Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Ribeirão tem despejo
irregular de terra

Sem saber origem do material, moradores do Jd. Santa Inês
temem contaminação de solo em área de proteção ambiental


Drielly Gaspar
Especial para o Diário

17/12/2012 | 07:00


Terreno no Jardim Santa Inês, próximo às obras do Trecho Leste do Rodoanel, em Ribeirão Pires, está sendo usado para descarte irregular de terra. Localizada na Rua Saturno, a área tem preocupado os vizinhos, que temem contaminação ambiental por não saber a origem do material depositado.

O autônomo Ivair Fernandes, 41 anos, afirma que os caminhões que descarregam a terra no local chegam a formar fila. "Em outro dia não dava para subir a via de tanto caminhão que havia", lembra.

De acordo com os moradores, quem fez o despejo de terra dizia ser dono do terreno e ter autorização da Prefeitura. Mas o autônomo Daniel Rodrigues Boa Sorte, 49, tem certeza de que o descarte é irregular porque tenta há cinco anos construir a sede de sua empresa na região e não consegue obter a licença de funcionamento. "Aqui é área de proteção ambiental. Não autorizariam aterro sanitário", sustenta.

A preocupação dos vizinhos do terreno é que, por ter procedência desconhecida, o material possa estar contaminado. "Estão descarregando terra misturada com lama e produto químico. Isso pode gerar problema ou até causar doenças", opina Ivair. Daniel também acredita que, se realmente estiver infectada, a terra pode transmitir doenças para a população.

Os moradores entraram em contato com a Prefeitura e a Defesa Civil do município, mas não tiveram sucesso em resolver o impasse. "Eles (Defesa Civil) chegaram a vir aqui e repreender a pessoa que estava descarregando os caminhões, mas ela continuou como se nada tivesse acontecido", afirma Daniel. "Não vamos aceitar isso. O impacto ambiental é muito grande, alguém precisa fazer alguma coisa."

Procurada, a Prefeitura de Ribeirão Pires disse que o aterro e a supressão de vegetação da área foram realizados sem autorização. Após duas denúncias, foi realizada vistoria e o responsável pela obra foi notificado a paralisar o descarte. As demais medidas necessárias estão sendo tomadas pela Sephama (Secretaria de Habitação, Planejamento Urbano, Meio Ambiente e Saneamento Básico).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ribeirão tem despejo
irregular de terra

Sem saber origem do material, moradores do Jd. Santa Inês
temem contaminação de solo em área de proteção ambiental

Drielly Gaspar
Especial para o Diário

17/12/2012 | 07:00


Terreno no Jardim Santa Inês, próximo às obras do Trecho Leste do Rodoanel, em Ribeirão Pires, está sendo usado para descarte irregular de terra. Localizada na Rua Saturno, a área tem preocupado os vizinhos, que temem contaminação ambiental por não saber a origem do material depositado.

O autônomo Ivair Fernandes, 41 anos, afirma que os caminhões que descarregam a terra no local chegam a formar fila. "Em outro dia não dava para subir a via de tanto caminhão que havia", lembra.

De acordo com os moradores, quem fez o despejo de terra dizia ser dono do terreno e ter autorização da Prefeitura. Mas o autônomo Daniel Rodrigues Boa Sorte, 49, tem certeza de que o descarte é irregular porque tenta há cinco anos construir a sede de sua empresa na região e não consegue obter a licença de funcionamento. "Aqui é área de proteção ambiental. Não autorizariam aterro sanitário", sustenta.

A preocupação dos vizinhos do terreno é que, por ter procedência desconhecida, o material possa estar contaminado. "Estão descarregando terra misturada com lama e produto químico. Isso pode gerar problema ou até causar doenças", opina Ivair. Daniel também acredita que, se realmente estiver infectada, a terra pode transmitir doenças para a população.

Os moradores entraram em contato com a Prefeitura e a Defesa Civil do município, mas não tiveram sucesso em resolver o impasse. "Eles (Defesa Civil) chegaram a vir aqui e repreender a pessoa que estava descarregando os caminhões, mas ela continuou como se nada tivesse acontecido", afirma Daniel. "Não vamos aceitar isso. O impacto ambiental é muito grande, alguém precisa fazer alguma coisa."

Procurada, a Prefeitura de Ribeirão Pires disse que o aterro e a supressão de vegetação da área foram realizados sem autorização. Após duas denúncias, foi realizada vistoria e o responsável pela obra foi notificado a paralisar o descarte. As demais medidas necessárias estão sendo tomadas pela Sephama (Secretaria de Habitação, Planejamento Urbano, Meio Ambiente e Saneamento Básico).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;