Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Trabalhadores conquistam aumento real


Luciele Velluto
Do Diário do Grande ABC

18/08/2007 | 07:00


O aquecimento da economia e os bons resultados dos setores de indústria, comércio e serviços ajudaram os trabalhadores brasileiros a conquistar melhores salários no primeiro semestre deste ano. No período, 97% dos acordos e convenções coletivas tiveram como resultado um reajuste salarial igual ou superior a inflação.

É o que afirma o levantamento realizado pelo SAS (Sistema de Acompanhamento de Salários) do Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), que analisou 280 negociações realizadas nos seis primeiros meses deste ano.

A pesquisa revela que, do total de acordos, 87,5% tiveram aumento real, além da correção das perdas do período. A inflação média do primeiro semestre foi de 3,2%, segundo o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Segundo o supervisor do Escritório Regional de São Paulo do Dieese, José Silvestre Prado de Oliveira, os índices deste ano mostram uma melhora nos resultados das campanhas salariais, pois no mesmo intervalo de tempo de 2006, 96% das negociações zeram a inflação e 83% tiveram aumento real.

“É um cenário favorável para as negociações. Estamos neste avanço desde 2004, quando começamos a recuperar as perdas que ocorreram de 2003 para trás”, explica Oliveira.

Segundo o especialista, a indústria é responsável por puxar a economia para a boa fase atual, já que representa 20% dos empregos no País e 30% do PIB (Produto Interno Bruto).

Para o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, o conjunto de bons resultados dos dois primeiros trimestres tem beneficiado as negociações coletivas. “Ainda é pequeno o crescimento da economia e do emprego no País, mas é muito favorável para os trabalhadores”, afirma.

São Paulo - No Estado paulista, das 39 negociações pesquisadas, 95% obtiveram reajuste salarial igual ou acima da inflação, sendo que 87,2% conquistaram ganho real.

A maior parte das campanhas do primeiro semestre foi no setor de serviços. A data-base do setor industrial se concentra no segundo semestre do ano.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trabalhadores conquistam aumento real

Luciele Velluto
Do Diário do Grande ABC

18/08/2007 | 07:00


O aquecimento da economia e os bons resultados dos setores de indústria, comércio e serviços ajudaram os trabalhadores brasileiros a conquistar melhores salários no primeiro semestre deste ano. No período, 97% dos acordos e convenções coletivas tiveram como resultado um reajuste salarial igual ou superior a inflação.

É o que afirma o levantamento realizado pelo SAS (Sistema de Acompanhamento de Salários) do Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), que analisou 280 negociações realizadas nos seis primeiros meses deste ano.

A pesquisa revela que, do total de acordos, 87,5% tiveram aumento real, além da correção das perdas do período. A inflação média do primeiro semestre foi de 3,2%, segundo o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Segundo o supervisor do Escritório Regional de São Paulo do Dieese, José Silvestre Prado de Oliveira, os índices deste ano mostram uma melhora nos resultados das campanhas salariais, pois no mesmo intervalo de tempo de 2006, 96% das negociações zeram a inflação e 83% tiveram aumento real.

“É um cenário favorável para as negociações. Estamos neste avanço desde 2004, quando começamos a recuperar as perdas que ocorreram de 2003 para trás”, explica Oliveira.

Segundo o especialista, a indústria é responsável por puxar a economia para a boa fase atual, já que representa 20% dos empregos no País e 30% do PIB (Produto Interno Bruto).

Para o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, o conjunto de bons resultados dos dois primeiros trimestres tem beneficiado as negociações coletivas. “Ainda é pequeno o crescimento da economia e do emprego no País, mas é muito favorável para os trabalhadores”, afirma.

São Paulo - No Estado paulista, das 39 negociações pesquisadas, 95% obtiveram reajuste salarial igual ou acima da inflação, sendo que 87,2% conquistaram ganho real.

A maior parte das campanhas do primeiro semestre foi no setor de serviços. A data-base do setor industrial se concentra no segundo semestre do ano.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;