Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Posto do IML em Mauá será reativado depois de 20 anos

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Serviço, previsto para funcionar até julho de 2018, desafogará unidade de Sto.André


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

04/10/2017 | 07:00


 Após duas décadas, Mauá voltará finalmente a ter posto do IML (Instituto Médico-Legal), reivindicação antiga da população. A previsão é a de que o retorno do serviço estadual ao município aconteça até julho de 2018, quando está prevista a conclusão da reforma do prédio que receberá o equipamento, onde atualmente funciona o serviço funerário municipal, no Cemitério Santa Lídia.
Desde 1998, quando o serviço mauaense foi desativado, as ocorrências da cidade, bem como as de Ribeirão Pires e as de Rio Grande da Serra, passaram a ser atendidas no IML de Santo André. A expectativa é a de que a reabertura do posto colabore para desafogar a unidade andreense que, de acordo com a SSP (Secretaria de Segurança Pública) do Estado, registrava média mensal de 87 necrópsias em fevereiro, enquanto São Bernardo contabilizava 46 e Diadema 29.
“Queremos diminuir a espera. Em alguns casos, em feriados, por exemplo, famílias aguardavam até 24 horas para a liberação do corpo de um ente querido. A expectativa é a de que isso seja mais rápido, já que vamos ter uma equipe para atender estes três municípios”, destaca o prefeito Atila Jacomussi (PSB), responsável pela adequação do prédio que receberá o IML.
As adaptações do imóvel, que incluem instalação de câmaras frias e de espaço separado para a realização de exames de corpo e delito em vítimas de violência, estão programadas para ter início em novembro a custo de R$ 500 mil. Conforme o prefeito, o serviço funerário será deslocado para outro prédio dentro do próprio cemitério.
O pleito para que Mauá volte a ter posto do IML é antigo. Em 2013, o então secretário estadual de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, chegou a garantir a reabertura do posto para o primeiro semestre de 2014. No mesmo ano, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) endossou a promessa em visita ao Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, quando destacou investimento de R$ 2 milhões para o serviço mauaense e de Instituto de Criminalística.
A SSP informou que vai fornecer os profissionais que atuarão no posto de Mauá. “A Prefeitura oferecerá o prédio, a reforma e a estrutura necessária para implantação do serviço, não havendo ônus ao Estado”, esclareceu em nota, não detalhando o investimento. “Após reforma do prédio e aparelhamento do local, será possível determinar a área que será disponibilizada pela Prefeitura. A EPML (Equipe de Perícias Médico-Legais) de Mauá funcionará com estrutura adequada para atender a demanda”, frisou.
O Estado também destacou que as quatro unidades existentes na região – Santo André, São Bernardo, São Caetano e Diadema – suprem a demanda. “A abertura do IML de Mauá terá apenas objetivo de atender ainda melhor a população da área”, considerou.

Falta de peritos nas unidades da região é principal problema, conforme sindicato

Assim como acontece em todo o Estado, a falta de profissionais para compor equipes nos IMLs (Institutos Médico-Legais) é o principal problema enfrentado nas unidades da região, conforme o Sinpcresp (Sindicato dos Peritos Criminais do Estado de São Paulo). Segundo o presidente da entidade, Eduardo Becker Tagliarini, o deficit de trabalhadores chega a 35%.
Na região, são apenas duas equipes de peritos, instaladas em Santo André e São Bernardo, mas que atuam nos quatro IMLs, conforme o Sinpcresp. A principal preocupação, segundo Tagliarini, está no posto andreense, onde metade da equipe já tem direito à aposentadoria. Caso todos resolvessem encerrar a carreira, o atendimento sofreria colapso. “A quantidade de serviço está acima da capacidade”, destaca.
Para reverter o problema, Tagliarini afirma que foram realizadas três reuniões com o Estado e encaminhados cinco ofícios à Secretaria de Segurança Pública. A reivindicação é a de que candidatos aprovados em concurso realizado em 2013 sejam chamados.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Posto do IML em Mauá será reativado depois de 20 anos

