Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

PM mata ex-interno da Febem em Garça (SP)


Do Diário On Line

07/05/2002 | 09:00


Um ex-interno da Febem foi morto por um policial militar em Garça, na região de Bauru, interior de São Paulo. O policial militar Sidnei Ferreira garante que apenas se defendeu do assalto que ocorreu em uma estrada de terra, que liga Garça a Pirajuí.

O soldado contou que estava com a namorada dentro de um carro quando um homem bateu no vidro e anunciou o assalto. Assustado, o policial sacou uma arma e matou com um tiro no peito o suposto ladrão. O jovem tinha 19 anos e já possuía passagem pela polícia por homicídio.

O soldado será afastado do serviço de rua e passará a trabalhar internamente na corporação. Além disso, durante três meses, ele ficará em observação psicológica.

Como Sidnei Ferreira não estava em serviço, a Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PM mata ex-interno da Febem em Garça (SP)

Do Diário On Line

07/05/2002 | 09:00


Um ex-interno da Febem foi morto por um policial militar em Garça, na região de Bauru, interior de São Paulo. O policial militar Sidnei Ferreira garante que apenas se defendeu do assalto que ocorreu em uma estrada de terra, que liga Garça a Pirajuí.

O soldado contou que estava com a namorada dentro de um carro quando um homem bateu no vidro e anunciou o assalto. Assustado, o policial sacou uma arma e matou com um tiro no peito o suposto ladrão. O jovem tinha 19 anos e já possuía passagem pela polícia por homicídio.

O soldado será afastado do serviço de rua e passará a trabalhar internamente na corporação. Além disso, durante três meses, ele ficará em observação psicológica.

Como Sidnei Ferreira não estava em serviço, a Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;