Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Agentes protestam em cadeias da região


Vanessa Fajardo
Do Diário do Grande ABC

09/05/2008 | 07:02


Os agentes penitenciários dos CDPs (Centros de Detenção Provisória) de Diadema e Santo André paralisaram suas atividades ontem como forma de protesto pelo assassinato de dois representantes da categoria que trabalhavam no CDP de Osasco. Em Diadema, uma faixa preta e dois cartazes com a palavra luto foram pendurados na fachada da unidade. Em todo o Estado, outros 11 CDPs aderiram ao protesto.

Durante todo o dia, os funcionários não atenderam aos oficiais de Justiça e advogados, e não entregaram os jumbos (alimentos trazidos pelos parentes) aos detentos.

A Secretaria de Administração Penitenciária do Estado não confirmou a interrupção das atividades em nenhum dos CDPs do Grande ABC. Segundo o órgão, a paralisação parcial teria ocorrido apenas no CDP 1 de Osasco, mas nenhum incidente foi registrado.

De acordo com um funcionário que não quis se identificar, o manifesto foi realizado para mostrar a indignação da classe com a falta de segurança a que eles são submetidos diariamente. "Há um descaso do Estado conosco. Dois agentes foram assassinados e nós sequer ficamos sabendo do resultado das investigações."

O diretor de saúde do Sindasp (Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo), Luiz da Silva Filho, acredita que os assassinatos sejam resultado de uma briga do crime organizado com o Estado. "Os funcionários não têm nada a ver com isso, mas acabam pagando. A morte deles não foi uma fatalidade, os agentes foram executados."

O Sindasp vai organizar um movimento para exigir melhorias à categoria, entre elas, a contratação de mais funcionários para atender a demanda de detentos nos CDPs. Na próxima quarta-feira, dia 14, representantes do sindicato farão manifestação na Assembléia Legislativa de São Paulo.

CRIMES
Dois agentes penitenciários de Osasco foram mortos nos últimos 30 dias. No dia 7 de abril, Arnóbio Araújo Neiva Filho, 59 anos, levou um tiro dentro do carro quando estava a caminho do trabalho. O último crime ocorreu às 17h30 de anteontem, quando Joselito Moreira Protes, 58, foi morto com quatro tiros no peito e um no rosto assim que chegava em casa no Jardim Glória. Segundo testemunhas, depois de atirar, os criminosos fugiram em uma Fiorino branca.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Agentes protestam em cadeias da região

Vanessa Fajardo
Do Diário do Grande ABC

09/05/2008 | 07:02


Os agentes penitenciários dos CDPs (Centros de Detenção Provisória) de Diadema e Santo André paralisaram suas atividades ontem como forma de protesto pelo assassinato de dois representantes da categoria que trabalhavam no CDP de Osasco. Em Diadema, uma faixa preta e dois cartazes com a palavra luto foram pendurados na fachada da unidade. Em todo o Estado, outros 11 CDPs aderiram ao protesto.

Durante todo o dia, os funcionários não atenderam aos oficiais de Justiça e advogados, e não entregaram os jumbos (alimentos trazidos pelos parentes) aos detentos.

A Secretaria de Administração Penitenciária do Estado não confirmou a interrupção das atividades em nenhum dos CDPs do Grande ABC. Segundo o órgão, a paralisação parcial teria ocorrido apenas no CDP 1 de Osasco, mas nenhum incidente foi registrado.

De acordo com um funcionário que não quis se identificar, o manifesto foi realizado para mostrar a indignação da classe com a falta de segurança a que eles são submetidos diariamente. "Há um descaso do Estado conosco. Dois agentes foram assassinados e nós sequer ficamos sabendo do resultado das investigações."

O diretor de saúde do Sindasp (Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo), Luiz da Silva Filho, acredita que os assassinatos sejam resultado de uma briga do crime organizado com o Estado. "Os funcionários não têm nada a ver com isso, mas acabam pagando. A morte deles não foi uma fatalidade, os agentes foram executados."

O Sindasp vai organizar um movimento para exigir melhorias à categoria, entre elas, a contratação de mais funcionários para atender a demanda de detentos nos CDPs. Na próxima quarta-feira, dia 14, representantes do sindicato farão manifestação na Assembléia Legislativa de São Paulo.

CRIMES
Dois agentes penitenciários de Osasco foram mortos nos últimos 30 dias. No dia 7 de abril, Arnóbio Araújo Neiva Filho, 59 anos, levou um tiro dentro do carro quando estava a caminho do trabalho. O último crime ocorreu às 17h30 de anteontem, quando Joselito Moreira Protes, 58, foi morto com quatro tiros no peito e um no rosto assim que chegava em casa no Jardim Glória. Segundo testemunhas, depois de atirar, os criminosos fugiram em uma Fiorino branca.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;