Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Duplicação da Índio Tibiriçá segue no papel após 6 anos

Denis Maciel/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Estudo sobre viabilidade da execução de obra foi
iniciado em 2011, entretanto, permanece em análise


Daniel Macário
Do Diário do Grande ABC

04/10/2017 | 07:00


 Promessa antiga do governo estadual, a duplicação da Rodovia Índio Tibiriçá ainda está longe de se tornar realidade. Seis anos após a proposta de alargamento da via, até então famosa pelo título de ‘estrada da morte’, ser apresentada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) a autoridades do Grande ABC, o projeto segue em análise por técnicos do DER (Departamento de Estradas e Rodagem).

Embora negue que o projeto de duplicação da rodovia – que corta Santo André, São Bernardo e Ribeirão Pires – esteja engavetado, o órgão estadual não tem previsão para que os “estudos sobre monitoramento do tráfego” sejam concluídos. Conforme o DER, o planejamento é necessário para avaliar a necessidade das obras. “O trecho mencionado é totalmente urbanizado, e qualquer intervenção geométrica na rodovia, como duplicação, deve ser minuciosamente examinada para gerar menor impacto à população”, justifica, em nota.

Na época em que anunciou a duplicação como necessária para a região, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) chegou a cogitar o início das obras logo após a inauguração do Trecho Leste do Rodoanel Mário Covas, o que não aconteceu. O anel viário estava previsto para ficar pronto em 2014, mas só foi inaugurado um ano depois.

Para agravar a situação, a Índio Tibiriçá não apresentou queda na circulação de veículos com a abertura do Rodoanel. Pelo contrário. Aumentou em 4% o volume de carros que trafegam pelo trecho que corta o Grande ABC entre 2013 e 2016 – passou de 21 mil para 22,4 mil. A rodovia, inclusive, já possui índice duas vezes maior ao considerado mínimo pelo Estado para que sejam feitas obras de alargamento. “Normalmente, quando a circulação diária é superior a 10 mil veículos, a gente duplica”, disse o governador em 2011.

Embora o título de ‘estrada da morte’ tenha ficado para trás, tendo em vista queda de 90% no número de óbitos em decorrência de acidentes na rodovia na comparação entre o primeiro semestre de 2012 e 2017 – passou de 77 mortes para sete –, a Índio Tibiriçá segue acumulando problemas estruturais ao longo dos seus 21 quilômetros de extensão entre cidades do Grande ABC.

Com somente uma passarela e falhas de sinalização em diversos pontos, pedestres continuam sendo obrigados a se arriscar pelos acostamentos, enquanto condutores cometem infrações como ultrapassagens em faixa contínua e abuso do excesso de velocidade.

“Os motoristas invadem sempre o acostamento. Isso quando você não é obrigado a ficar uns dez minutos esperando a boa vontade deles para poder atravessar a rodovia, já que não tem passarela”, relata o carpinteiro Leandro Benedito, 39 anos.

Para o servente João Flávio dos Santos Ferro, 34, a situação mais difícil se dá em dias em que há acidentes. “Se tem algum capotamento o trânsito para.”

Segundo o DER, entre 2011 e 2017 o órgão investiu R$ 94,2 milhões em obras na rodovia, incluindo a modernização da pista, implantação de baias de ônibus e melhorias na sinalização.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Duplicação da Índio Tibiriçá segue no papel após 6 anos

Estudo sobre viabilidade da execução de obra foi
iniciado em 2011, entretanto, permanece em análise

Daniel Macário
Do Diário do Grande ABC

04/10/2017 | 07:00


 Promessa antiga do governo estadual, a duplicação da Rodovia Índio Tibiriçá ainda está longe de se tornar realidade. Seis anos após a proposta de alargamento da via, até então famosa pelo título de ‘estrada da morte’, ser apresentada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) a autoridades do Grande ABC, o projeto segue em análise por técnicos do DER (Departamento de Estradas e Rodagem).

Embora negue que o projeto de duplicação da rodovia – que corta Santo André, São Bernardo e Ribeirão Pires – esteja engavetado, o órgão estadual não tem previsão para que os “estudos sobre monitoramento do tráfego” sejam concluídos. Conforme o DER, o planejamento é necessário para avaliar a necessidade das obras. “O trecho mencionado é totalmente urbanizado, e qualquer intervenção geométrica na rodovia, como duplicação, deve ser minuciosamente examinada para gerar menor impacto à população”, justifica, em nota.

Na época em que anunciou a duplicação como necessária para a região, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) chegou a cogitar o início das obras logo após a inauguração do Trecho Leste do Rodoanel Mário Covas, o que não aconteceu. O anel viário estava previsto para ficar pronto em 2014, mas só foi inaugurado um ano depois.

Para agravar a situação, a Índio Tibiriçá não apresentou queda na circulação de veículos com a abertura do Rodoanel. Pelo contrário. Aumentou em 4% o volume de carros que trafegam pelo trecho que corta o Grande ABC entre 2013 e 2016 – passou de 21 mil para 22,4 mil. A rodovia, inclusive, já possui índice duas vezes maior ao considerado mínimo pelo Estado para que sejam feitas obras de alargamento. “Normalmente, quando a circulação diária é superior a 10 mil veículos, a gente duplica”, disse o governador em 2011.

Embora o título de ‘estrada da morte’ tenha ficado para trás, tendo em vista queda de 90% no número de óbitos em decorrência de acidentes na rodovia na comparação entre o primeiro semestre de 2012 e 2017 – passou de 77 mortes para sete –, a Índio Tibiriçá segue acumulando problemas estruturais ao longo dos seus 21 quilômetros de extensão entre cidades do Grande ABC.

Com somente uma passarela e falhas de sinalização em diversos pontos, pedestres continuam sendo obrigados a se arriscar pelos acostamentos, enquanto condutores cometem infrações como ultrapassagens em faixa contínua e abuso do excesso de velocidade.

“Os motoristas invadem sempre o acostamento. Isso quando você não é obrigado a ficar uns dez minutos esperando a boa vontade deles para poder atravessar a rodovia, já que não tem passarela”, relata o carpinteiro Leandro Benedito, 39 anos.

Para o servente João Flávio dos Santos Ferro, 34, a situação mais difícil se dá em dias em que há acidentes. “Se tem algum capotamento o trânsito para.”

Segundo o DER, entre 2011 e 2017 o órgão investiu R$ 94,2 milhões em obras na rodovia, incluindo a modernização da pista, implantação de baias de ônibus e melhorias na sinalização.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;