Fechar
Publicidade

Domingo, 15 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Cenário político no cinema

Divulgação: Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mulheres no Poder, com Dira Paes como
protagonista, fala de tramoias no Senado


Vanessa Ratti
Especial para o Diário

07/05/2016 | 05:51


Mesmo que escrito em 2010, o assunto retratado no filme Mulheres no Poder, que estreia quinta-feira (12), parece recente. Embora no longa as mulheres equivalem a grande parte do Senado brasileiro – o que não acontece na realidade política hoje –, as tramoias parecem em muito as que vemos no noticiário diariamente.

O objetivo do filme é mostrar de forma divertida as artimanhas criadas por Dira Paes, que vive a senadora Maria Pillar, e por Stella Miranda, na pele da ministra Ivone Feitosa. As duas buscam fraudar resultado de licitação e contam com a ajuda das atrizes Milena Contrucci Jamel e Gabrielle Lopez, que também estão no elenco.

A intenção do diretor Gustavo Acioli não era fazer diferença entre os sexos na política, mas mostrar o contraste da realidade. “Queria fazer uma brincadeira, já que o cenário político é formado por homens na maioria. Não é nada com as mulheres e sim com os problemas do País”, conta Acioli ao Diário.

A escolha da protagonista também foi pensada pelo diretor desde o início. Dira participou do seu primeiro longa, o drama Incuráveis (2005). “Neste momento ela é a maior atriz do Brasil e conseguiu ‘segurar’ todo o filme, já que aparece em 70% dele de maneira talentosa”, diz. Atualmente, ela está em alta na novela Velho Chico, como a professora Beatriz, que luta contra os políticos pela educação das crianças da região.

REFLEXÃO

Mesmo sendo comédia, as cenas que provocam risos são raras. Na maior parte do tempo, a trama traz reflexão, já que nela ninguém é isento de culpa, mas todos buscam interesses pessoais.
Mas falta um personagem que funcione como conexão com o público – com histórias comuns do cotidiano. Com isso, ficaria mais fácil a identificação com a história e até mesmo as risadas.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cenário político no cinema

Mulheres no Poder, com Dira Paes como
protagonista, fala de tramoias no Senado

Vanessa Ratti
Especial para o Diário

07/05/2016 | 05:51


Mesmo que escrito em 2010, o assunto retratado no filme Mulheres no Poder, que estreia quinta-feira (12), parece recente. Embora no longa as mulheres equivalem a grande parte do Senado brasileiro – o que não acontece na realidade política hoje –, as tramoias parecem em muito as que vemos no noticiário diariamente.

O objetivo do filme é mostrar de forma divertida as artimanhas criadas por Dira Paes, que vive a senadora Maria Pillar, e por Stella Miranda, na pele da ministra Ivone Feitosa. As duas buscam fraudar resultado de licitação e contam com a ajuda das atrizes Milena Contrucci Jamel e Gabrielle Lopez, que também estão no elenco.

A intenção do diretor Gustavo Acioli não era fazer diferença entre os sexos na política, mas mostrar o contraste da realidade. “Queria fazer uma brincadeira, já que o cenário político é formado por homens na maioria. Não é nada com as mulheres e sim com os problemas do País”, conta Acioli ao Diário.

A escolha da protagonista também foi pensada pelo diretor desde o início. Dira participou do seu primeiro longa, o drama Incuráveis (2005). “Neste momento ela é a maior atriz do Brasil e conseguiu ‘segurar’ todo o filme, já que aparece em 70% dele de maneira talentosa”, diz. Atualmente, ela está em alta na novela Velho Chico, como a professora Beatriz, que luta contra os políticos pela educação das crianças da região.

REFLEXÃO

Mesmo sendo comédia, as cenas que provocam risos são raras. Na maior parte do tempo, a trama traz reflexão, já que nela ninguém é isento de culpa, mas todos buscam interesses pessoais.
Mas falta um personagem que funcione como conexão com o público – com histórias comuns do cotidiano. Com isso, ficaria mais fácil a identificação com a história e até mesmo as risadas.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;