Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Fãs de k-pop utilizam redes sociais para ajudar movimento antirracismo



05/06/2020 | 16:13


As redes sociais como o Twitter e o Instagram se tornaram um ambiente com ampla divulgação de mensagens apoiando o movimento antirracismo, que ganhou força após o assassinato de George Floyd por um policial. E a movimentação nas redes chegou inclusive aos fãs de k-pop, gênero de música pop produzido por grupos da Coreia do Sul.

Na quarta-feira, 3, surgiram as hashtags #WhiteLivesMatter (Vidas Brancas Importam) e #BlueLivesMatter (Vidas Azuis Importam, em referência a policiais) como forma de questionar e contestar as manifestações que surgiram nos Estados Unidos, com a frase "Black Lives Matter" (Vidas Negras Importam). Como forma de enfraquecer esses conteúdos, os fãs de k-pop se organizaram para realizar uma prática já conhecida no Twitter.

É comum que esses fãs publiquem as chamadas fancams, basicamente montagens que reúnem vídeos e fotos para homenagear um determinado cantor ou grupo musical. Esses vídeos já eram publicados em respostas a outras publicações na rede como forma de obter visualizações, e se tornaram uma forma de diluir o conteúdo das novas hashtags.

A estratégia foi repetida para tirar do ar um aplicativo lançado pela polícia da cidade de Dallas, nos Estados Unidos, em que pessoas podiam enviar vídeos e informações sobre manifestações para fazer denúncias. O aplicativo foi retirado do ar no mesmo dia do lançamento.

A ação dos k-popers, como são conhecidos, acabou sendo elogiada nas redes sociais, e as hashtags seguem recebendo conteúdos de fancams e outras imagens de cantores e grupos de k-pop.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Fãs de k-pop utilizam redes sociais para ajudar movimento antirracismo


05/06/2020 | 16:13


As redes sociais como o Twitter e o Instagram se tornaram um ambiente com ampla divulgação de mensagens apoiando o movimento antirracismo, que ganhou força após o assassinato de George Floyd por um policial. E a movimentação nas redes chegou inclusive aos fãs de k-pop, gênero de música pop produzido por grupos da Coreia do Sul.

Na quarta-feira, 3, surgiram as hashtags #WhiteLivesMatter (Vidas Brancas Importam) e #BlueLivesMatter (Vidas Azuis Importam, em referência a policiais) como forma de questionar e contestar as manifestações que surgiram nos Estados Unidos, com a frase "Black Lives Matter" (Vidas Negras Importam). Como forma de enfraquecer esses conteúdos, os fãs de k-pop se organizaram para realizar uma prática já conhecida no Twitter.

É comum que esses fãs publiquem as chamadas fancams, basicamente montagens que reúnem vídeos e fotos para homenagear um determinado cantor ou grupo musical. Esses vídeos já eram publicados em respostas a outras publicações na rede como forma de obter visualizações, e se tornaram uma forma de diluir o conteúdo das novas hashtags.

A estratégia foi repetida para tirar do ar um aplicativo lançado pela polícia da cidade de Dallas, nos Estados Unidos, em que pessoas podiam enviar vídeos e informações sobre manifestações para fazer denúncias. O aplicativo foi retirado do ar no mesmo dia do lançamento.

A ação dos k-popers, como são conhecidos, acabou sendo elogiada nas redes sociais, e as hashtags seguem recebendo conteúdos de fancams e outras imagens de cantores e grupos de k-pop.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;