Serviço, previsto para funcionar até julho de 2018, desafogará unidade de Sto.André

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

04/10/2017 | 07:00


 Após duas décadas, Mauá voltará finalmente a ter posto do IML (Instituto Médico-Legal), reivindicação antiga da população. A previsão é a de que o retorno do serviço estadual ao município aconteça até julho de 2018, quando está prevista a conclusão da reforma do prédio que receberá o equipamento, onde atualmente funciona o serviço funerário municipal, no Cemitério Santa Lídia.
Desde 1998, quando o serviço mauaense foi desativado, as ocorrências da cidade, bem como as de Ribeirão Pires e as de Rio Grande da Serra, passaram a ser atendidas no IML de Santo André. A expectativa é a de que a reabertura do posto colabore para desafogar a unidade andreense que, de acordo com a SSP (Secretaria de Segurança Pública) do Estado, registrava média mensal de 87 necrópsias em fevereiro, enquanto São Bernardo contabilizava 46 e Diadema 29.
“Queremos diminuir a espera. Em alguns casos, em feriados, por exemplo, famílias aguardavam até 24 horas para a liberação do corpo de um ente querido. A expectativa é a de que isso seja mais rápido, já que vamos ter uma equipe para atender estes três municípios”, destaca o prefeito Atila Jacomussi (PSB), responsável pela adequação do prédio que receberá o IML.
As adaptações do imóvel, que incluem instalação de câmaras frias e de espaço separado para a realização de exames de corpo e delito em vítimas de violência, estão programadas para ter início em novembro a custo de R$ 500 mil. Conforme o prefeito, o serviço funerário será deslocado para outro prédio dentro do próprio cemitério.
O pleito para que Mauá volte a ter posto do IML é antigo. Em 2013, o então secretário estadual de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, chegou a garantir a reabertura do posto para o primeiro semestre de 2014. No mesmo ano, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) endossou a promessa em visita ao Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, quando destacou investimento de R$ 2 milhões para o serviço mauaense e de Instituto de Criminalística.
A SSP informou que vai fornecer os profissionais que atuarão no posto de Mauá. “A Prefeitura oferecerá o prédio, a reforma e a estrutura necessária para implantação do serviço, não havendo ônus ao Estado”, esclareceu em nota, não detalhando o investimento. “Após reforma do prédio e aparelhamento do local, será possível determinar a área que será disponibilizada pela Prefeitura. A EPML (Equipe de Perícias Médico-Legais) de Mauá funcionará com estrutura adequada para atender a demanda”, frisou.
O Estado também destacou que as quatro unidades existentes na região – Santo André, São Bernardo, São Caetano e Diadema – suprem a demanda. “A abertura do IML de Mauá terá apenas objetivo de atender ainda melhor a população da área”, considerou.

Falta de peritos nas unidades da região é principal problema, conforme sindicato

Assim como acontece em todo o Estado, a falta de profissionais para compor equipes nos IMLs (Institutos Médico-Legais) é o principal problema enfrentado nas unidades da região, conforme o Sinpcresp (Sindicato dos Peritos Criminais do Estado de São Paulo). Segundo o presidente da entidade, Eduardo Becker Tagliarini, o deficit de trabalhadores chega a 35%.
Na região, são apenas duas equipes de peritos, instaladas em Santo André e São Bernardo, mas que atuam nos quatro IMLs, conforme o Sinpcresp. A principal preocupação, segundo Tagliarini, está no posto andreense, onde metade da equipe já tem direito à aposentadoria. Caso todos resolvessem encerrar a carreira, o atendimento sofreria colapso. “A quantidade de serviço está acima da capacidade”, destaca.
Para reverter o problema, Tagliarini afirma que foram realizadas três reuniões com o Estado e encaminhados cinco ofícios à Secretaria de Segurança Pública. A reivindicação é a de que candidatos aprovados em concurso realizado em 2013 sejam chamados.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;