júri popular começa no dia 6 de novembro na Justiça Federal em Mato Grosso.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;