Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Onda de frio polar na Argentina põe em xeque o sistema energético


Da AFP

08/07/2007 | 17:52


A onda de frio polar que afeta todo o território argentino põe em xeque o sistema energético já em crise, com cortes de fornecimento de gás e eletricidade nas grandes indústrias, mas as previsões para a semana continuam sendo de baixas temperaturas.

O frio intenso que provocou nevadas incomuns na província de São Luis com termômetros abaixo de zero em grande parte do território aumenta a demanda de energia. Na tentativa de aliviá-la, o governo recorreu a importações extras de Brasil, Paraguai e Bolívia.

A falta de chuvas no sul do país compromete a geração de energia nas hidroelétricas, o que sobrecarrega a produção nas centrais termoelétricas que funcionam com combustíveis líquidos.

Cerca de 4,7 mil indústrias foram afetadas por cortes de gás e eletricidade. Mas o governo reafirmou sua intenção de evitar os cortes nas residências a pouco menos de cinco meses das eleições gerais e na ante-sala da campanha eleitoral da candidata e primeira-dama, Cristina Kirchner.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Onda de frio polar na Argentina põe em xeque o sistema energético

Da AFP

08/07/2007 | 17:52


A onda de frio polar que afeta todo o território argentino põe em xeque o sistema energético já em crise, com cortes de fornecimento de gás e eletricidade nas grandes indústrias, mas as previsões para a semana continuam sendo de baixas temperaturas.

O frio intenso que provocou nevadas incomuns na província de São Luis com termômetros abaixo de zero em grande parte do território aumenta a demanda de energia. Na tentativa de aliviá-la, o governo recorreu a importações extras de Brasil, Paraguai e Bolívia.

A falta de chuvas no sul do país compromete a geração de energia nas hidroelétricas, o que sobrecarrega a produção nas centrais termoelétricas que funcionam com combustíveis líquidos.

Cerca de 4,7 mil indústrias foram afetadas por cortes de gás e eletricidade. Mas o governo reafirmou sua intenção de evitar os cortes nas residências a pouco menos de cinco meses das eleições gerais e na ante-sala da campanha eleitoral da candidata e primeira-dama, Cristina Kirchner.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;